segunda-feira, janeiro 21, 2008

Dili prosecutor refuses to question Xanana Gusmao

The Southeast Asian Times
From News Reports:

Dili, January 18:

East Timor's supposedly impartial Prosecutor General Longuinhos Monteiro has refused to investigate mutineer-deserter-and-murder-suspect Alfredo Reinado's allegation that president now-prime-minister Xanana Gusmao was the author of last year's disturbances that took the newly-independent country to the brink of civil war and a multi-national Australian-led military occupation.

Instead, Longuinhos Monteiro - who was quickly able to investigate ultimately false accusations against former prime minister Mari Alkatiri - says he needs advice from Gusmao's cheer-leader and foreign minister during the disturbances - the now president, Jose Ramos-Horta.

Why an independent prosecutor general would need the advice of a nominally ceremonial president is not explained.

The usually vociferous supporters of the Gusmao-Horta axis - the Australian corporate media - have been strangely quiet about the imbroglio although it did get to report the latter's call for his countrymen and women to pray for their former tormenter, General Soeharto, who is dying in Jakarta.

The request for Gusmao to be questioned is made in a letter to the Prosecutor General from Fretilin president

Francisco Guterres 'Lu-Olo' and follows distribution of a CD video throughout East Timor in which Alfredo Reinado makes his accusations against the president-prime minister.

The Southeast Asian Times reported the interview soon after it became public.

Longuinhos Monteiro has been quoted by East Timor's domestic media as saying that his office would not intervene because the contents of the video are too political.

He would also need to know what the president thought about what action should be taken.
Initially, the dubiously-appointed prime minister dodged East Timorese reporters who wanted his response to Alfredo Reinado's applications.

Now he has threatened to arrest them if and when instability re-emerges.

"You have to exercise more responsibility towards the environment of stability or instability. We close our eyes when in the case of small and big things you go and interview Alfredo," he said.
The Commander of the International Stabilisation Forces, Australian Brigadier General, John Hutcheson, said his troops will not be used to capture either Alfredo Reinado or his armed followers.

The Australian-trained mutineer-fugitive was an internal problem, he said.

What Reinado said:

In his speech widely reported inside East Timor but so far ignored by the foreign media, Reinado said Gusmao was behind the army protest movement known as the "petitioners" who deserted en masse in early 2006.

Reinado said: "He (Gusmao) calls us bad people, but it was he who created us, made us to be like this. He is the author of the petition. He was behind all of this. Now as a Prime Minister, he has changed his tune and is washing his hands.

"He has turned against us, those who were ordered and created by him. It was with his support that the petition emerged in the first place, it was his irresponsible speeches to the media that made people fight and kill each other until today and many more things, as he knows.

"I give my testimony as a witness, that Xanana is the main author of this crisis; he cannot lie or deny this. He will try anything and make all sorts of manoeuvres to save himself, but he will not succeed."

Reinado's broadside against Gusmao has been reported by newspapers which circulate mainly in the capital Dili and by Catholic Church radio which can be heard over most of the country.
East Timor's sole television station, the government-owned TVTL controlled by Gusmao supporters, has failed to broadcast footage of the speech though DVD copies are circulating in the capital.

Reinado also warned foreign companies not to invest in East Timor because the crisis remains unresolved.

Reinado is a former military police chief who spent several years in Australia and trained at the Australian Defence Academy in Canberra in 2005.

The following year he led an army mutiny against the Fretilin government of prime minister Mari Alkatiri who had angered Canberra by taking a tougher than expected stance in negotiations over oil and gas.

The mutiny sparked widespread violence, facilitated the dispatch of Australian troops to East Timor and forced the resignation of Alkatiri who was replaced by Jose Ramos Horta, a close ally of Gusmao.

Most Australian media acted as little more than a cheer squad for Gusmao and Horta, echoing Australian Prime Minister John Howard's argument that Alkatiri was to blame for the trouble.

Charges recommended

However a United Nations Independent Special Commission of Inquiry into the crisis recommended that Reinado be prosecuted and he was later charged with rebellion, eight counts of murder and 10 counts of attempted murder.

Despite the gravity of the alleged offences Reinado received open sympathy and covert support from Gusmao, who as president held the title of army commander in chief.

A correspondent for The Australian newspaper reported seeing a presidential order for Reinado and his fellow mutineers to base themselves in the town of Aileu, 50km southeast of the capital.
Following escalating violence in Dili, Reinado moved deeper into the mountains, establishing a base at the Poussada Hotel near Maubisse.

The Australian reported that operatives of Australia's Special Air Service went to the hotel to watch over Reinado who spent six weeks at the Poussada but moved out without settling his account.

The bill was paid by President Gusmao, hotel staff told The Australian.

Reinado was eventually arrested on July 27 2006 after Portuguese police discovered he and his men had moved back to the capital and were occupying houses across the street from Australian military headquarters.

The gang were jailed awaiting trial but broke out of prison a month later and went back to the mountains.

Despite his fugitive status Reinado remained in close and friendly contact with Australian troops. He was even photographed with a rocket launcher while attending a church-organised "peace seminar" in the presence of Australian soldiers.

Gusmao's Australian wife Kirsty Sword Gusmao came to the defence of the accused- murderer-turned- prison-escapee in an interview with ABC radio on September 6 2006.

"He (Reinado) has been portrayed somewhat incorrectly in the Australian media as being a renegade, a rebel," said the former schoolteacher turned charity queen.

"I think it's important to remember that when he defected from the military police, it was as a protest action against what he saw as terrible violations committed by our armed forces," she said.

Reinado took a step too far for Gusmao and Australia when he seized automatic weapons from police border posts in February last year.

Australian forces tried to recapture Reinado but he escaped from under their noses a second time, on March 4 2007, leaving behind the corpses of five of his supporters.

The stand-off between Reinado and the authorities has since descended into farce. President Horta - supposedly engaged in a "dialogue" with the rebel - has abused the judiciary for wanting to pursue murder charges against Reinado.

The Australian military commander in East Timor, Brigadier John Hutcheson, has been criticised by a judge and the country's main opposition party, Fretilin, for halting the operation to arrest Reinado on Horta's instructions.

The increasingly controversial role of Australian troops recently drew comment from an Australian Catholic priest Father Frank Brennan, a former director of the Jesuit Refugee Service in East Timor.

Brennan wrote: "There is a growing perception among local critics of the Timor government that the Australian troops are the personal troops of the President given their presence without full constitutional mandate and their ready response to Horta's arbitrary command, which showed little respect for the traditional separation of powers between the Executive and the judiciary."

Brennan noted that Fretilin supporters still feel cheated by Ramos Horta's decision to invite Gusmao to form a government, even though Fretilin outpolled Gusmao's party.

PHOTO:

East Timor mutineer-deserter-and-murder-suspect Alfredo Reinado has been often interviewed by the international and domestic media. But that was before named prime minister Xanana Gusmao as the architect of last year's disturbances in the newly-independent country. Now the former president has threatened reporters with arrest if they interview the fugitive

Chris Ray

Tradução:

Procurador de Dili recusa interrogar Xanana Gusmão

The Southeast Asian Times
De News Reports:

Dili, Janeiro 18:

O supostamente imparcial Procurador-Geral de Timor-Leste Longuinhos Monteiro tem-se recusado a investigar a alegação do suspeito de homicídio-desertor-amotinado Alfredo Reinado de que o presidente agora-primeiro-ministro Xanana Gusmão foi o autor dos distúrbios do ano passado que levaram o país recém-independente à beira da guerra civil e a uma ocupação militar liderada pelos Australianos.

Em vez disso, Longuinhos Monteiro – que foi rápido a investigar anteriormente falsas acusações contra o antigo primeiro-ministro Mari Alkatiri – diz que precisa do conselho do propagandista de Gusmão e ministro dos estrangeiros durante os distúrbios - o agora presidente, José Ramos-Horta.

Porque é que um procurador-geral independente precisaria do conselho de um presidente com um papel principalmente cerimonial não é explicado.

Os habitualmente barulhentos apoiantes do eixo Gusmão-Horta -os media corporativos Australianos – têm andado estranhamente calados sobre este imbróglio apesar de terem relatado o último apelo para os seus co-cidadãos rezarem pelo seu antigo torturador, o General Soeharto, que está a morrer em Jacarta.

O pedido para Gusmão ser interrogado foi feito numa carta do presidente da Fretilin ao Procurador-Geral

A carta de Francisco Guterres 'Lu-Olo'segue-se à distribuição de um CD video através de Timor-Leste onde Alfredo Reinado faz acusações contra o presidente-primeiro-ministro.

O The Southeast Asian Times noticiou a entrevista logo que ele caiu no domínio público.

Longuinhos Monteiro tem sido citado pelos media domésticos de Timor-Leste como tendo dito que não intervirá por que o conteúdo do vídeo é demasiadamente político.

E que precisaria ainda de saber o que presidente pensa da acção que deveria ser tomada.Inicialmente, o duvidosamente-nomeado primeiro-ministro fintou os repórteres Timorenses que queriam a sua resposta às alegações de Reinado.

Agora ele ameaçou prendê-los se e quando re-emergir a instabilidade.

"Têm de exercer mais responsabilidade em relação a um ambiente de estabilidade ou instabilidade. Fechamos os olhos nos casos de coisas pequenas e grandes quando vão entrevistar o Alfredo," disse ele.O Comandante das Forças Internacionais de Estabilização, o Brigadeiro Australiano, John Hutcheson, disse que as suas tropas não serão usadas para capturar quer Alfredo Reinado ou os seus seguidores armados.

Disse ele que o foragido-amotinado formados pelos Australianos era um problema interno.

O que disse Reinado:

No seu discurso amplamente relatado em Timor-Leste mas até agora ignorado pelos media estrangeiros, Reinado disse que Gusmão esteve por detrás do movimento de protesto nas forças armadas conhecido como os "peticionários” que desertaram em massa no princípio de 2006.

Disse Reinado: "Ele (Gusmão) chama-nos maus, mas foi ele que nos criou, que nos fez como somos. É ele o autor da petição. Ele esteve por detrás disto tudo. Agora como Primeiro-Ministro ele mudou de paleio e está a lavar as mãos.

"Ele virou-se contra nós, contra aqueles a quem ele deu ordens e a quem criou. Foi com o apoio dele que em primeiro lugar emergiu a petição, Foram os seus discursos irresponsáveis aos media que levaram as pessoas a lutar e a matarem-se umas contra outras e a muitas mais coisas, como ele bem sabe.

"Dou o meu testemunho como testemunha, que Xanana é o autor principal desta crise; Ele não pode mentir ou negar isto. Ele tentará tudo e fará todo o tipo de manobras para se salvar ele próprio , mas ele não se safará."

O discurso de Reinado contra Gusmão foi noticiado por jornais que circulam principalmente na capital Dili e pela radio da Igreja Católica que se pode ouvir na maior parte do país.

A única estação de televisão de Timor-Leste, a TVTL de propriedade do Governo e controlada por apoiantes de Gusmão, nada emitiu do discurso do vídeo que em cópias DVD andam em circulação na capital.

Reinado avisou também as companhias estrangeiras para não investirem em Timor-Leste porque a crise continua sem estar resolvida.

Reinado é um antigo chefe da polícia militar que passou vários anos na Austrália e se formou na Academia de Defesa Australiana em Canberra em 2005.

No ano seguinte ele liderou um motim nas forças armadas contra o governo da Fretilin do primeiro-ministro Mari Alkatiri que tinha zangado Canberra ao tomar uma postura mais dura do que a esperada nas negociações sobre o petróleo e o gás.

O motim desencadeou ampla violência, facilitada pelo destacamento das tropas Australianas para Timor-Leste e forçou a resignação de Alkatiri que foi substituído por José Ramos-Horta, um aliado estreito de Gusmão.Os media Australianos actuaram como uma claque para Gusmão e Horta, ecoando o argumento do Primeiro-Ministro Australiano John Howard de que o culpado dos problemas era Alkatiri.

Recomendadas acusações

Contudo uma Comissão Especial Independente de Inquérito da ONU à crise recomendou que Reinado fosse processado e mais tarde ele foi acusado de rebelião, de oito casos de homicídio e de dez casos de tentativa de homicídio.

Apesar da gravidade dos alegados crimes, Reinado recebeu a simpatia aberta e apoio encoberto de Gusmão, que como presidente tem o cargo de comandante das forças armadas .

Um correspondente do jornal The Australian noticiou ter visto uma ordem presidencial para Reinado e os seus colegas amotinados para se acantonarem na cidade de Aileu, a 50 km sudeste da capital.Após a violência ter escalado em Dili, Reinado mudou-se para as montanhas, criando uma base na Poussada Hotel perto de Maubisse.

O The Australian noticiou que operacionais do Serviço Aéreo Especial da Austrália foram para o hotel para manterem sob observação o Reinado que passou seis semanas na Poussada mas saíu sem pagar a conta.

A conta foi paga pelo Presidente Gusmão, disserem empregados do hotel ao The Australian.
Reinado acabou por ser preso em 27 de Julho de 2006 depois da polícia Portuguesa ter descoberto que ele e os seus homens se tinham mudado para a capital e estavam a ocupar casas do outro lado da rua frente ao quartel dos militares Australianos.


O gang foi preso e esperava julgamento mas um mês depois fugiu da prisão e voltou às montanhas.

Apesar do seu estatuto de foragido Reinado manteve-se em contacto estreito e amigável com as tropas Australianas. Chegou mesmo a ser fotografado com um lançador de mísseis enquanto atendia um “seminário da paz” organizado pela igreja na presença de soldados Australianos.

A mulher Australiana de Gusmão Kirsty Sword Gusmão veio em defesa do acusado de assassínio-foragido da prisão numa entrevista à ABC radio em 6 de Setembro de 2006.

"Ele (Reinado) tem sido retratado de modo incorrecto pelos media Australianos como sendo um desertor, um amotinado," disse a antiga professora primária convertida em rainha da caridade.
"Penso que é importante lembrar que quando ele desertou da polícia militar, foi numa acção de protesto contra o que achava terem sido violações terríveis cometidas pelas nossas forças armadas," disse ela.


Reinado deu um passo adiantado demais para Gusmão e para a Austrália quando tirou armas automáticas de postos da polícia na fronteira em Fevereiro do ano passado.

Forças Australianas tentaram recapturar Reinado mas ele escapou-se de debaixo dos seus narizes uma segunda vez, em 4 de Março de 2007, deixando para trás os corpos de cinco dos seus apoiantes.

O finca-pé entre Reinado e as autoridades desde então tornou-se uma farsa. O Presidente Horta – supostamente engajado num "diálogo" com o amotinado – tem insultado o sector judicial que quer manter as acusações de homicídio contra Reinado.

O comandante militar Australiano em Timor-Leste, Brigadeiro John Hutcheson, foi criticado por um juíz e pelo principal partido da oposição no país, a Fretilin, por ter parado a operação para a detenção de Reinado por instruções de Horta.

O cada vez mais controverso papel das tropas Australianas originou recentemente um comentário do padre da igreja católica Australiana, padre Frank Brennan, um antigo director do Jesuit Refugee Service em Timor-Leste.

Escreveu Brennan: "Há uma percepção crescente entre os críticos locais do governo de Timor que as tropas Australianas são as tropas pessoais do Presidente dada a sua presença lá sem mandato constitucional e a sua resposta pronta ao comando arbitrário de Horta, que pouco respeito mostrou pela tradicional separação de poderes entre o Executivo e o Judicial."
Brennan sublinhou que os apoiantes da Fretilin se sentem ainda enganados com a decisão de Ramos Horta de convidar Gusmão para formar governo, mesmo apesar da Fretilin ter tido mais votos que o partido de Gusmão.


FOTO:
O suspeito de homicídio-desertor-amotinado Alfredo Reinado tem sido muitas vezes entrevistado pelos media internacionais e domésticos. Mas isso era antes de ter dito que o primeiro-ministro Xanana Gusmão for a o arquitecto dos distúrbios do ano passado no país recentemente-independente. Agora o antigo presidente ameaçou os repórteres com prisão se eles entrevistarem o foragido.


Chris Ray

NOTA DE RODAPÉ:

Mais uma notícia que não é notícia para a LUSA...

2 comentários:

Anónimo disse...

Rebeldes ameaçam desdobrar forças no oeste do Timor-Leste
Plantão | Publicada em 21/01/2008 às 02h28m
EFE
DÍLI - O militar rebelde Alfredo Alves Reinado ameaçou nesta segunda-feira desdobrar no oeste do país suas forças de 600 ex-soldados caso o Governo não escute suas reivindicações de se reintegrar às Forças Armadas.

Em entrevista por telefone à Agência Efe, Reinado, que atualmente tem sua base de operações no distrito de Ermera, indicou que se o Estado não ouvir estas reivindicações, será estabelecida uma nova força militar, porque "as províncias do oeste também precisam de proteção".

- Não importa de qual país vamos conseguir as armas, mas nós nos armaremos para que o Estado escute nossas reivindicações - sentenciou o líder militar.

No entanto, Reinado indicou que antes de recorrer à força espera que o presidente, José Ramos Horta, resolva o conflito de "um modo pacífico".

Em um encontro com ONGs em Díli, Ramos Horta disse na semana passada que a data limite para resolver o problema de Reinado e dos militares rebeldes expulsos foi fixada para maio.

O presidente do Timor-Leste manifestou que "o Governo está tratando de resolver o problema de forma pacífica, sem violência e procurando evitar mais derramamento de sangue".

Alfredo Alves Reinado dirige os ex-militares que foram expulsos das Forças Armadas do Timor-Leste em março de 2006 por insubordinação, quando realizaram um protesto por melhoras trabalhistas e contra o nepotismo na instituição.

A expulsão, que custou às Forças Armadas timorenses um terço de seu pessoal, desencadeou a crise de maio de 2006, na qual o país esteve à beira da guerra civil.

A onda de violência no país entre abril e maio desse ano deixou 30 mortos e forçou a fuga de outras 150.000, além de provocar o enviou de forças internacionais de paz ao país.

Após a crise, Reinado foi detido, mas em agosto de 2007 ele fugiu da prisão e desde então permanece foragido.


Assine O Globo e receba todo o conteúdo do jornal na sua casa

Margarida disse...

Tradução:
Procurador de Dili recusa interrogar Xanana Gusmão
The Southeast Asian Times
De News Reports:

Dili, Janeiro 18:

O supostamente imparcial Procurador-Geral de Timor-Leste Longuinhos Monteiro tem-se recusado a investigar a alegação do suspeito de homicídio-desertor-amotinado Alfredo Reinado de que o presidente agora-primeiro-ministro Xanana Gusmão foi o autor dos distúrbios do ano passado que levaram o país recém-independente à beira da guerra civil e a uma ocupação militar liderada pelos Australianos.

Em vez disso, Longuinhos Monteiro – que foi rápido a investigar anteriormente falsas acusações contra o antigo primeiro-ministro Mari Alkatiri – diz que precisa do conselho do propagandista de Gusmão e ministro dos estrangeiros durante os distúrbios - o agora presidente, José Ramos-Horta.

Porque é que um procurador-geral independente precisaria do conselho de um presidente com um papel principalmente cerimonial não é explicado.

Os habitualmente barulhentos apoiantes do eixo Gusmão-Horta -os media corporativos Australianos – têm andado estranhamente calados sobre este imbróglio apesar de terem relatado o último apelo para os seus co-cidadãos rezarem pelo seu antigo torturador, o General Soeharto, que está a morrer em Jacarta.

O pedido para Gusmão ser interrogado foi feito numa carta do presidente da Fretilin ao Procurador-Geral

A carta de Francisco Guterres 'Lu-Olo'segue-se à distribuição de um CD video através de Timor-Leste onde Alfredo Reinado faz acusações contra o presidente-primeiro-ministro.

O The Southeast Asian Times noticiou a entrevista logo que ele caiu no domínio público.

Longuinhos Monteiro tem sido citado pelos media domésticos de Timor-Leste como tendo dito que não intervirá por que o conteúdo do vídeo é demasiadamente político.

E que precisaria ainda de saber o que presidente pensa da acção que deveria ser tomada.
Inicialmente, o duvidosamente-nomeado primeiro-ministro fintou os repórteres Timorenses que queriam a sua resposta às alegações de Reinado.

Agora ele ameaçou prendê-los se e quando re-emergir a instabilidade.

"Têm de exercer mais responsabilidade em relação a um ambiente de estabilidade ou instabilidade. Fechamos os olhos nos casos de coisas pequenas e grandes quando vão entrevistar o Alfredo," disse ele.
O Comandante das Forças Internacionais de Estabilização, o Brigadeiro Australiano, John Hutcheson, disse que as suas tropas não serão usadas para capturar quer Alfredo Reinado ou os seus seguidores armados.

Disse ele que o foragido-amotinado formados pelos Australianos era um problema interno.

O que disse Reinado:

No seu discurso amplamente relatado em Timor-Leste mas até agora ignorado pelos media estrangeiros, Reinado disse que Gusmão esteve por detrás do movimento de protesto nas forças armadas conhecido como os "peticionários” que desertaram em massa no princípio de 2006.

Disse Reinado: "Ele (Gusmão) chama-nos maus, mas foi ele que nos criou, que nos fez como somos. É ele o autor da petição. Ele esteve por detrás disto tudo. Agora como Primeiro-Ministro ele mudou de paleio e está a lavar as mãos.

"Ele virou-se contra nós, contra aqueles a quem ele deu ordens e a quem criou. Foi com o apoio dele que em primeiro lugar emergiu a petição, Foram os seus discursos irresponsáveis aos media que levaram as pessoas a lutar e a matarem-se umas contra outras e a muitas mais coisas, como ele bem sabe.

"Dou o meu testemunho como testemunha, que Xanana é o autor principal desta crise; Ele não pode mentir ou negar isto. Ele tentará tudo e fará todo o tipo de manobras para se salvar ele próprio , mas ele não se safará."

O discurso de Reinado contra Gusmão foi noticiado por jornais que circulam principalmente na capital Dili e pela radio da Igreja Católica que se pode ouvir na maior parte do país.
A única estação de televisão de Timor-Leste, a TVTL de propriedade do Governo e controlada por apoiantes de Gusmão, nada emitiu do discurso do vídeo que em cópias DVD andam em circulação na capital.

Reinado avisou também as companhias estrangeiras para não investirem em Timor-Leste porque a crise continua sem estar resolvida.

Reinado é um antigo chefe da polícia militar que passou vários anos na Austrália e se formou na Academia de Defesa Australiana em Canberra em 2005.

No ano seguinte ele liderou um motim nas forças armadas contra o governo da Fretilin do primeiro-ministro Mari Alkatiri que tinha zangado Canberra ao tomar uma postura mais dura do que a esperada nas negociações sobre o petróleo e o gás.

O motim desencadeou ampla violência, facilitada pelo destacamento das tropas Australianas para Timor-Leste e forçou a resignação de Alkatiri que foi substituído por José Ramos-Horta, um aliado estreito de Gusmão.
Os media Australianos actuaram como uma claque para Gusmão e Horta, ecoando o argumento do Primeiro-Ministro Australiano John Howard de que o culpado dos problemas era Alkatiri.

Recomendadas acusações

Contudo uma Comissão Especial Independente de Inquérito da ONU à crise recomendou que Reinado fosse processado e mais tarde ele foi acusado de rebelião, de oito casos de homicídio e de dez casos de tentativa de homicídio.

Apesar da gravidade dos alegados crimes, Reinado recebeu a simpatia aberta e apoio encoberto de Gusmão, que como presidente tem o cargo de comandante das forças armadas .

Um correspondente do jornal The Australian noticiou ter visto uma ordem presidencial para Reinado e os seus colegas amotinados para se acantonarem na cidade de Aileu, a 50 km sudeste da capital.
Após a violência ter escalado em Dili, Reinado mudou-se para as montanhas, criando uma base na Poussada Hotel perto de Maubisse.

O The Australian noticiou que operacionais do Serviço Aéreo Especial da Austrália foram para o hotel para manterem sob observação o Reinado que passou seis semanas na Poussada mas saíu sem pagar a conta.

A conta foi paga pelo Presidente Gusmão, disserem empregados do hotel ao The Australian.

Reinado acabou por ser preso em 27 de Julho de 2006 depois da polícia Portuguesa ter descoberto que ele e os seus homens se tinham mudado para a capital e estavam a ocupar casas do outro lado da rua frente ao quartel dos militares Australianos.

O gang foi preso e esperava julgamento mas um mês depois fugiu da prisão e voltou às montanhas.

Apesar do seu estatuto de foragido Reinado manteve-se em contacto estreito e amigável com as tropas Australianas. Chegou mesmo a ser fotografado com um lançador de mísseis enquanto atendia um “seminário da paz” organizado pela igreja na presença de soldados Australianos.

A mulher Australiana de Gusmão Kirsty Sword Gusmão veio em defesa do acusado de assassínio-foragido da prisão numa entrevista à ABC radio em 6 de Setembro de 2006.

"Ele (Reinado) tem sido retratado de modo incorrecto pelos media Australianos como sendo um desertor, um amotinado," disse a antiga professora primária convertida em rainha da caridade.

"Penso que é importante lembrar que quando ele desertou da polícia militar, foi numa acção de protesto contra o que achava terem sido violações terríveis cometidas pelas nossas forças armadas," disse ela.

Reinado deu um passo adiantado demais para Gusmão e para a Austrália quando tirou armas automáticas de postos da polícia na fronteira em Fevereiro do ano passado.

Forças Australianas tentaram recapturar Reinado mas ele escapou-se de debaixo dos seus narizes uma segunda vez, em 4 de Março de 2007, deixando para trás os corpos de cinco dos seus apoiantes.

O finca-pé entre Reinado e as autoridades desde então tornou-se uma farsa. O Presidente Horta – supostamente engajado num "diálogo" com o amotinado – tem insultado o sector judicial que quer manter as acusações de homicídio contra Reinado.

O comandante militar Australiano em Timor-Leste, Brigadeiro John Hutcheson, foi criticado por um juíz e pelo principal partido da oposição no país, a Fretilin, por ter parado a operação para a detenção de Reinado por instruções de Horta.

O cada vez mais controverso papel das tropas Australianas originou recentemente um comentário do padre da igreja católica Australiana, padre Frank Brennan, um antigo director do Jesuit Refugee Service em Timor-Leste.

Escreveu Brennan: "Há uma percepção crescente entre os críticos locais do governo de Timor que as tropas Australianas são as tropas pessoais do Presidente dada a sua presença lá sem mandato constitucional e a sua resposta pronta ao comando arbitrário de Horta, que pouco respeito mostrou pela tradicional separação de poderes entre o Executivo e o Judicial."

Brennan sublinhou que os apoiantes da Fretilin se sentem ainda enganados com a decisão de Ramos Horta de convidar Gusmão para formar governo, mesmo apesar da Fretilin ter tido mais votos que o partido de Gusmão.

FOTO:

O suspeito de homicídio-desertor-amotinado Alfredo Reinado tem sido muitas vezes entrevistado pelos media internacionais e domésticos. Mas isso era antes de ter dito que o primeiro-ministro Xanana Gusmão for a o arquitecto dos distúrbios do ano passado no país recentemente-independente. Agora o antigo presidente ameaçou os repórteres com prisão se eles entrevistarem o foragido.

Chris Ray

NOTA DE RODAPÉ:

Mais uma notícia que não é notícia para a LUSA...

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.