terça-feira, maio 27, 2008

UNMIT Daily Media Review - 22 May 2008

(International news reports and extracts from national media. UNMIT does not vouch for the accuracy of these reports)



Xanana: agrees to three month reduction of Rogerio's sentence – Timor Post

Minister of Justice Lucia Lobato said that Prime Minister Xanana Gusmão agrees with President José Ramos-Horta to reduce the sentence of former Minster of Interior, Rogerio Tiago Lobato by three months.

“I had discussions with the Prime Minister on this matter. He agrees to give a three month reduction of sentence to Rogerio Lobato and other 82 prisoners,” said Minister of Justice on Wednesday (21/5) in the Becora prison, Dili.

Minister Lobato said that the Government had recommended that the president also commute the time in jail of prisoners who have served half of their sentences by 6-12 months. Prisoners who were sentenced for domestic and sexual violence would receive a two month reduction.


Alkatiri dreams of early election. PD: Fretilin creates bad precedent – Timor Post

Fretilin Secretary-General Mari Alkatiri stated that in the near future Fretilin will assume the power to govern in order to improve peoples' lives as AMP is not capable of solving the country's problems and so must face early elections.

“We [Fretilin] will be back to govern. It wouldn't be too long,” stated Mr. Alkatiri in speech on the ceremony of 34th anniversary of ASDT/Fretilin held in the Central Committee of Fretilin (CCF) on Tuesday (20/5) in Comoro, Dili.

Alkatiri said that Fretilin will show that it is different from the Alliance Majority in Parliament (AMP).

Alkatiri also said that when Fretilin is back in power, he will reappoint the directors and administrators who have been removed by AMP.

“Fretilin will reappoint those people as what AMP did to them is against the law and the constitution.

Fretilin is only asking for early elections for the legislature, not the presidency. If it happens, then we will win all of them,” he said.

Even though Mr. Alkatiri strongly criticized PM Gusmão, he continues recognize that he and the Prime Minister have to work together to solve the country's problems.

He said that he wants to sit with PM Gusmão as political leaders, not as a commander with his soldier.

“If he [PM Gusmão] does not think of himself as a commander, I am ready to sit with him to improve people’s life,” added Mr. Alkatiri.

At the same function, Fretilin President and former President of the National Parliament Francisco Guterres Lu-Olo said that early elections are really needed to improve the bad performance of the AMP Government.

“We are not satisfied when we won the election, only to become the opposition,” said Mr. Lu-Olo.

Democratic Party (PD) MP Adriano Nascimento said that early elections might happen but certain criteria must be in place. For example, most of the MPs in Parliament must oppose the Government’s programs, the State must be malfunctioning, the situation was unstable -- at this point the president could dissolve the government and call for early elections.

MP Nascimento said that if Fretilin wants to destroy AMP midway in the implementation of its programs, this would be a bad precedent for the future.

He also said that AMP should have 2-3 years to implement its programs. If at that time they were not successful, then one could say it was incompetent.


President of Republic asked the Government to respect the rights of the prisoners - Televisaun Timor-Leste

During the visit to Becora prison yesterday President Jose Ramos Horta said he does not have the authority to interfere in the judicial process but he will make recommendations to the Government to help solve their problems.

“Today I came here to show you my love and respect. I have no authority to take part in the judicial process but I will keep asking the Government through Ministry of Justice to pay attention to you”, the President said.

He also asked the Government to respect the rights of the prisoners. At the same time, Minster of Justice Lucia Brandão Lobato said the Government is now improving the process of justice in order to defend rights of prisoners.


The Court will extend the time for Rogerio Lobato to return until June – Televisaun Timor-Leste

Minister of Justice Lucia Lobato yesterday said the Court will give prisoner Rogerio until June to return to Timor Leste. If he does not return by then, the Government will implement the Court's decision against him.

“The Government is ready to help him whatever he needs, such as an airline ticket and accommodation in Bali. He has to obey the decision from the Court. Suppose he does not come back in June -- the Court will take action.

Based on plan, the Court will ask the Interpol to get him back if he does not obey the decision,” explained Lucia.

According to the doctor who has been treating Rogerio during this time, he needs one month more to operate on Rogerio’s leg.


Public Ministry: 24 suspects identified as being involved in the attack of 11 February – Televisaun Timor-Leste

The Public Ministry has positively identified 24 suspects who were involved in the attack on 11 February. General Prosecutor Longuinhos Monteiro said the investigation process into the attack on 11 February is going smoothly.

“The investigation is running well and we have positively identified 24 suspects in connection with the incidents of 11 February,” said Mr. Monteiro.

Of the 24 accused people, eighteen of them are currently in preventive detention and the others are under house arrest. Most probably, there is still one suspect more, a civilian at large.

In relation to this case, last week I sent the Prime Minister a letter requesting him to make sworn statement.

“I asked to him to specify the exact date when he would submit his statement. This is the second request that we have made for his deposition”, said General Prosecutor.


Government Assists IDPs from Jardim Camp to return home - Ministry of Social Solidarity (Press Release), 21 May

Starting from today, as part of the government’s Hamutuk Hari’i Futuru national recovery strategy, 358 families will receive a recovery grant to assist them to return to their homes from the Jardim IDP camp.

Prime Minister Xanana Gusmao thanked the IDPs at Jardim for their willingness to return home and for showing their commitment to live peacefully in their former neighborhoods.

He asked the Chefe Sucos, Chefe Aldeias, youth and receiving communities to receive the returning IDPs and put an end to violence. The Prime Minister told the IDPs at Jardim “you are helping to improve the image of Timor-Leste by showing the world that Timorese people can work together to resolve their own problems. The government will work with you to try to resolve all of the country’s problems.”

The Minister for Social Solidarity, Maria Domingas Alves asked the IDPs at Jardim to try and forget what the difficulties they have endured for the past two years, and to try and forgive those who had caused these difficulties.

“Use the opportunity of leaving the camp to try to build a new life, a peaceful life. This is the time for the new generation to build a new, peaceful future for Timor-Leste.”

The Minister assured the IDPs that “we are aware that some of you will face difficulties on return, because your house is occupied, or because you were renting or did not have a house. We will work together to resolve these problems through dialogue.

The government is also creating new policies to help you.” The Minister also thanked the Chefe Sucos and Chefe Aldeias in the receiving communities for their assistance in facilitating the peaceful and safe return of the IDPs from Jardim.

The Camp Manager of Jardim IDP Camp, Leopoldo Pinto, thanked the government for the attention they have given to resolving the problems of Timor-Leste’s displaced people.

“However, we ask the government to improve security in many areas of return, as many returning IDPs are still not welcome in their communities. Also, many IDPs former houses are occupied, and so we ask the government to please pay attention to this issue.”

The Minister for Social Solidarity, Maria Domingas Alves, thanked the SLS agencies which provided the Jardim camp with humanitarian assistance – IOM and Plan. She also thanked Plan for their water and sanitation support to the camp over the past two years.

The return of the IDPs from Jardim brings the total number of IDP families who have received a recovery package to 1370.

The next camp to be assisted to return will be Sional. Verification of the IDPs former place of residence has been completed and MSS is continuing to work on verification of the other camps.



Timor-Leste: Market garden relieves food scarcity – Norwegian Refugee Council (NRC), 21 May

IDPs living in the Quarantina transitional shelter site are becoming self-sufficient thanks to the establishment of a market garden supported by NRC.

Timor-Leste is a young nation struggling to feed its people. With an underdeveloped agricultural sector, together with other difficult realities such as drought, locust infestations and lack of livelihood opportunities, many Timorese go through their daily lives with less food than they need. IDPs are particularly vulnerable to this food insecurity.

Food insecurity
As of end of March 2008, an estimated 30 % of IDPs of a total of 100.000 are living in approx. 58 camps, mainly in the cities of Dili (51 camps) and Baucau (7 camps).

Many of the IDP families who live in the camps are food insecure. They have no employment and rely only on the government’s gradually diminishing food rations.

In order to improve the situation, NRC, in cooperation with the local NGO Fitun FO Dalan, has supported the establishment of a market garden in one of the camps.

Growing staple foods
Together, NRC and Fitun FO Dalan mobilized 26 IDP families in the Quarantina traditional shelter site to establish a market garden on the rounds of the site. The market garden was established in January and covers an area of approximately 75x30 meters and is divided into 77 plots. Each family has been assigned two 1.2 m x 8 m plots which they plant and harvest as they choose. The most common crops grown are kankun (a green leafy vegetable), cabbage and green beans - all staples in the daily Timorese diet.

NRC Country Director Alfredo Zamudio says all the families have worked really hard on cultivating their plot of land. In April they could finally harvest their first crop.

‘So far, the results have been very good, says Zamudio. ‘The first crop that was harvested in April gave enough produce to provide both food for the families and food to sell in the local markets,’ he says.

Generating income
The IDPs in Quarantina are also very satisfied with the market garden.

‘I am so happy because the garden has raised my income, says Jorge Freitas.

One plot of kankun can produce two harvests per month, and one plot’s worth of kankun sold at the local markets earns approximately six dollars. For Freitas and the other IDPs this is a substantial addition to the household income, considering the average income in Timor-Leste is US $370 a year.

Some of the families in Quarantina have chosen to keep all their crops for food, while others have chosen to sell all their crops. Others again have done a little bit of both. In total, the families earned approximately 140 US$ from the first market garden harvest.

NRC has been active in Timor-Leste since 2006. NRC currently manages five transitional shelter sites in Dili, through its Camp Management program. In total, the sites house more than 2500 IDPs. NRC also runs shelter and education programs in Timor-Leste.


East Timor President Cuts Former Minister's Jail Sentence – The Wall Street Journal, 21 May

DILI (AFP)--East Timor's President Jose Ramos-Horta said Wednesday he had slashed the seven-year jail sentence handed out to a former minister for distributing weapons during violent unrest in 2006.

Ramos-Horta said the sentence against former home affairs minister Rogerio Lobato was cut 75% in a show of mercy as part of the country's sixth anniversary of independence this week.

"It is three-fourths," he told AFP when asked the size of the reduction. He added that he didn't know how much more time Lobato would spend in jail because the courts had yet to review the sentence.

"My consideration for him and other cases are humanitarian, their health or family situation. Mr. Rogerio Lobato's health has been precarious for some time."

Lobato was jailed on five charges of arming hit squads during the 2006 unrest in the country, when fighting between factions of the security forces left 37 dead and made 150,000 flee their homes.

But Ramos-Horta said he didn't think Lobato was an instigator of the violence.
"I sincerely believe that Rogerio Lobato is a decent man who was caught in the crisis of 2006 and he definitely wasn't one of the authors of the crisis," he said.

Lobato received a court permit to travel abroad for treatment last year. He has liver, heart and kidney problems but the exact nature of the care he is receiving in Malaysia is unknown.

He is a senior member of the opposition Fretilin party and founded a guerrilla army that fought Indonesia's 24-year occupation of East Timor, which lasted until 1999. East Timor formally became an independent state in 2002.


Asian rights offenders fight for UN seats – Tamil Net, 21 May

In what is viewed as the most significant contest, six Asian nations, Japan, South Korea, Pakistan, Sri Lanka, Bahrain and East Timor, are vying for four seats in the UN Human Rights Council where the secret ballot to select the members is being held today. Only Japan and South Korea are designated as "free" by the NGO Freedom House, based on the past voting record and the history of adherence to human rights principles, so the outcome of the Asian race is the one with the most potential to change the council's overall composition, reports said.

Fifteen of the HRC's 47 seats will be decided by U.N. General Assembly secret ballot which is the third annual election for the Geneva-based council, which was established two years ago to replace the widely discredited U.N. Commission on Human Rights, according to CNS web report.

"A campaign by non-governmental organizations aimed at preventing Sri Lanka from being elected to the U.N. Human Rights Council has drawn some support, but the country's bid for a seat is just one of several concerns surrounding this week's election.

"Sri Lanka has drawn particular attention, with a coalition of international NGOs and three Nobel peace prize laureates among those highlighting abuses in the civil war-torn South Asian nation, including extrajudicial killings, enforced disappearances and torture. Sri Lanka's critics are urging U.N. members to withhold support," the report said.

In a recent letter to the participant Governments in the U.N. elections, an NGO consortium said: "To reject Sri Lanka's candidacy at this time would show that U.N. members are serious about the membership standards they established for the council, and bring new attention to the gross violations in Sri Lanka and hope and support to the victims of abuse."


Ramos Horta cuts Lobato's jail term – EPA, 21 May

East Timor's president has sliced the prison sentence of a former government minister who armed civilian hit squads during the violence that destabilized the nation in 2006.

Former home affairs minister Rogerio Lobato was one of dozens of criminals to receive sentence cuts to mark the sixth anniversary of East Timor's independence this week.

"I sincerely believe that Rogerio Lobato is a decent man who was caught in the crisis of 2006 and he definitely was not one of the authors of the crisis," he told AFP.

AFP reported the sentence would be reduced by three quarters.

A spokesman for the president said details of the cuts were yet to be finalized in specific cases.



UNMIT MEDIA MONITORING
www.unmit.org

**

UNMIT Daily Media Review - 23 May 2008

(International news reports and extracts from national media. UNMIT does not vouch for the accuracy of these reports)


Only 80 petitioners still want to return to the military – Timor Post

Of the 339 petitioners who indicated a preference for rejoining the military, only 80 of them still want to return since Prime Minister Xanana Gusmão asked them last week to re-consider their choice of military or civilian life.

“There are 80 petitioners who have not changed their decision to return to the military,” said one of the petitioners who still wants to be rejoin the military due to his love for the F-FDTL.

He also said those other petitioners who changed their minds and now want to enter civilian life are illiterate and have some health problems. Some of them believe that if they return to the military, then they will not receive Government compensation.

Recently the numbers of the petitioners who want to become civilians increased from 356 to 605 out of a total of 685.

The Vice President of the National Parliament Vicente Guterres said that it was good for the petitioners to be civilians as they have abandoned their barracks.
Mr. Guterres said that when there is problem within an institution, the problem should be solved internally, not outside of the institution.

“As they have brought the problem out of the institution, if I were them, I would not go back,” said Mr. Guterres.

Democratic Party MP Adriano do Nascimento said that he did not agree with the Prime Minister who had earlier said that it was good for the petitioners, who are illiterate, to return to civilian life. This statement dishonoured the petitioners, he said.

“The petitioners left their barracks because of political matters and actions taken by political leaders [not because they are illiterate],” said Mr. Nascimento.


Be model for the world: PR Horta asks permission for the UN and NGOs to visit Becora prison – Timor Post

On his visit to Becora Prison on Wednesday (21/5) PR Ramos-Horta asked prison guards to allow the Red Cross, UNMIT Human Rights and national NGOs to visit Becora Prison in order to ensure transparency.

“I am requesting this prison to allow visits from the National Red Cross, UNMIT Human Rights and NGOs who work for human rights, not for NGOs who are working for politics. If we do this, then our prison will be a model for the world, a prison that hides nothing and reveals everything,” said PR Horta.

PR Horta also said that he visited Becora Prison as a Nobel Peace Laureate, not as President, Prime Minister or the Minister of Foreign Affairs.

President’s pardon: 10 prisoners freed, Rogerio’s sentence reduced – Timor Post
Out of 84 prisoners who received pardons from PR Ramos-Horta on Independence Day, 20 May, ten of them have received a full pardon. Rogerio Tiago Lobato, the former Minister of Interior, received only a reduced sentence.

Minister of Justice Lucia Lobato said that the Government's preference is for the president to only reduce Rogerio's sentence by three months as the court had sentenced him to seven years in prison.


Timor-Leste hopes to receive support from MCC – Televisaun Timor-Leste

Minister of Finance Emília Pires said that Timor-Leste hopes to receive funds from the Program of Millennium Challenge Corporation (MCC) to help decrease poverty in the country.

“On behalf of the Government, I am happy that MCC is considering Timor-Leste as a potential recipient of financial support. The Government promises to work with MCC to improve socio-economic development and build peace in this country,” said Minister Pires on Thursday (22/5) in Dili.

The Vice President of MCC John Hewko said that Timor-Leste needs to have program of good governance, as such a program could reduce poverty in the country and improve its economy.

Mr. Hewko said that recently MCC had established a monitoring team to follow the country's governance programme.


Minister: Government recommends reduction of three months of Rogerio Lobato’s sentence – Suara Timor Lorosa’e
Minister of Justice Lucia Lobato has recommended to the President Jose Ramos-Horta that he reduce only three months of the prison term given to the former Interior Minister Rogerio Lobato because of his involvement in arming civilians which caused many people to be killed in 2006. She made the statement to journalists on Wednesday (21/05) while accompanying president Ramos-Horta’s on his official visit to Becora Prison

“The government has recommended only three months reduction of sentence but it depends on the president’s decision,” said Lucia Lobato.

According to the president, the pardon is based on the former Interior Minister's past struggle to free the country. He said that Rogerio has also lost many of his family who sacrificed their lives during the war. Dili's international airport is named after Nicolau Lobato, the former Minister's younger brother who was killed during the struggle for independence.


Ramos Horta cuts jail terms for militia – The Age, 23 May
East Timor's president has slashed the jail sentences of several pro-Indonesia militia who murdered people during the violence that followed the 1999 vote for independence.

The sentence cuts are among 94 partial or full pardons handed out by Jose Ramos Horta to mark the tiny nation's sixth anniversary of independence this week.

Among those on the list is Joni Marques, the leader of the Team Alfa militia, who will have his remaining jail term cut in half.

Marques was jailed for 33 years in 2001 by the Special Panel of Dili District Court, in the country's first trial for crimes against humanity.

His crimes included several murders, including of a group of nine people comprised of several Roman Catholic priests and nuns and an Indonesian journalist, near the eastern town of Los Palos, in 1999.

He was also convicted of the forcible transfer or deportation of the civilian population and persecution and torture.

It is the second time Marques' sentence has been cut.

In 2004, then president Xanana Gusmao shaved almost nine years off his sentence and those of militia members Paulo and Joao da Costa, who were also jailed over the crimes.

The two da Costa brothers have also had their sentences cut in half in this round of pardons, along with former Sakunar militia member Mateus Lao, aka Ena Pato.

Lao was jailed for eight years in 2004 for murder as a crime against humanity, after killing a man who was trying to flee to West Timor with his family during the 1999 violence.

The presidential decree also confirms the sentence cut of former government minister Rogerio Lobato who gave weapons to civilians during the violence that destabilised the nation in 2006.

Lobato's sentence of more than seven years will be sliced in half.

Lobato has only served about five months of his sentence as he was allowed to fly to Malaysia last August for medical treatment and is yet to return.

The presidential decree - formally gazetted this week - says the granting of clemency is dependent on "good prison behaviour".

President Ramos Horta - who has only recently returned to East Timor after he was shot outside his Dili home - flagged the pardons last month, saying East Timor needed to foster a culture of forgiveness in order to move forward.

The decree states that East Timor's anniversary of independence commemorated the Timorese belief in humankind.

"Believing in the human person ... (in order) to cultivate mercy and tolerance, we extend our hand to help the next person to arise after he has fallen in his dignity," the document says.

But president of the minority pro-justice party PUN, Fernanda Borges, said many East Timorese were unhappy about the cuts.

"I don't think militia should be given a pardon at this stage," she said.

Borges said the process was flawed, with no clear criteria on who is eligible for clemency and no transparency.

"There are no systems in place to judge whether the person has behaved, whether the person has contributed to giving further information to help the judicial process and what the victims' response to this is," she said.

"There are also a lot of trials pending - both for the 1999 cases as well as for the 2006 crisis - what implications will this have on those future trials in East Timor?

"All this needs to be weighed very carefully so that we don't create a perception ... that there is impunity in this country.

"That you can do whatever you want, you can kill people, have human rights violations ... and get away with it and be pardoned by the president."

The United Nations said justice was vital to the future of East Timor, which faced issues of impunity and deterrence.

"The view of the UN is that justice is essential for stability and peace," a spokeswoman for the head of the mission, Atul Khare, said.

However, the granting of pardons was within the powers of the president, she said.

In the case of former minister Lobato, the spokeswoman noted his cooperation with the judicial process so far.

"(Mr Khare) hopes that Mr Lobato will continue such cooperation, including by refraining from any action that might affect the fragility of society," she said.

"This would include, for example, refraining from running for public office."

The sentence cuts come as the controversial East Timor-Indonesia "truth" commission prepares to hand down its final report into the 1999 violence.

The Commission of Truth and Friendship (CTF) was established by the two countries in a bid to establish a "conclusive truth" about the 1999 violence to help repair relations.


East Timor marks six years independence – AFP, 22 May

East Timorese leaders have gathered under tight security for an emotional ceremony to celebrate six years of independence and mourn the country's long and bloody struggle for liberation.

The hacienda-style government palace on Dili's waterfront was bedecked with international flags - including those of former occupiers Indonesia and Portugal - as the country's red-and-black flag was raised under a baking sun.

President Jose Ramos-Horta, who reviewed an honour guard from a jeep, called for peace and unity in Asia's troubled newest state as foreign force snipers watched from the palace roof.

"On this day of independence we have to maintain peace in our nation, fight poverty and protect national unity. This is an obligation of all the people," he said in a speech.

The celebrations come just three months after Ramos-Horta was shot and wounded in a February 11 rebel attack, which also targeted Prime Minister Xanana Gusmão.

The rebels responsible for the attack surrendered last month but fears of a return to instability are overshadowing Independence Day.

"What happened on February 11 showed that state institutions in our nation are still fragile. But this ceremony also shows that over the past six years we have achieved a lot," the president said.
Children sang a hymn and the leaders of the mainly Catholic country honoured more than 1,500 veterans of the independence struggle against Indonesia as part of the festivities.

East Timor, a former Portuguese colony, was invaded by Suharto's Indonesia in 1975. Around 200,000 East Timorese died as a result of conflict and preventable illnesses over the next two-and-a-half decades.

The country voted for independence in a 1999 UN-backed referendum but was laid waste by pro-Indonesian militia in the wake of the vote.

It finally gained formal independence in 2002, but was flung into instability again by the mass desertion of 600 soldiers in 2006, which triggered street violence between rival factions that killed at least 37.

That rebellion came to an end after the death of rebel leader Alfredo Reinado in the attack on Ramos-Horta's house in February and the surrender of his followers last month.

But analysts say the seeds of further instability remain in the impoverished country of one million, and political tensions were on show even as the country's leaders made independence speeches.

Prime Minister Gusmão conspicuously refused to shake the hand of opposition leader and ex-prime minister Mari Alkatiri, of the Fretilin party.
A new government headed by Gusmão took office in August 2007 amid protest from Alkatiri's party, which won the highest number of votes in June polls but not a governing majority.

Gusmão's party commanded 37 seats in the 65-seat parliament, but Fretilin insisted it should have been invited to rule, sparking sporadic violence in the young nation.

Ado Amaral, a 45-year-old farmer who came down from the hills outside Dili to witness the festivities, said he was glad the event passed without trouble.

"I'm very happy because everything is going well. There's no provocation between people, no disturbances," he said.
"It's better than other years. I find it hard to think about 2006 but now I see that everything is going well."

UN police Deputy Commissioner Tony McLeod said this year's Independence Day was "a bit of a test to give us a feel for the overall security situation".
"It's gone pretty well up 'til now," he said.


U.N. says donors should back Afghan aid plan – Reuters, 22 May

KABUL (Reuters) - The international community should back a $50-billion (25 billion pound) Afghan development strategy at a donors’ conference in Paris next month, but Kabul must also fight rampant corruption, the U.N.’s special envoy said on Thursday.

Afghanistan depends on aid for 90 percent of its spending. But international donors have fallen behind in paying what they have already pledged and much of the money goes straight back to donor countries in salaries and profits. Official corruption eats into the remainder.

More than six years after U.S.-led and Afghan forces toppled the Taliban, Kabul and its Western backers are faced with a revived insurgency and a public frustrated by the lack of security and disappointed with the slow pace of development.

"It’s obvious the international community does not spend its resources as well as it should and it’s obvious that corruption is a much too widespread phenomenon in Afghanistan," the U.N. Special Envoy Kai Eide told a news conference in the Afghan capital, Kabul.

"I would like to see a partnership coming out of Paris where the international community says ’yes, we will spend our resources better’ and the government says ’yes, we will fight corruption more vigorously’," he said.

International donors have pledged some $24 billion at three donor conferences since 2002, but the level of aid to Afghanistan is still many times lower per head than to other countries struggling to emerge from conflict such as Kosovo or East Timor.

This was partly due to the international community underestimating the scale of the problems faced by Afghanistan after nearly three decades of war and also due to the failure to foresee the re-emergence of the Taliban insurgency.

AFGHAN PLAN

The Afghan government has now also drawn up a 5,000-page national development strategy, setting out its goals which it is to present to the June 12 Paris conference hosted by French President Nicolas Sarkozy and U.N. Secretary-General Ban Ki-moon.

Afghanistan is seeking $50.1 billion from Paris, more than half of which it wants spent on security and infrastructure, the lack of which hampers almost every level of economic development.

"There are certain priorities as set by the Afghan government in its development strategy," said Eide. "We in the international community have to align our resources behind that strategy."

Many donors are wary of giving funds directly to the Afghan government fearing much of it will disappear into the pockets of corrupt officials. Afghanistan is ranked 172 out of 180 countries on Transparency International’s corruption perception index.

Consequently, some two-thirds of aid is not channeled through the Afghan government, meaning Kabul has almost no control how the money is spent and the state remains weak and ineffectual.

"We have to spend much more resources and attention on building the state institutions that must be the basis for progress with regard to security and
development," Eide said.

Afghanistan also suffers from a lack of coordination among more than 60 major donor countries and international organisations, dozens of aid agencies and foreign forces who are also engaged in reconstruction and development work.

Eide’s appointment by U.N. Secretary General Ban Ki-moon in March was meant to bring better coordination to the international community’s efforts in Afghanistan.

The Paris conference, he said, will be a chance for the international community to commit in writing to renewing and improving their efforts in Afghanistan.
(Editing by Bill Tarrant)


Operation Smile Joins USNS Mercy as Part of Four-Month Southeast Asia Deployment – Pacific Partnership 2008 – TransWorldNews, 22 May

Operation Smile, a worldwide children’s medical charity that provides free surgery to children in developing countries born with facial deformities, will join the United States Navy’s hospital ship, USNS Mercy, during its summer 2008 humanitarian civic assistance deployment. The USNS Mercy mission, Pacific Partnership 2008, will provide humanitarian services to four countries in Southeast Asia.

Pacific Partnership 2008 brings together host nation medical personnel, partner nation military medical and construction personnel, and non-governmental organizations to provide medical, dental, construction and other services ashore and afloat.

Operation Smile will be working side-by-side on the USNS Mercy in four countries: Philippines, Vietnam, Timor-Leste and Papua New Guinea. Approximately 350 children suffering with cleft lips and cleft palates will receive free reconstructive surgery as a result of these medical missions.

Operation Smile Chief Medical Officer Dr. Randy Sherman said, “Operation Smile is honored to participate in the 2008 USNS Mercy Pacific Partnership deployment. After introducing ourselves to the Navy in 2006 during the Mercy mission to Bangladesh, we joined its sister ship, the USNS Comfort last year, for a multi-site partnership in Latin America.

Operation Smile medical volunteers from the Philippines, Vietnam, Australia, the United States and other partner countries are excited to join with the Mercy and its crew in bringing new smiles to children throughout the Pacific basin this summer.”

USNS Mercy departed from San Diego, Calif., on May 1. The first mission involving Operation Smile will take place in Cotabato, Philippines, in late May. Free medical evaluations will be conducted by Operation Smile medical volunteers, provided by Operation Smile Philippines, at Cotabato Regional Hospital to identify surgical patients who will then be transported aboard the ship for surgery. Post-operative checks for the patients a week after surgery will also take place at the hospital.

The Philippines was Operation Smile’s first partner country and since 1982, medical volunteers have provided more than 18,800 Filipino children and young adults with free physical examinations, and more than 13,700 have received life-changing surgery during medical missions.

USNS Mercy will move on to Nha Trang, Vietnam, for the next medical mission involving Operation Smile in mid-June. Free medical evaluations will be conducted by Operation Smile volunteers in General Hospital of Khanh Hoa Province to identify surgical patients. Operation Smile’s medical team, made up primarily of volunteers provided by Operation Smile Vietnam and Operation Smile Cambodia, will work with Navy personnel to conduct five days of surgery aboard the ship. Post-operative care will also take place at General Hospital of Khanh Hoa Province. Since 1989, Operation Smile has treated more than 19,000 children in Vietnam through international medical missions, in-country local missions and dental missions.

In mid-July, approximately 45 Operation Smile medical volunteers, many provided by Operation Smile Australia, will work with USNS Mercy’s medical team in Dili, Timor-Leste. The Operation Smile team will provide free medical evaluations at a local hospital and patients will be brought onto the ship for surgery. This marks the first Operation Smile medical mission in Timor-Leste.

Operation Smile volunteers will join the USNS Mercy crew in Port Moresby, Papua New Guinea, in early August. Physical examinations will be provided at Port Moresby General Hospital and then the Operation Smile volunteer medical team, provided by Operation Smile Philippines, will work together for five days with the Navy to provide surgery aboard USNS Mercy. This will be Operation Smile’s inaugural mission in Papua New Guinea.

Operation Smile is honored to be invited to join USNS Mercy’s staff and crew on this deployment. In the summer of 2006, nearly 40 Operation Smile volunteers deployed with the USNS Mercy to Chittagong, Bangladesh and provided free physical examinations at Chittagong Medical College Hospital for more than 140 children. The 54 patients selected for surgery were transported by helicopter from Chittagong to USNS Mercy.

Then in the summer of 2007, Operation Smile joined the USNS Comfort during its humanitarian assistance deployment. Operation Smile volunteers and the ship’s medical team worked together during missions in Nicaragua, Peru and Colombia, providing more than 100 children with free reconstructive surgery.

About Operation Smile (www.operationsmile.org)
Founded in 1982, Operation Smile, headquartered in Norfolk, Virginia, is a worldwide children’s medical charity whose network of global volunteers are dedicated to helping improve the health and lives of children and young adults.

Since its founding, Operation Smile volunteers have treated more than 115,000 children born with cleft lips, cleft palates and other facial deformities. In addition to contributing free medical treatment, Operation Smile trains local medical professionals in its 26 partner countries and leaves behind crucial equipment to lay the groundwork for long-term self-sufficiency.



East Timor marks sixth birthday with pomp and mourning - AsiaNewsNet, 22 May Updated

East Timorese leaders gathered under tight security on Tuesday for an emotional ceremony to celebrate six years of independence and mourn the country's long and bloody struggle for liberation.The hacienda-style government palace on Dili's waterfront was bedecked with international flags -- including those of former occupiers Indonesia and Portugal -- as the country's red-and-black flag was raised under a baking sun.

President Jose Ramos-Horta, who reviewed a guard of honor from the back of a jeep, called for peace and unity in Asia's troubled newest state as foreign stabilization force snipers watched from the palace roof.

On this day of independence we have to maintain peace in our nation, fight poverty and protect national unity. This is an obligation of all the people," he said in a speech.

The celebrations come just three months after Ramos-Horta was shot and wounded in a February 11 rebel attack which also targeted Prime Minister Xanana Gusmão.

The rebels responsible for the attack surrendered last month but fears of a return to instability are overshadowing the Independence Day cheer.

Security remains tight around the country's leaders, and international troops from a stabilization force which entered the country in the wake of factional fighting two years ago were closely watching Tuesday's ceremony.

"What happened on February 11 showed that state institutions in our nation are still fragile. But this ceremony also shows that over the past six years we have achieved a lot," the president said.

Children sang a hymn and the leaders of the mainly Catholic country honored more than 1,500 veterans of the independence struggle against Indonesia as part of the festivities.

East Timor, a former Portuguese colony, was invaded by Suharto's Indonesia in 1975. Around 200,000 East Timorese died as a result of conflict and preventable illnesses over the next two-and-a-half decades.

The country voted for independence in a 1999 UN-backed referendum but was laid waste by pro-Indonesian militia in the wake of the vote.

It finally gained formal independence in 2002, but was flung into instability again by the mass desertion of 600 soldiers in 2006, which triggered street violence between rival factions that killed at least 37.

That rebellion came to an end after the death of rebel leader Alfredo Reinado in the attack on Ramos-Horta's house in February and the surrender of his followers last month.

But analysts say the seeds of further instability remain in the impoverished country of one million, and political tensions were on show even as the country's leaders assembled on the dias for the independence speeches.

Prime Minister Gusmão conspicuously refused to shake the hand of opposition leader and ex-prime minister Mari Alkatiri, of the Fretilin party.

A new government headed by Gusmão took office in August last year amid protest from Alkatiri's party, which won the highest number of votes in June polls but not the majority required to govern.

Gusmao's party cobbled together a coalition commanding 37 seats in the 65-seat parliament, but Fretilin insisted it should have been invited to rule, sparking sporadic violence in the young nation.

Ado Amaral, a 45-year-old farmer who came down from the hills outside Dili to witness the festivities, said he was glad the event passed without trouble.

"I'm very happy because everything is going well. There's no provocation between people, no disturbances," he told AFP.

"It's better than other years. I find it hard to think about 2006 but now I see that everything is going well."

**

UNMIT Daily Media Review - 27 May 2008

(International news reports and extracts from national media. UNMIT does not vouch for the accuracy of these reports)


February 11 case: investigators find 6 more suspects – Timor Post

Six rebels who used to deny that they were not involved in the case of February 11 should now accept the results of the new investigation into the incident that will be presented to the court.

The new investigation shows that they were involved in the attacks against President José Ramos-Horta and Prime Minister Xanana Gusmão. The National Investigation Department (NID) identified the six rebels as being directly involved in the incident.

However, the six rebels deny that they were involved in the attacks of February 11, saying that they were only involved in the Fatuahi case on May 23, 2006.

The General Commander of NID, Nuno R. Gomes said that he presented the information yesterday afternoon (26/5) to the Public Ministry as part of the court hearing on the case.

“We did the previous investigation with the Public Ministry based on their statements that they only involved in the Fatuahi case. But the later investigation identified them as being involved in the attempt of February 11,” said Mr. Gomes on Monday (26/5).


Fretilin-PUN: No audit report, Govt tries to hide corruption – Timor Post and Diario Nacional

Members of the National Parliament demand that the Government of the Alliance Majority in Parliament (AMP) immediately release an audit report.

The MPs said that the report is very important for them to construct a budget for the implementation of the Government's program.

The Chief bench of the National Unity Party (PUN) Fernanda Borges said that up until now, the National Parliament has not received any audit report of the budget which has been executed.

“We demand that the Government send us the report immediately. We want to know whether the budget has been executed properly or not, and if there is any sign of corruption that has been identified or not,” said Ms. Borges.

Former Prime Minister and Fretilin’s MP Estanislau da Silva said that if the Government does not provide the audit report to the National Parliament, it signals that the current Government is not transparent and is trying to hide existing cases of corruption.

“This is clearly shows that the Government is not transparent. They say that Fretilin is corrupt, but they are the worst,” said Mr. Estanislau.

CNRT MP Aderito Hugo said that every financial report is delivered late to the National Parliament because it has to be annexed with the audit results. The audit report, which was created by international consultants hired by the Government, will also cover the previous government financial report.


Pardon to Rogerio: Minister of Justice still waiting for Horta’s decision – Suara Timor Lorosa'e

Even though Minister of Justice Lucia Lobato has made recommendations to PR Ramos-Horta regarding to the reduction of prisoners' sentences, including former Minister of Interior Rogerio Lobato, no final decision from the president has been received.

“I still not see or receive any report because this is the president’s decision. If this is published in the Jornal da Republica, then it will be considered as a law,” said Minister Lobato on Monday (26/5) in Vila Verde, Dili.

Minister Lobato recommended to PR Horta a reduction of three months from Rogerio’s sentence of 7 and a half years.


IDPs of Jardim Colmera Camp unhappy with payment process – Suara Timor Lorosa’e and Diario Nacional

The IDPs of Jardim Colmera Camp are unhappy with the payment process of the Government's recovery grants because the funds have still not yet been transferred to IDPs through the Authority Payment Bank (BPA).

The Coordinator of Jardim Colmera Camp, Leopoldino Pinto said that all the IDPs in the camp want to return home but until now the Government has not transferred the money to the Bank.

“We are asking the Government not to make promises that are confusing,” said Mr. Pinto on Monday (26/5).

Manuel Ximenes, an IDP from Baucau, said the Government has to give the money to the IDPs as they are entitled to it.

“We came here to get our rights. Do not lie to us, we have suffered a lot,” said Mr. Ximenes.

CNRT MP Maria de Camara ‘Bisoi’ asked the Government to immediately improve the living conditions of the IDPs, as she does not want people suffering during the time of independence.

She also suggested the Government create actions that promote peace in society and harmonious relationships in the community on the return of IDPs to their homes.


Pardon to prisoners: Parliament is awaiting the Government’s recommendations – Diario Nacional

The Chief bench of the National Unity Party (PUN) Fernanda Borges is demanding that the Government immediately send the recommendation which it gave to President José Ramos-Horta concerning his pardon of the prisoners.

Ms. Borges said that the constitution gives the president the authority to pardon prisoners, but he also has to consider the Government’s recommendations.

“What has been said in the recommendation and what justification have they [Government] given regarding the pardons?

It is not enough to say that a pardon is being given to a prisoner because of his/her good attitude and behavior,” said Ms. Borges on Monday (26/5)

Ms. Borges is also questioning whether the president's constitutional authority of the president is being used in a thoroughly legal manner.

“President has authority, but he must use it responsibly, not using without any consultation,” she added.


Cristo Rei rehabilitation: UNMIT supports US$20,000 – Diario Nacional

The United Nations Integrated Mission in Timor-Leste (UNMIT) has given US$20,000 to the State Secretary of Environment to rehabilitate Cristo Rei.

The State Secretary of Environment Abílio Lima congratulates the Special Representative of the Secretary-General for Timor-Leste Atul Khare and his staff who show their commitment to support the Timor-Leste Government.

Mr. Lima said that the UN Mission in Timor-Leste wants to give their solidarity to Timorese people to protect the country's beautiful environment.

UNMIT Spokesperson Allison Cooper said that the rehabilitation funds are coming from donations from UN staff donation serving in the country.

Ms. Cooper also said that the cleaning up and rehabilitation are the volunteer activities of the UNMIT staff to support the nation.


Timor's Ramos-Horta Says Farm Subsidies Will Help Food Security – Bloomberg, 26 May

East Timor President Jose Ramos-Horta said his country must use subsidies to bolster agriculture and protect its food security in the face of soaring import costs.

East Timor, Asia's youngest and least-developed nation, can be ‘mostly’ self-sufficient within five years, Ramos-Horta, 58, said in an interview in Singapore today. About two-thirds of the rice consumed in the country is bought from Vietnam and Thailand.

Cheaper food from overseas can't be relied on because rising fuel prices are ratcheting up transport costs and major rice- producing countries, such as China and India, will need more to feed their own people, leaving less for export, Ramos-Horta said.

“Food security must be priority No. 1 for us,'' he said.

“For our own food security, our survival, our independence, we should spend more money -- including subsidizing our farmers -- to produce more.''

The Nobel laureate, who served as prime minister from 2006 until his inauguration as president last year, was shot and almost killed in a Feb. 11 rebel attack.

“At the time I was prime minister I said I am going to subsidize our agriculture sector,'' he said.

“We have to. That would make us independent, and eventually it will be cheaper.''

Ramos-Horta said that using subsidies to protect farmers and encourage domestic agricultural production could irritate multilateral finance agencies, such as the World Bank and International Monetary Fund, which advocate free trade as a mechanism for lowering food costs.

“If we do the opposite of what they say, I think that will be about right,'' he said.

Import Surge

The cost of importing rice has more than doubled this year as countries including Vietnam and China curbed overseas sales to protect domestic supplies. Governments worldwide may spend a record $1.035 trillion on imported foodstuffs in 2008 because of higher commodity prices and escalating transport costs, the Food and Agriculture Organization of the United Nations said in a report last week.

In East Timor, which derives about $100 million a month from its petroleum reserves, farmers are offered incentives to expand crop production, and new roads and bridges are being built to bring food to consumers faster.

The government is considering building warehouses to store food in strategic areas around the country for emergencies to assist ‘vulnerable people’,'' said Ramos-Horta. About 40 percent of the nation's 1 million people live on $1 or less a day.

Matter of Decency

Ensuring the availability of affordable food is ``a matter of decency and morality for the poor, but also a matter of stability and security,'' Ramos-Horta said. The poverty-inducing affects of food inflation ``will set back development efforts in developing countries at least 10 years,'' he said.

Food prices would have escalated more in East Timor had the government not stepped up imports of rice, corn and potatoes to bolster local supplies, the president said.

“With climate change, more industrialization and the development of countries like India and China, there will be less and less land available for agriculture,'' Ramos-Horta said.

“We have to quickly make ourselves completely independent in food.''

East Timor, formally known as Timor-Leste, was established in May 2002, ending 24 years of Indonesian control and three years of UN administration.


Australia cooperating over Ramos-Horta attack – The Age, 26 May

Australia is providing all possible assistance to East Timorese authorities investigating rebel attacks on the nation's leaders, a Senate committee has been told. East Timor's president Jose Ramos-Horta, badly wounded in the February attacks, has criticised Australian Federal Police (AFP) for not fully cooperating with his country's inquiry.

At issue is the Darwin bank account of rebel leader Alfredo Reinado, killed by troops after his attack, a large number of calls he made to Australia and claims that some individuals fled to Australia following the attacks on Dr Ramos-Horta and Prime Minister Xanana Gusmão on February 11.

AFP Commissioner Mick Keelty declined to tell the Senate's legal and constitutional affairs committee whether police had investigated the bank account, saying it was an operational matter.

Neither could he comment on suggestions that some individuals had fled to Australia following the assassination attempts.

"Suffice to say that we are giving the East Timorese authorities, the Prosecutor-General and the East Timorese police and the UN our fullest cooperation and assistance where we can," he said.

Reinado's Darwin account, held jointly with Australian woman Angelita Pires, reportedly contains more than $800,000.

Mr Keelty said he had not spoken to Dr Ramos-Horta about the issue.

The AFP had provided substantial assistance to the president in terms of his own close personal protection while he was hospitalised in Australia.

"As far as I am aware the relationship between the AFP and President Ramos-Horta is a very positive one," he said.

"We are providing resources to the United Nations mission in East Timor.

"Prior to the shooting, in December last year, I had very positive discussions with President Ramos-Horta about development of the police in (East Timor) and that is now going to occur through the budget announcements."


Angola: Fretilin Secretary General in Country – Angola Press, 26 May

The general secretary of East Timor's ruling FRETILIM party, Mári Alkatiri arrived Sunday evening in the country in light of the existing bilateral relations between that party and Angola's ruling MPLA party.

Mári Alkatiri did not speak to the press on his arrival, but promised to do so at the end of the four-day visit.

According to MPLA's secretary of the foreign affairs, Paulo Teixeira Jorge, who was at Luanda's "4 de Fevereiro" International Airport to welcome the East Timorean politician, said that FRETILIN expressed interest to visit Angola to carry out an objective analysis of the current situation in East Timor, after the dramatic events that occurred.

The director of the department of foreign affairs, Nelo Rua was with Paulo Jorge at the airport.


UNMIT MEDIA MONITORING
www.unmit.org

3 comentários:

h correia disse...

"Prior to the shooting, in December last year, I had very positive discussions with President Ramos-Horta about development of the police in (East Timor)"

"East Timor"? Deviam começar por "desenvolver" a polícia australiana, que não fez nada antes nem depois do atentado.

h correia disse...

"Gusmão's party commanded 37 seats in the 65-seat parliament"

Cá está uma das muitas mentiras do costume: o "partido de Xanana" teve apenas 22% dos votos.

Margarida disse...

Tradução:
UNMIT Revista Diária dos Media 22 Maio 2008

(Relatos de notícias internacionais e extractos de media nacionais. A UNMIT não garante a correcção destes relatos)



Xanana: concorda com redução em três meses na pena de Rogério – Timor Post

A Ministra da Justiça Lúcia Lobato disse que o Primeiro-Ministro Xanana Gusmão concorda em que o Presidente José Ramos-Horta reduza a pena do antigo Minstro do Interior, Rogério Tiago Lobato em três meses.

“Tive discussões com o Primeiro-Ministro sobre esta matéria. Ele concordou em dar três meses de redução da pena a Rogério Lobato e a outros 82 presos,” disse a Ministra da Justiça na Quarta-feira (21/5) na prisão de Becora, Dili.

A Ministra Lobato disse que o Governo tinha recomendado que o presidente também comutasse o tempo na prisão de presos que serviram metade das suas penas em 6-12 meses. Presos condenados por violência doméstica e sexual receberiam uma redução de dois meses.


Alkatiri sonha com eleições antecipadas. PD: Fretilin cria mau precedente – Timor Post

O Secretário-Geral da Fretilin afirmou que no futuro próximo a Fretilin assumirá o poder de governar de modo a melhorar a vida das pessoas dado que a AMP não é capaz de resolver os problemas do país e por isso enfrentaremos eleições antecipadas.

“Nós [Fretilin] voltaremos ao governo. Isso não demorará muito,” afirmou o Sr. Alkatiri num discurso numa cerimónia do 34º aniversário da ASDT/Fretilin realizada no Comité Central da (CCF) na Terça-feira (20/5) em Comoro, Dili.

Alkatiri disse que a Fretilin mostrará que é diferente da Aliança da Maioria no Parlamento (AMP).

Alkatiri disse também que quando a Fretilin voltar ao poder re-nomeará os directores e administradores que foram removidos pela AMP.

“A Fretilin re-nomeará essas pessoas dado que o que a AMP lhes fez é contra a lei e constituição.

A Fretilin está a pedir eleições antecipadas apenas para a legislatura, não para a presidências. Se isso acontecer então, ganharemos todas elas,” disse ele.

Mesmo apesar do Sr. Alkatiri ter criticado fortemente o PM Gusmão, ele continua a reconhecer que ele e o Primeiro-Ministro têm de trabalhar juntos para resolver os problemas do país.

Ele disse que se quer sentar com o PM Gusmão como líderes políticos, não como um comandante com o seu soldado.

“Se ele [PM Gusmão] não pensar que é um comandante, estou pronto a sentar-me com ele para melhorar a vida das pessoas,” acrescentou o Sr. Alkatiri.

Na mesma função, o Presidente da Fretilin e antigo Presidente do Parlamento Nacional Francisco Guterres Lu-Olo disse que são realmente precisas eleições antecipadas para melhorar a má actuação do Governo da AMP.

“Não estamos satisfeitos, por termos ganho as eleições e termos ficado na oposição,” disse o Sr. Lu-Olo.

O deputado do Partido Democrático (PD) Adriano Nascimento disse que pode haver eleições antecipadas mas que devem existir certos critérios. Por exemplo, a maioria dos deputados no Parlamento devem opor-se aos programas do Governo, o Estado tem de estar a funcionar mal, a situação instável – nessa altura o presidente podia dissolver o governo e convocar eleições antecipadas.

O deputado Nascimento disse que se a Fretilin quer destruir a AMP a meio caminho na implementação dos seus programas, isto seria um mau precedente para o futuro.

Disse também que a AMP deve ter 2-3 anos para implementar os seus programas. Se nessa altura não tivessem sucesso então podia-se ver que eram incompetentes.


Presidente da República pediu ao Governo para respeitar os direitos dos presos - Televisaun Timor-Leste

Ontem durante a visita à prisão de Becora o Presidente José Ramos Horta disse que não tem autoridade para interferir no processo judicial mas que fará recomendações ao Governo para ajudar a resolver os seus problemas.

“Hoje vim cá para mostrar a vocês o meu amor e respeito. Não tenho autoridade para participar no processo judicial mas continuarei a pedir ao Governo através do Ministério da Justiça para dar atenção a vocês”, disse o Presidente.

Pediu ainda ao Governo para respeitar os direitos dos presos. Na mesma altura, a Ministra da Justiça Lúcia Brandão Lobato disse que o Governo está agora a melhorar o processo da justiça de modo a defender os direitos dos presos.


O Tribunal prolongará o tempo para Rogério Lobato voltar até Junho – Televisaun Timor-Leste

A Ministra da Justiça Lúcia Lobato disse ontem que o Tribunal dará ao preso Rogério até Junho para regressar a Timor Leste. Se então ele não regressar, o Governo implementará a decisão do Tribunal contra ele.

“O Governo está pronto para o ajudar seja no que for que ele precisar, tal como com bilhete de avião e acomodações em Bali. Ele tem de obedecer à decisão do Tribunal. Na suposição de que não volta em Junho – o Tribunal agirá.

Com base no plano, o Tribunal pedirá à Interpol para o apanhar no caso dele não obedecer à decisão,” explicou Lúcia.

De acordo com o médico que tem tratado Rogério durante este tempo, ele precisa de mais um mês para operar uma perna de Rogério.


Ministério Público: 24 suspeitos identificados como tendo estado envolvidos nos ataques de 11 de Fevereiro – Televisaun Timor-Leste

O Ministério Público identificou positivamente 24 suspeitos que estiveram envolvidos nos ataques de 11 de Fevereiro. O Procurador Geral Longuinhos Monteiro disse que o processo de investigação ao ataques de 11 de Fevereiro vai bem.

“A investigação vai bem e identificámos positivamente 24 suspeitos em conexão com os incidentes de 11 Fevereiro,” disse o Sr. Monteiro.

das 24 pessoas acusadas, dezoito delas estão em detenção preventiva correntemente e as restantes em prisão domiciliária. Muito provavelmente há ainda mais um suspeito, um civil ao largo.

Em relação a este caso , enviei uma carta ao Primeiro-Ministro a pedir-lhe para fazer um depoimento sob juramento.

“Pedi-lhe para especificar a data exacta em que dará o seu depoimento. Este é o segundo pedido que fazemos para depor”, disse o Procurador-Geral.


Governo Assiste deslocados do Campo Jardim a regressarem a casa – Ministério da Solidariedade Social (Comunicado de Imprensa), 21 Maio

Começando hoje, como parte da estratégia de recuperação nacional Hamutuk Hari’i Futuru do governo, 358 famílias receberão uma doação de recuperação para os assistir a regressarem às suas casas do campo de deslocados do Jardim.

O Primeiro-Ministro Xanana Gusmão agradeceu aos deslocados no Jardim pela sua vontade em regressar a casa e por mostrarem o seu compromisso em viverem pacíficamente nos seus antigos locais.

Ele pediu aos Chefe Sucos, Chefe Aldeias, jovens e comunidade receptora para receber os deslocados retornados e porem um fim à violência. O Primeiro-Ministro disse aos deslocados no Jardim “ajudam a melhorar a imagem de Timor-Leste mostrando ao mundo que os Timorenses podem trabalhar juntos para resolver os seus problemas. O governo trabalhará com vocês para tentar resolver os problemas do país.”

A Ministra da Solidariedade Social, Maria Domingas Alves pediu aos deslocados do Jardim para tentarem esquecer as dificuldades que passaram nos dois últimos anos e tentarem perdoar aos que lhes causaram essas dificuldades.

“Usem a oportunidade para sairem do campo e tentarem construir uma nova vida, uma vida pacífica. Este é o tempo para a nova geração construir um novo e pacífico futuro para Timor-Leste.”

A Ministra assegurou aos deslocados que “wsabemos que alguns de vocês enfrentarão dificuldades no regresso, porque as vossas casas estão ocupadas, ou porque era alugada ou não tinham casa. Trabalharemos juntos para resolver esses problemas através do diálogo.

O governo está também a criar novas políticas para vos ajudar.” A Ministra agradeceu também a Chefe Sucos e Chefe Aldeias nas comunidades receptoras pela assistência em facilitar o regreso pacífico e seguro dos deslocados do Jardim.

O Director do Campo de Deslocados do Jardim, Leopoldo Pinto, agradeceu ao governo pela atenção que deram a resolver os problemas dos deslocados de Timor-Leste.

Contudo, pedimos ao governo para melhorar a segurança em muitas áreas de regresso, dado que muitos deslocados retornados anão estão a ser bem recebidos nas suas comunidades. Também muitas antigas casas de deslocados estão ocupadas, e assim pedidos ao governo para por favor dar atenção a esta questão.”

A Ministra da Solidariedade Social, Maria Domingas Alves, agradeceu às agências SLS que deram assistência humanitária ao campo do Jardim – IOM e Plan. Agradeceu ainda à Plan pelo apoio à água e sanidade ao campo durante os últimos dois anos.

O regresso dos deslocados do Jardim eleva o número total de famílias que receberam pacote de recuperação para 1370.

O próximo campo a ser assistido a regressar será Sional. Está completada a verificação do último local de residência dos deslocados e o MSS continua a trabalhar para a verificação dos outros campos.



Timor-Leste: jardim de mercado alivia a escassez alimentar – Norwegian Refugee Council (NRC), 21 Maio

Os deslocados a viverem no local do abrigo temporário Quarantina estão a tornar-se auto-suficientes graças à instalação dum jardim de mercado apoiado pelo NRC.

Timor-Leste é uma nação jovem que luta para alimentar o seu povo. Com um sector agrícola sub-desenvolvido, juntamente com outras realidades difíceis como a seca, pragas de gafanhotos e falta de oportuidades de vida, muitos Timorenses no seu dia-a-dia vivem com menos comida que a necessária. Os deslocados são particularmente vulneráveis a esta insegurança alimentar.

Insegurança alimentar
No fim de Março de 2008, uma estimativa de 30 % dos deslocados dum total de 100.000 vivem em aproximadamente 58 campos, principalmente nas cidades de Dili (51 campos) e Baucau (7 campos).

Muitas das famílias deslocadas que vivem nos campos têm insegurança alimentar. Não têm emprego e apoiam-se nas rações alimentares gradualmente a diminuir do governo.

Me modo a melhorar a situação, o NRC, em cooperação com a ONG local Fitun FO Dalan, apoiou o estabelecimento dum jardim de mercado num dos campos.

Cultivando alimentos staple
Juntos, NRC e Fitun FO Dalan mobilizaram 26 famílias deslocadas no sítio do abrigo provisório Quarantina para estabelecer um jardim de mercado nas proximidades do local. Este jardim mercado foi estabelecido em Janeiro e cobre uma área de aproximadamente 75x30 metros e está dividida em 77 lotes. A cada família foi entregue dois lotes de 1.2 m x 8 m que plantam e colhem à sua vontade. A produção mais comum que é lá cultivada são kankun (um vegetal de folha verde), couve e feijão verde – tudo staples da dieta diária dos Timorenses.

O Director do País do NRC Alfredo Zamudio diz que todas as famílias trabalharam bastante a cultivar os seus lotes de terra . Em Abril puderam finalmente fazer a primeira colheita.

‘Até agora, os resultados têm sido muito bons, diz Zamudio. ‘A primeira produção que foi colhida em Abril deu bastantes alimentos para as famílias e para venderem nos mercados locais,’ diz ele.

Gerando rendimento
Os deslocados em Quarantina estão também muito satisfeitos com o jardim mercado.

‘Estou muito contente porque o jardim elevou o meu rendimento, diz Jorge Freitas.

Um lote de kankun pode produzir duas colheitas por mês, e um lote de kankun vendido nos mercados locais rende aproximadamente seis dólares. Para Freitas e outros deslocados este é um aumento substancial para o rendimento do lar, considerando que o rendimento médio emTimor-Leste é de $370 por ano.

Algumas das famílias em Quarantina escolheram guardar todas as suas produções para se alimentarem, enquanto outras escolheram vender a sua produção. Outros fizeram um pouco das duas coisas. No total, as famílias ganharam aproximadamente 140 US$ da primeira colheira do jardim mercado.

NRC has been active in Timor-Leste since 2006. NRC currently manages five transitional shelter sites in Dili, through its Camp Management program. In total, the sites house more than 2500 IDPs. NRC also runs shelter and education programs in Timor-Leste.


Presidente de Timor-Leste corta pena de prisão de antigo Ministro – The Wall Street Journal, 21 Maio

DILI (AFP)--o Presidente de Timor-Leste José Ramos-Horta disse na Quarta-feira que tinha perdoado parte da pena de sete anos de cadeia a um antigo ministro por distribuir armas durante o desassossego violento em 2006.

Ramos-Horta disse que a sentença contra o antigo ministro do interior Rogério Lobato foi cortada em 75% para mostrar misericórdia como parte do sexto aniversário da independência do país esta semana.

"São três-quartos," disse à AFP quando perguntado o tamanho da redução. Acrescentou que não sabe quanto mais tempo Lobato passará na cadeia porque o tribunal tem ainda que rever a sentença.

"A minha consideração pelo caso dele e doutros é humanitária, a saúde deles ou a situação da família. A saúde do Sr. Rogério Lobato tem sido precária há algum tempo."

Lobato foi preso por cinco acusções de armar esquadrões de ataque durante o desassossego de 2006 no país, quando lutas de facções das forças de segurança deixaram 37 mortos e fizeram 150,000 fugirem das suas casas.

Mas Ramos-Horta disse que pensava que Lobato não foi um instigador da violência.
"Acredito sinceramente que Rogério Lobato é um homem decente que foi apanhado na crise de 2006 e que não foi definitivamente um dos autores da crise," disse ele.

Lobato recebeu uma autorização do tribunal para viajar para o estrangeiro para tratamento no ano passado. Tem problemas de fígado, coração e rins mas é desconhecida a natureza exacta dos cuidados que está a receber na Malária.

É um membro de topo do partida na oposição Fretilin e fundou as forças de guerrilha que lutaram nos 24 anos de ocupação de Timor-Leste pela Indonésia, que durou até 1999.Timor-Leste tornou-se formalmente um Estado independente em 2002.


Ofensores de direitos Asiáticos lutam por lugares na ONU – Tamil Net, 21 Maio

No que é visto como o combate mais significativo, seis nações Asiáticas, Japão, Coreia do Sul, Paquistão, Sri Lanka, Bahrain e Timor-Leste, lutam por quatro lugares no Conselho de Direitos Humanos da ONU onde a votação secreta para escolher os seus membros se está a fazer hoje. Apenas o Japão e a Coreia do Sul são designados como "livres" bpela ONG Freedom House, com base no histórico da votação e na história da adesão a princípios de direitos humanos, por isso o resultado da corrida Asiática é o que tem mais potencial para mudar a composição geral do Conselho, dizem notícias.

Quinze dos 47 lugares no HRC serão decididos pela Assembleia Geral da ONU em votação secreta que é a terceira votação anual para o conselho com base em Geneva, wque foi estabelecido há dois anos atrás para substituir a largamente desacreditada Comissão da ONU para os Direitos Humanos, de acordo com notícia na CNS web.

"Uma campanha de ONG's que visava evitar que Sri Lanka fosse eleito para o Conselho de Direitos Humanos da ONU atraiu algum apoio, mas a tentativa desse país ganhar um lugar é apenas uma das várias preocupações que rodeiam a eleição desta semana.

"O Sri Lanka atraiu atenção particula, com uma coligação de ONG's internacionais e três laureados com o Nobel da paz entre os que focaram os abusos na nação da Ásia do Sul dividida por guerra civil , incluindo assassínios extrajudiciais, desaparecimentos pela força e torturas. Os críticos do Sri Lanka estão a urgir os membros da ONU para retirarem o apoio," diz a notícia.

Numa carta recente aos Governos participantes nas eleições na ONU, um consórcio de ONG's dizia: "Rejeitar a candidatura do Sri Lanka nesta altura mostrará que os membros da ONU são sérios acerca do padrão dos membros que estabeleceram para o conselho, e traz nova atenção para as violações grosseiras no Sri Lanka e esperança e apoio às vítimas de abuso."


Ramos Horta corte prazo na prisão de Lobato – EPA, 21 Maio

East Timor's president has sliced the prison sentence of a former government minister who armed civilian hit squads during the violence that destabilized the nation in 2006.

O antigo ministro do interior Rogério Lobato foi um das dúzias de criminosos que receberam cortes na sentança para marcar o sexto aniversário da independência de Timor-Leste esta semana.

"Acredito sinceramente que Rogério Lobato é um homem decente que foi apanhado na crise de 2006 e que não foi definitivamente um dos autores da crise," disse à AFP.

A AFP relatou que a sentença seria reduzida em três quartos.

Um porta-voz do presidente disse que detalhes dos cortes não estavam ainda finalizados para os casos específicos.



UNMIT MONITORIZAÇÃO DOS MEDIA
www.unmit.org

**

UNMIT Revista Diária dos Media - 23 Maio 2008

(Relatos de notícias internacionais e extractos de media nacionais. A UNMIT não garante a correcção destes relatos)


Apenas 80 peticionários querem regressar às forças militares – Timor Post

Dos 339 peticionários que indicaram uma preferência para re-integrarem as forças militares, apenas 80 deles ainda quer voltar desde que o Primeiro-Ministro Xanana Gusmão lhes pediu na semana passada para re-considerarem a sua escolha de vida militar ou civil.

“Há 80 peticionários que não mudaram a decisão de regressarem à força militar,” disse um dos peticionários que ainda quer re-integrar-se na força militar devido ao seu amor às F-FDTL.

Disse também que outros peticionários que mudaram de ideia e querem agora ir para a vida civil são analfabetos e têm alguns problemas de saúde. Alguns deles acreditam que se regressarem à vida militar, então não receberão a compensação do Governo.

Recentemente os números de peticionários que querem tornar-se civis subiram de 356 para 605 dum total de 685.

O Vice-Presidente do Parlamento Nacional Vicente Guterres disse que era bom para os peticionários serem civis dado que tinham abandonado os quartéis.
O Sr. Guterres disse que quando há problemas nas instituições, os problemas devem ser resolvidos internamente, não no exterior das instituições.

“Como trouxeram o problema para fora da instituição, se fosse eles, não voltaria,” disse o Sr. Guterres.

O deputado do Partido Democrático Adriano do Nascimento disse que não concordava com o Primeiro-Ministro que antes disse que era bom para os peticionários que eram analfabetos, voltarem para a vida civil. Esta afirmação desonrou os peticionários, disse ele.

“Os peticionários deixaram os quartéis por causa de questões políticas e de acções tomadas por líderes políticos [não porque eram analfabetos],” disse o Sr. Nascimento.


Ser um modelo para o mundo: PR Horta pede autorização para a ONU e ONG's visitarem a prisão de Becora – Timor Post

Na sua visita à Prisão de Becora na Quarta-feira (21/5) o PR Ramos-Horta pediu aos guardas da prisão para deixarem a Cruz Vermelha, UNMIT Direitos Humanos e ONG's nacionais visitarem a Prisão de Becora de modo a assegurar transparência.

“Peço a esta prisão para autorizar visitas da Cruz Vermelha Nacional, UNMIT Direitos Humanos e ONG's nacionais que trabalham para os direitos humanos, não para ONG's que trabalham para políticos. Se fizermos isso, então as nossas prisões serão um modelo para o mundo, uma prisão que nada esconde e tudo revela,” disse o PR Horta.

O PR Horta disse ainda que visitou a Prisão de Becora como Laureado do Nobel da Paz, não como Presidente, Primeiro-Ministro ou Ministro dos Estrangeiros.

Perdão do Presidente: 10 presos libertados, pena de Rogério reduzida – Timor Post
De 84 presos que receberam perdões do PR Ramos-Horta no Dia da Independência, 20 de Maio, dez deles receberam perdão total. Rogério Tiago Lobato, o antigo Ministro do Interior, recebeu apenas redução da pena.

A Ministra da Justiça Lúcia Lobato disse que a preferência do Governo era o presidente ter reduzido apenas em três meses a pena de Rogério dado que o tribunal o condenou a sete anos de prisão.


Timor-Leste espera receber apoio do MCC – Televisaun Timor-Leste

A Ministra das Finanças Emília Pires disse que Timor-Leste espera receber financiamentos do Programa da Millennium Challenge Corporation (MCC) para ajudar a reduzir a pobreza no país.

“Em nome do Governo, estou contente por a MCC estar a considerar Timor-Leste como um potencial receptor de apoio financeiro. O Governo promete trabalhar com a MCC para melhorar o desenvolvimento socio-económico e construir a paz neste país,” disse a Ministra Pires na Quinta-feira (22/5) em Dili.

O Vice Presidente da MCC John Hewko disse que Timor-Leste precisa de ter um programa de boa governação dado que um tal programa pode reduzir a pobreza no país e melhorar a economia.

O Sr. Hewko disse que recentemente a MCC tinha estabelecido uma equipa de monitorização para seguir o programa de governação do país.


Ministra: Governo recomendou redução de três meses na pena de Rogério Lobato – Suara Timor Lorosa’e
A Ministra da Justiça Lúcia Lobato recomendou ao Presidente José Ramos-Horta que reduzisse apenas em três meses a pena de prisão dada ao antigo Ministro do Interior Rogério Lobato porque o seu envolvimento a armar civis causou muita gente a ser morta em 2006. fez esta declaração aos jornalistas na Quarta-feira (21/05) quando acompanhava o presidente Ramos-Horta na sua visita oficial à Prisão de Becora.

“O governo recomendou apenas três meses de redução de pena mas isso depende da decisão do presidente,” disse Lucia Lobato.

De acordo com o presidente, o perdão está baseado no passado de luta do antigo Ministro do Interior para libertar o país. Disse que Rogério também perdeu muitos familiares que sacrificaram as suas vidas durante a guerra. O aeroporto Internacional de Dili tem o nome de Nicolau Lobato, o irmão mais novo do antigo Ministro que foi morto durante a luta pela independência.


Ramos Horta corta penas de prisão a milicianos – The Age, 23 May
O presidente cortou penas de prisão a vários miliciano pró-Indonésia que assassinaram pessoas durante a violência que se seguiu ao referendo pela independência em 1999.

Os cortes de penas estiveram entre os 94 perdões totais ou parciais feitos por Jose Ramos Horta para marcar o sexto aniversário da independência pequena nação esta semana.

Entre os que estão na lista está Joni Marques, o líder da milícia Team Alfa que terá o resto da sentença cortada ao meio.

Marques foi condenado a 33 anos em 2001 pelo Painel Especial do Tribunal do Distrito de Dili, no primeiro julgamento no país de crimes contra a humanidade.

Os crimes dele incluiam vários homicídios, incluindo um grupo de nove pessoas que incluiam vários padres Católicos e freiras e um jornalista Indonésio, perto da cidade do leste de Los Palos, em 1999.

Ele foi também condenado pela transferência forçada da população civil e perseguição e tortura.

É a segunda vez que a pena de Marques é cortada.

Em 2004, o então presidente Xanana Gusmão cortou quase nove anos na sua sentença e dos membros da milícia Paulo e João Costa que também estavam presos por causa dos crimes.

Os dois irmãos Costa tiveram também as suas penas cortadas em metade na lista dos perdões, bem como o antigo membro da milícia Sakunar Mateus Lao, aka Ena Pato.

Lao foi preso em 2004 por oito anos por homicídio e crimes contra a humanidade, depois de matar um homem que tentava fugir para o Oeste de Timor com a família durante a violência confirma também o corte da pena do antigo ministro do governo Rogia de 1999.

O decreto presidencial erio Lobato que deu armas a civis durante a violência que desestabilizou a nação em 2006.

A sentença de Lobato de mais de sete anos será cortada ao meio.

Lobato cumpriu apenas cinco meses da sentença porque foi autorizado a voar para a Malásia em Agosto passado para tratamento médico e não regressou ainda.

O decreto presidencial – publicado formalmente esta semana – diz que a concessão da clemência depende do “bom comportamento na prisão”.

O Presidente Ramos Horta – que apenas recentemente regressou a Timor-Leste depois de ter sido baleado na sua casa de Dili – anunciou os perdões no mês passado dizendo que Timor-Leste precisava de avançar numa cultura de perdoar de modo a avançar.

O decreto afirma que o aniversário da independência de Timor-Leste comemora a fé dos Timorenses na humanidade.

"Acreditando na pessoa humana... (de modo=) a cultivar a misericórdia e a tolerância, estendemos as mãos para ajudar o próximo a levantar-se depois de ter caído na sua dignidade," diz o documento.

Mas a presidente do partido da minoria pró-justiça PUN, Fernanda Borges, disse que muitos Timorenses estão descontentes com os cortes.

"Não penso que nesta altura se devia perdoar aos milicianos," disse ela.

Borges disse que o processo tinha erros, sem critério claro sobre quem é elegível para clemência e sem transparência.

"Não há sistema para julgar se a pessoa se comportou bem, se a pessoa contribuíu para dar mais informações para ajudar o processo judicial e qual a resposta das vítimas a isto," disse ela.

"Há ainda muitos julgamentos pendentes – quer para os casos de 1999 quer para a crise de 2006 – que implicações terá isto para os futuros julgamentos em Timor-Leste?

"Tudo isto tem que ser pesado com muito cuidado para não criarmos uma percepção...que há impunidade neste país.

"Que se pode fazer o que se quiser, matar pessoas, fazer violações aos direitos humanos...e safarem-se e serem perdoados pelo presidente."

As Nações Unidas disseram que a justiça é vital para o futuro de Timor-Leste, que enfrenta questões de impunidade e retrocesso.

"A visão da ONU é que a justiça é essencial para a estabilidade e paz," disse uma porta-voz do chefe da missão Atul Khare.

Contudo, a doação dos perdões, estava nas funções do presidente, disse ela.

No caso do antigo ministro Lobato, a porta-voz sublinhou a sua cooperação com o processo judicial até agora.

"(O Sr Khare) tem esperança que o Sr Lobato continue a cooperar, incluindo evitar qualquer acção que possa afectar a fragilidade da sociedade” disse ela.

"Isso incluirá, por exemplo, evitar concorrer a qualquer cargo público."

Os cortes nas penas vieram quando a controversa comissão de Timor-Leste da “verdade” se prepara para entregar o seu relatório final à violência de 1999.

A Comissão da Verdade e Amizade (CVA) foi criada pelos dois países numa tentativa de estabelecer uma “verdade conclusiva” acerca da violência de 1999 para ajudar a reparar as relações.

Timor-Leste marca seis anos da independência – AFP, 22 Maio

Líderes Timorenses juntaram-se sob segurança apertada para uma cerimónia emocional para celebrar seis anos da independência e recordar a longa e sangrenta luta do país pela libertação.

O palácio do governo estilo vivenda frente ao mar em Dili foi decorado com bandeiras internacionais – incluindo as dos antigos ocupantes Indonésia e Portugal – quando a bandeira vermelha e preta do país se ergueu sob um sol forte.

O Presidente José Ramos-Horta, que passou a revista à guarda de honra de cima de um jeep, apelou à paz e unidade no Estado problemático mais novo da Ásia enquanto tropas estrangeiras observavam do telhado do palácio.

"Neste dia da independência temos de manter a paz na nossa nação, combater a pobreza e proteger a unidade nacional. Esta é uma obrigação de toda a gente," disse no discurso.

As comemorações ocorreram apenas três meses depois de Ramos-Horta ter sido baleado e ferido num ataque por amotinados em 11 de Fevereiro, que também visou o Primeiro-Ministro Xanana Gusmão.

Os amotinados responsáveis pelo ataque renderam-se no mês passado mas receios dum regresso da instabilidade estão a assombrar o Dia da Independência.

"O que aconteceu em 11 de Fevereiro mostrou que as instituições do Estado na nossa nação estão ainda frágeis. Mas esta cerimónia mostra ainda que nos últimos seis anos alcançámos bastante," disse o presidente.
Crianças cantaram um hino e os líderes do país principalmente Católico honraram mais de 1,500 veteranos da luta da independência contra a Indonésia como parte das festividades.

Timor-Leste, uma antiga colónia Portuguesa, foi invadida pela Indonésia de Suharto em 1975. Cerca de 200,000 Timorenses morreram em resultado do conflito e de doenças que se podiam prevenir nas duas e meia décadas seguintes.

O país votou pela independência num referendo apoiado pela ONU em 1999 mas foi devastado por milícias pró-Indonésias por altura da votação.

Ganhou finalmente a independência formal em 2002, mas foi lançado na instabilidade outra vez pela deserção em massa de 600 soldados em 2006, que desencadeou violência de rua entre facções rivais que mataram pelo menos 37.

Essa rebelião chegou ao fim depois da morta do líder amotinado Alfredo Reinado no ataque em casa de Ramos-Horta em Fevereiro e a rendição dos seus seguidores no mês passado.

Mas analistas dizem que permanecem as sementes de mais instabilidade no país empobrecido de um milhão, e as tensões políticas viam-se mesmo quando os líderes do país faziam discursos da independência.

O Primeiro-Ministro Gusmão conspicuosamente recusou apertar a mão do líder da oposição e ex-primeiro-ministro Mari Alkatiri, da Fretilin.
Um novo governo liderado por Gusmão tomou posse em Agosto de 2007 no meio de protestos do partido de Alkatiri, que ganhou o maior número de votos nas eleições de Junho mas não uma maioria para governar.

O partido de Gusmão comanda 37 lugares no parlamento de 65 lugares, mas a Fretilin insistiu que devia ter sido convidada a governar, desencadeando violência esporádica na jovem nação.

Ado Amaral, um agricultor de 45 anos que desceu dos montes de fora de Dili para ver as festividades, disse estar contente por o evento ter passado sem problemas.

"Estou muito feliz porque tudo correu bem. Não houve provocações entre as pessoas, nem distúrbios," disse ele.
"Foi melhor do que noutros anos. Acho difícil pensar em 2006 mas agora vejo que tudo vai bem."

O Vice-Comissário da polícia da ONU Tony McLeod disse que o Dia da Independência deste ano foi "um pequeno teste para nos dar o sentir da situação da segurança geral".
"Está a ir bem até agora," disse ele.


ONU diz que dadores devem apoiar plano de ajuda Afegão – Reuters, 22 Maio

CABUL (Reuters) – A comunidade internacional devia apoiar uma estratégia de desenvolvimento do Afeganistão de $50-biliões (25 biliões de libras) numa conferência de dadores em Paris no próximo mês, mas Cabul deve também combater a corrupção galopante, disse o enviado especial da ONU na Quinta-feira.

O Afeganistão depende da ajuda em 90 por cento das suas despesas. Mas os dadores internacionais ficaram abaixo disso em pagar o que já tinham prometido e muito do dinheiro vai direito para os países dos dadores em salários e lucros. A corrupção oficial come o resto.

Mais de seis anos depois das tropas lideradas pelos USA e Afegãs terem derrubado os Talibans, Cabul e os seus apoiantes ocidentais enfrentam um renovar da insurgência e uma população frustrada pela falta de segurança e desilusão com a passo vagaroso do desenvolvimento

"É óbvio que a comunidade internacional não gasta os seus recursos tão bem quanto devia e é óbvio que a corrupção é um fenómeno demasiadamente alargado no Afeganistão," Disse o Enviado Especial da ONU Kai Eide numa conferência de Imprensa na capital Afegã, Cabul.

"Gostaria de ver uma parceria a sair de Paris onde a comunidade internacional diz ’sis, vamos gastar melhor os nossos recursos’ e o governo diz ’sim, vamos combater a corrupção com mais vigor'," disse ele.

Os dadores Internacionais prometeram cerca de $24 biliões nas três conferências de dadores desde 2002, mas o nível da ajuda no Afeganistão é ainda muitas vezes mais baixa por cabeça do que noutros países lutando por emergir de conflitos como Kosovo ou Timor-Leste.

Isto deveu-se parcialmente à sub-estimação pela comunidade internacional da escala dos problemas enfrentados pelo Afeganistão depois de quase três décadas de guerra e também devido ao falhanço de prever a re-emergência da insurgência Taliban.

PLANO AFEGÃO

O governo Afegão esboçou agora uma estratégia de desenvolvimento nacional de 5,000 páginas, apontando os seus objectivos que são para apresentar em 12 de Junho na Conferência de Paris acolhida pelo Presidente Francês Nicolas Sarkozy e Secretário-Geral da ONU Ban Ki-moon.

O Afeganistão procura $50.1 biliões de Paris, mais de metade do qual é para gastar em segurança e infraestruturas, a falta das quais reduz em quase qualquer nível o desenvolvimento económico.

"Há certas prioridades desenvolvidas pelo governo Afegão na sua estratégia de desenvolvimento," disse Eide. "Nós na comunidade internacional temos de alinhar os nossos recursos por detrás dessa estratégia."

Muitos dadores estão cansados de dar fundos directamente ao governo Afegão receando que muito dele desapareça nos bolsos de funcionários corruptos. O Afeganistão está classificado em 172 de 180 países no Índex da percepção da corrupção da Transparency International.

Consequentemente, cerca de dois terços da ajuda não é canalizada através do governo Afegão, o que significa que Cabul quase não tem nenhum controlo sobre como é gasto o dinheiro e o Estado permanece fraco e ineficaz.

"Temos de gastar muitos mais recursos e atenção na construção de instituições do Estado que devem ser básicas para o progresso em relação à segurança e desenvolvimento," disse Eide.

O Afeganistão também sofre duma falta de coordenação entre mais de 60 maiores países dadores e organizações internacionais, dúzias de agências de ajuda e forças estrangeiras estão também engajadas na reconstrução e trabalho de desenvolvimento.

A nomeação de Eide pelo Secretário-Geral da ONU Ban Ki-moon em Março teve o significado de levar melhor coordenação aos esforços da comunidade internacional no Afeganistão.

A Conferência de Paris, disse ele, será uma oportunidade para a comunidade internacional para se comprometer por escrito a renovar e melhorar os seus esforços no Afeganistão.
(Editado por Bill Tarrant)


Operação Sorriso JuntaUSNS Mercy como Parte do Destacamento de Quatro Meses na Ásia do Sudeste – Parceria Pacífico 2008 – TransWorldNews, 22 Maio

Operação Sorriso, uma caridade médica para crianças através do mundo que dá cirurgias de borla a crianças em países em vias de desenvolvimento nascidas com deformações faciais, vai juntar-se ao navio hospital da Marinha dos USA, USNS Mercy, durante o seu destacamento de assistência cívica e humanitária no Verão 2008 . A missão do USNS Mercy, Parceria Pacífico 2008, prestará serviços humanitários em quatro países do Sudeste Asiático.

Parceria Pacífico 2008 junta pessoal médico do país hospedeiro, pessoal militar da nação da parceria e pessoal de construção, e ONG's para dar serviços médicos, dentais, construção e outros serviços a bordo e fora de bordo.

A Operação Sorriso trabalhará lado a lado no USNS Mercy em quatro países: Filipinas, Vietname, Timor-Leste e Papua Nova Guiné. Aproximadamente 350 crianças sofrendo de lábios rachados e palatos rachados receberão cirurgia reconstrutiva de borla em resultado dessas missões médicas.

O Chefe Médico da Operação Sorriso Dr. Randy Sherman disse, “a Operação Sorriso tem a honra de participar no destacamento da Parceria Pacífico 2008 da USNS Mercy. Depois de nos apresentarmos nós próprios à Marinha em 2006 durante a missão da Mercy em Bangladesh, juntámo-nos ao navio irmão, o USNS Comfort no ano passado, para uma parceria multi-local na América Latina.

Os voluntários médicos da Operação Sorriso das Filipinas, Vietname, Austrália, e USA e outros países parceiros estão excitados em juntarem-se ao Mercy e à sua tripulação para trazer novos sorrisos a crianças através da bacia do Pacífico este verão.”

O USNS Mercy saiu de San Diego, Calif., em 1 de Maio. A primeira missão envolvendo a Operação Sorriso terá lugar em Cotabato, Filipinas, no fim de Maio. Avaliações médicas de borla serão conduzidas pelos voluntários médicos da Operação Sorriso, feitas pela Operação Sorriso Filipinas, no Hospital Regional de Cotabato para identificar pacientes para cirurgia que depois serão transportados para bordo para cirurgia no navio. Controlos pós—operatórios para os pacientes uma vez por semana terão também lugar no hospital.

As Filipinas foram o primeiro país parceiro da Operação Sorriso e desde 1982, voluntários médicos providenciaram mais de 18,800 crianças e jovens adultos Filipinos com exames físicos de borla e mais de 13,700 receberam operações durante missões médicas.

O USNS Mercy moverse-à para Nha Trang, Vietname, para a próxima missão médica envolvendo a Operação Sorriso em meados de Junho . Avaliações médicas de borla serão conduzidas pela Operação Sorriso no Hospital Geral da Província de Khanh Hoa para identificar pacientes para cirurgia. A equipa médica da Operação Sorriso, constituída principalmente por voluntários providenciados pela Operação Sorriso Vietname e Operação Sorriso Cambodja, trabalhará com pessoal da Marinha para conduzir cinco dias de cirurgias a bordo do navio. Cuidados pós-operatórios terão também logar no Hospital Geral Hospital da Província de Khanh Hoa. Desde 1989, a Operação Sorriso tratou mais de 19,000 crianças no Vietname através de missões internacionais médicas, em missões locais no país e missões dentais.

Em meados de Julho, aproximadamente 45 voluntários médicos da Operação Sorriso, muitos providenciados pela Operação Sorriso Austrália, trabalharão com a equipa médica do USNS Mercy em Dili, Timor-Leste. A equipa da Operação Sorriso providenciará avaliações médicas de borla num hospital local e os pacientes serão levados ao navio para cirurgia. Isso marca a primeira missão médica da Operação Sorriso em Timor-Leste.

Voluntários da Operação Sorriso juntar-se-ão à tripulação do USNS Mercy em Port Moresby, Papua Nova Guiné, no princípio de Agosto. Exames físicos serão feitas no Hospital Geral de Port Moresby e depois a equipa de voluntários médicoa da Operação Sorriso, providenciado pela Operação Sorriso Filipinas, trabalhará junta durante cinco dias com a Marinha para fazer cirurgias a bordo do USNS Mercy. Esta será a missão inaugural da Operação Sorriso na Papua Nova Guiné.

A Operação Sorriso está honrada em juntar-se à tripulação e pessoal do USNS Mercy neste destacamento. No verão de 2006, perto de40 voluntários da Operação Sorriso destacados com o USNS Mercy para Chittagong, Bangladesh deram exames médicos de borla no Chittagong Medical College Hospital a mais de 140 crianças. Os 54 pacientes seleccionados para cirurgia foram transportados por helicóptero de Chittagong para o USNS Mercy.

Depois no Verão de 2007, a Operação Sorriso juntou-se ao USNS Comfort durante o seu destacamento de assistência humanitária. Os voluntários da Operação Sorriso e a equipa médica do navio trabalharam durante missões na Nicarágua, Peru e Colômbia, fazendo cirurgia reconstrutiva de borla a mais de 100 crianças.

Acerca da Operação Sorriso (www.operationsmile.org)
Fundada em 1982, a Operação Sorriso tem sede em Norfolk, Virginia, é uma caridade médica para crianças em todo o mundo cuja rede de voluntários globais estão dedicadas a ajudar a melhorar a saúde e as vidas de crianças e jovens adultos.

Desde a sua fundação os voluntários da Operação Sorriso trataram mais de 115,000 crianças que nasceram com lábios rachados, palatos rachados e outras deformações faciais. A juntar à contribuição de darem tratamento médico gratuito, a Operação Sorriso forma profissionais médicos locais nos seus 26 países parceiros e deixa equipamento crucial para permitir o trabalho para auto-suficiência a longo prazo.



Timor-Leste marca o sexto aniversário com pompa e recordação - AsiaNewsNet, 22 Maio Actualizado

Líderes Timorenses juntaram-se sob segurança apertada para uma cerimónia emocional para celebrar seis anos da independência e recordar a longa e sangrenta luta do país pela libertação.

O palácio do governo estilo vivenda frente ao mar em Dili foi decorado com bandeiras internacionais – incluindo as dos antigos ocupantes Indonésia e Portugal – quando a bandeira vermelha e preta do país se ergueu sob um sol forte.

O Presidente José Ramos-Horta, que passou a revista à guarda de honra de cima de um jeep, apelou à paz e unidade no Estado problemático mais novo da Ásia enquanto tropas estrangeiras observavam do telhado do palácio.

"Neste dia da independência temos de manter a paz na nossa nação, combater a pobreza e proteger a unidade nacional. Esta é uma obrigação de toda a gente," disse no discurso.

As comemorações ocorreram apenas três meses depois de Ramos-Horta ter sido baleado e ferido num ataque por amotinados em 11 de Fevereiro, que também visou o Primeiro-Ministro Xanana Gusmão.

Os amotinados responsáveis pelo ataque renderam-se no mês passado mas receios dum regresso da instabilidade estão a assombrar o Dia da Independência.

"O que aconteceu em 11 de Fevereiro mostrou que as instituições do Estado na nossa nação estão ainda frágeis. Mas esta cerimónia mostra ainda que nos últimos seis anos alcançámos bastante," disse o presidente.
Crianças cantaram um hino e os líderes do país principalmente Católico honraram mais de 1,500 veteranos da luta da independência contra a Indonésia como parte das festividades.

Timor-Leste, uma antiga colónia Portuguesa, foi invadida pela Indonésia de Suharto em 1975. Cerca de 200,000 Timorenses morreram em resultado do conflito e de doenças que se podiam prevenir nas duas e meia décadas seguintes.

O país votou pela independência num referendo apoiado pela ONU em 1999 mas foi devastado por milícias pró-Indonésias por altura da votação.

Ganhou finalmente a independência formal em 2002, mas foi lançado na instabilidade outra vez pela deserção em massa de 600 soldados em 2006, que desencadeou violência de rua entre facções rivais que mataram pelo menos 37.

Essa rebelião chegou ao fim depois da morta do líder amotinado Alfredo Reinado no ataque em casa de Ramos-Horta em Fevereiro e a rendição dos seus seguidores no mês passado.

Mas analistas dizem que permanecem as sementes de mais instabilidade no país empobrecido de um milhão, e as tensões políticas viam-se mesmo quando os líderes do país faziam discursos da independência.

O Primeiro-Ministro Gusmão conspicuosamente recusou apertar a mão do líder da oposição e ex-primeiro-ministro Mari Alkatiri, da Fretilin.
Um novo governo liderado por Gusmão tomou posse em Agosto de 2007 no meio de protestos do partido de Alkatiri, que ganhou o maior número de votos nas eleições de Junho mas não uma maioria para governar.

O partido de Gusmão comanda 37 lugares no parlamento de 65 lugares, mas a Fretilin insistiu que devia ter sido convidada a governar, desencadeando violência esporádica na jovem nação.

Ado Amaral, um agricultor de 45 anos que desceu dos montes de fora de Dili para ver as festividades, disse estar contente por o evento ter passado sem problemas.

"Estou muito feliz porque tudo correu bem. Não houve provocações entre as pessoas, nem distúrbios," disse ele.
"Foi melhor do que noutros anos. Acho difícil pensar em 2006 mas agora vejo que tudo vai bem."


**
UNMIT Revista Diária dos Media - 27 Maio 2008

(Relatos de notícias internacionais e extractos de media nacionais. A UNMIT não garante a correcção destes relatos)


Caso de 11 de Fevereiro : investigadores encontram mais 6 suspeitos – Timor Post

Seis amotinados que tinham negado que estivessem envolvidos no caso de 11 de Fevereiro devem agora aceitar os resultados da nova investigação ao incidente que serão apresentados no tribunal.

A nova investigação mostra que estiveram envolvidos nos ataques contra o Presidente José Ramos-Horta e Primeiro-Ministro Xanana Gusmão. O Departamento Nacional de Investigação (NID) identificou os seis amotinados como tendo estado directamente envolvidos pelo incidente.

Contudo, os seis amotinados negam ter estado envolvidos nos ataques de 11 de Fevereiro, dizendo que estiveram apenas envolvidos no caso de Fatuahi em 23 de Maio, 2006.

O Comandante Geral do NID, Nuno R. Gomes disse que apresentou a informação ontem à tarde (26/5) ao Ministério Público como parte da audiência no tribunal no caso.

“Fizemos a investigação prévia com o Ministério Público sobre as suas declarações que estiveram apenas envolvidos no caso de Fatuahi. Mas a última investigação identificou que estiveram envolvidos no atentado de 11 Fevereiro,” disse o Sr. Gomes na Segunda-feira (26/5).


Fretilin-PUN: Não há relatório de auditoria, o Governo tenta esconder a corrupção – Timor Post e Diario Nacional

Membros do Parlamento Nacional pedem que o Governo da Aliança da Maioria no Parlamento (AMP) liberte imediatamente um relatório de auditoria.

Os deputados disseram que o relatório é muito importante para eles construírem um orçamento para a implementação do programa do Governo.

A Chefe da bancada do PUN Fernanda Borges disse que até agora, o Parlamento Nacional não recebeu nenhum relatório de auditoria do orçamente que foi executado.

“Pedimos que o Governo nos envie imediatamente o relatório. Queremos saber se o orçamento foi executado correctamente ou não, e se há algum sinal de corrupção que tenha sido identificado ou não,” disse a Srª. Borges.

O antigo Primeiro-Ministro e deputado da Fretilin Estanislau da Silva disse que se o Governo não entregar o relatório de auditoria ao Parlamento Nacional isso indica que o corrente Governo não é transparente e que está a tentar esconder casos de corrupção.

“Isto mostra claramente que o Governo não é transparente. Eles dizem que a Fretilin é corrupta, mas eles são os piores,” disse o Sr. Estanislau.

O deputado do CNRT Adérito Hugo disse que cada relatório financeiro é enviado tarde ao Parlamento Nacional porque tem que ter anexado os resultados da auditoria. O relatório da auditoria, que foi criado pelos consultores internacionais contratados pelo Governo, cobrirá também o relatório financeiro do governo anterior.


Perdão para Rogério: o Ministro da Justiça continua à espera da decisão de Horta – Suara Timor Lorosa'e

Mesmo apesar da Ministra da Justiça ter feito recomendações ao PR Ramos-Horta sobre a redução de penas dos presos, incluindo a do antigo Ministro do Interior Rogério Lobato, nnão foi recebida nenhuma decisão final do presidente.

“Ainda não vi nem recebi nenhum relatório por que isto é uma decisão do presidente. Se isso for publicado no Jornal da Republica, então será considerado uma lei,” disse o Ministro Lobato na Segunda-feira (26/5) em Vila Verde, Dili.

A Ministra Lobato recomendou ao PR Horta a redução de três meses na pena de Rogério de 7 anos e meio.


Os deslocados do Campo do Jardim Colmera descontentes com o processo de pagamento – Suara Timor Lorosa’e e Diario Nacional

Os deslocados do Campo do Jardim Colmera descontentes com o processo de pagamento das doações para recuperação do Governo porque os fundos não foram ainda transferidos para os deslocados através da Autoridade de Pagamentos Bancários (BPA).

O Coordenador do Campo de Jardim Colmera, Leopoldino Pinto disse que todos os deslocados no campo querem voltar a casa mas até agora o Governo não transferiu o dinheiro para o Banco.

“Pedimos ao Governo para não fazer promessas que estão a confundir,” disse o Sr. Pinto na Segunda-feira (26/5).

Manuel Ximenes, um deslocado de Baucau, disse que o Governo tem de dar dinheiro aos deslocados dado que eles têm direito a isso.

“Viemos aqui para obter os nossos direitos. Não nos mintam, já sofremos bastante,” disse o Sr. Ximenes.

Deputada do CNRT aria de Camara ‘Bisoi’ pediu ao Governo para melhorar imediatamente as condições de vida dos deslocados, dado que ela não quer que o povo sofra na independência.

Ela sugeriu também que o Governo crie acções que promovam a paz na sociedade e relações harmoniosas na comunidade para o regresso dos deslocados às suas casas.


Perdão aos presos: Parlamento está à espera das recomendações do Governo – Diario Nacional

A líder da bancada do PUN Fernanda Borges pede que o Governo envie imediatamente as recomendações que deu ao Presidente José Ramos-Horta sobre o perdão aos presos.

A Srª Borges disse que a constituição dá ao presidente a autoridade para perdoar presos, mas que ele tem também de considerar as recomendações do Governo.

“O que é que tem sido dito nas recomendações e que justificação deram eles (Governo) sobre os perdões?

Não é suficiente dizer que se deu um perdão a um preso porque ele/ele teve bom comportamento e atitude,” disse a Srª Borges na Segunda-feira (26/5)

A Srª Borges questiona também se a autoridade constitucional do presidente está a ser exercida dum modo legalmente correcto.

“O Presidente tem autoridade mas deve usá-la responsavelmente, não usá-la sem qualquer consulta,” acrescentou ela.


Re-habilitação do Cristo Rei: UNMIT apoia US$20,000 – Diario Nacional

A Missão Integrada da ONU em Timor-Leste (UNMIT) deu US$20,000 ao Secretário de Estado do Ambiente para re-habilitar o Cristo Rei.

O secretário de Estado do Ambiente Abílio Lima saudou o Representante Especial do Secretário-Geral para Timor-Leste Atul Khare e os seus empregados que mostram o seu compromisso em apoiar o Governo de Timor-Leste.

O Sr. Lima disse que a Missão da ONU em Timor-Leste quer dar a sua solidariedade aos Timorenses para proteger o lindo ambiente do país.

A porta-voz da UNMITAllison Cooper disse que os fundos da re-habilitação vêm de doações do pessoal da ONU a servir no país.

A Srª Cooper adisse que a limpeza e a re-habilitação são actividades voluntárias do pessoal da ONU para apoiar a nação.


Ramos-Horta de Timor diz que subsídios a quintas ajudará à segurança alimentar – Bloomberg, 26 Maio

O Presidente de Timor-Leste José Ramos-Horta disse que o seu país deve usar subsídios para reforçar a agricultura e proteger a sua segurança alimentar face aos aumentos dos custos das importações.

Timor-Leste a nação mais pobre e menos desenvolvida da Ásia, pode ser ‘na maioria auto-suficiente dentro de cinco anos, disse Ramos-Horta, de 58 anos, numa entrevista em Singapura hoje. Cerca de dois terços do arroz consumido no país é comprado no Vietname e Tailândia.

Não se pode contar com comida mais barata do além-mar porque os preços dos combustíveis estão a subir os preços dos transportes e os maiores países produtores de arroz, como a China e a Índia, precisarão de mais para alimentar o seu próprio povo, deixando menos para a exportação, disse Ramos-Horta.

“A segurança alimentar deve ser a prioridade número 1 para nós,'' disse ele.

“Para a nossa própria segurança alimentar, a nossa sobrevivência, a nossa independência, devemos gastar mais dinheiro – incluindo subsídios aos nossos agricultores – para produzir mais.''

O laureado do Nobel, que serviu como primeiro-ministro de 2006 até tomar posse como presidente o ano passado, foi baleado e quase morto num ataque de amotinados em 11 de Fevereiro.

“Quando era primeiro-ministro disse que ia subsidiar o nosso sector da agricultura,'' disse ele.

“Temos de o fazer. Isso tornar-nos-à independentes, e eventualmente será mais barato.''

Ramos-Horta disse que usar subsídios para proteger agricultores e encorajar a produção agrícola doméstica pode irritar agências financeiras multilaterais, como o Banco Mundial ou o Fundo Monetário Internacional , que defendem o comércio livre como sendo um mecanismo para baixar os custos dos alimentos.

“Se fizermos o oposto do que eles dizem, penso que isso será o acertado,'' disse ele.

Impulso à Importação

O custo do arroz importado mais do que duplicou este ano dado que países como Vietname e China baixaram as vendas além-mar para proteger os abastecimentos domésticos. Os Governos pelo mundo podem gastar um record de $1.035 triliões na importação de alimentos em 2008 por causa de preços mais altos de bens e da escalada nos custos do transporte, disse num relatório na semana passada a Organização da Agricultura e Alimentação da ONU.

Em Timor-Leste, que recebe cerca de $100 milhões por mês das suas reservas do petróleo, estão a ser oferecidos incentivos aos agricultores para estenderem as produções e está-se a construir novas estradas e pontes para levar os alimentos com maior rapidez aos consumidores.

O governo está a considerar construir armazéns para armazenar alimentos em áreas estratégicas à volta do país para emergências para assistir ‘pessoas vulneráveis’,'' disse Ramos-Horta. Cerca de 40 por cento do milhão de habitantes do país vive com $1 ou menos por dia.

Questão de Decência

Assegurar a disponibilidade de alimentos a que as pessoas possam pagar é ``uma questão de decência e moralidade para os pobres, mas também uma questão de estabilidade e segurança,'' disse Ramos-Horta. Os efeitos da inflação dos preços que induz na pobreza ``atrasarão esforços de desenvolvimento nos países em vias de desenvolvimento de pelo menos 10 anos,'' disse ele.

Os preços dos alimentos podem ter escalado mais em Timor-Leste se o governo não tivesse aumentado as importações de arroz, milho e batatas para aumentar o abastecimento local, disse o presidente.

“Com a mudança climática, mais industrialização e o desenvolvimento de países como a Índia e a China, haverá menos e menos terra disponível para a agricultura,'' disse Ramos-Horta.

“Temos de nos tornar rapidamente completamente independentes nos alimentos.''

Timor-Leste, foi estabelecido em Maio de 2002, acabando 24 anos de controlo Indonésio e três anos de administração da ONU.


Austrália coopera no ataque a Ramos-Horta – The Age, 26 Maio

A Austrália está a dar toda a assistência possível às autoridades Timorenses investigando os ataques dos motinados aos líderes da nação, foi dito num comité do Senado. o presidente de Timor-Leste José Ramos-Horta, gravemente ferido nos ataques de Fevereiro, criticou a Polícia Federal Australiana (AFP) por não cooperar totalmente com o inquérito no seu país.

Em questão está a conta bancária em Darwin do líder amotinado Alfredo Reinado, morto pelas tropas depois do ataque, um grande número de telefonemas que ele fez para a Austrália e afirmações de que alguns indivíduos fugiram para a Austrália depois dos ataques ao Dr Ramos-Horta e Primeiro-Ministro Xanana Gusmão em 11 de Fevereiro.

O Comissário da AFP Mick Keelty declinou dizer ao comité do Senado de assuntos constitucionais e legais se a polícia tinha investigado a conta bancária, dizendo que isso era uma matéria operacional.

Nem pode ele comentar sobre sugestões que alguns indivíduos tinham fugido para a Austrália depois das tentativas de assassínio.

"Basta dizer que estamos a dar às autoridades Timorenses, Procurador-Geral e polícia Timorense e ONU a nossa maior cooperação e assistência onde podemos," disse ele.

A conta de Reinado em Darwin, conjunta com a mulher Australiana Angelita Pires, segundo notícias contem mais de $800,000.

O Sr Keelty disse que não tinha falado com o Dr Ramos-Horta acerca desta questão.

A AFP tinha dado assistência substancial ao presidente em termos da sua própria protecção pessoal quando esteve hospitalizado na Austrália.

"Tanto quanto sei as relações entre a AFP e o Presidente Ramos-Horta são muito positivas," disse ele.

"Estamos a dar recursos à missão da ONU em Timor-Leste.

"Antes do tiroteio, em Dezembro do ano passado, tive discussões muito positivas com o Presidente Ramos-Horta acerca do desenvolvimento da polícia em Timor-Leste e isso vai agora ocorrer através de anúncios orçamentais."


Angola: Secretário-Geral da Fretilin no País – Angola Press, 26 Maio

O secretário-geral da Fretilin de Timor-Leste, Mári Alkatiri chegou no Domingo à noite ao país sob os auspícios das relações bilaterais existentes entre esse partido e o partido no governo em Angola, o MPLA.

Mári Alkatiri não falou à imprensa na chegada, mas prometeu fazê-lo no final da visita de quatro dias.

De acordo com o secretário dos negócios estrangeiros do MPLA, Paulo Teixeira Jorge, que estava no aeroporto internacional de Luanda "4 de Fevereiro" para dar as boas vindas ao político Timorense, a FRETILIN expressou interesse em visitar Angola para desenvolver análise objectiva da situação corrente em Timor-Leste, depois dos eventos dramáticos que ocorreram.

O director do departamento dos negócios estrangeiros, Nelo Rua estava com Paulo Jorge no aeroporto.


UNMIT MONITORIZAÇÃO DOS MEDIA

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.