sábado, maio 17, 2008

St Xanana's halo, and power, slipping

The Australian - May 17, 2008
Paul Toohey

Xanana Gusmao, his Australian wife Kirsty and their kids haven't been back to their home in the hills overlooking the East Timorese capital, Dili, since the morning of February 11, when his prime ministerial convoy was ambushed by a group of rebels. The family will never return to that home.

They have been living in a well-protected, Western-style compound near Dili's airport while Gusmao's new residence - a double-walled, steel-reinforced waterfront fortress near the Hotel Turismo - is completed.

Gusmao, 62, was security-conscious long before the ambush. He has been on high alert for more than two years, unable to move with ease among his people.

Things have changed much for Kay Rala Xanana Gusmao, once regarded as a god-like figure for his resistance to Indonesian rule. He has been stoned by youths, ambushed, abused and accused of being pro-Indonesian and of running a corrupted, incompetent government.

The halo has slipped and Gusmao is fighting - and, for his many supporters, not hard enough - to retain his authority. Once seen as the only possible legitimate leader of his country, all that is being stripped away. Gusmao looks - or is being made to look - like any other leader, routinely accused of arrogance and indecisiveness.

Long-time Timor watcher Mark Aarons says the powerful symbolism of Gusmao's freedom-fighting days in the mountains, and of him "sitting there like Mandela in his prison cell", have faded. "Part of that is he isn't a good bureaucrat or administrator, which is 90 per cent of what makes a prime minister," he says.

Some claims against Gusmao tend towards the extraordinary. Fretilin leader Mari Alkatiri has said he was never ambushed by rebels in February - that the whole thing was a stunt.

Other allegations arrive from mystery sources in your inbox. One is that Gusmao, when he led Falintil, the anti-Indonesian guerilla force, co-operated with the Indonesian military to "neutralise" more radical members of his own resistance. There is a heavy campaign afoot to bring Gusmao down. Justified or not, it appears to be having an effect.

In 2001, Gusmao was able to wander in an ecstatic 15,000-strong crowd in the lead-up to the Constituent Assembly vote, without visible security. He had a film camera around his neck and I counted that he'd taken more than 36 shots, suggesting the camera was empty.

The idea he was trying to convey was that it was the people, not him, who were important. They loved him then. Everyone wanted a piece of him. Most of all, they wanted Gusmao to be their prime minister but he, claiming that for the sake of national unity he wanted to be aligned to no party, opted for the less powerful position of president, which he duly became in 2002.

Commentators say that was his first big mistake: that he should have formed his own political party - or maybe joined the major party, Fretilin, and cracked the country into shape as prime minister.

He now stands accused, incredibly, of not giving enough of himself, despite running a 17-year insurrection and spending seven years in a Jakarta prison.

By standing back as the symbolic president, he allowed Fretilin to rule under Alkatiri as prime minister. That all fell apart in 2006, when the country was close to civil war. It was divided along east-west lines, and Gusmao told Alkatiri to stand aside. Timor was more or less in caretaker mode until last year's general election, when Gusmao finally decided to run for prime minister.

Gusmao formed a party, the Council for National Reconstruction of Timor, but didn't get it together until the last minute. Perhaps he thought the old magic would carry him past the post.

It didn't. His CNRT only got about 22 per cent of the vote and Fretilin - the "people's party" - got just under 30 per cent.

This meant Gusmao needed to form a coalition in order to govern. In recent months, his ruling Parliamentary Majority Alliance, or AMP, has been looking shaky.

Gusmao has tried to buy loyalty by appointing an incredible 47 ministers, vice-ministers or junior ministers in his tiny Government. But in doing so he has spread power too broadly.

His own coalition members and Fretilin have complained his ministers are either corrupt or former Indonesian "collaborators". On the corruption point, there's a lot of smoke but it is difficult to say. The lively Timorese media are heavy with gossip and innuendo - but they can report whatever they like. They're so broke, there's no point suing them. On Indonesian collaboration, it is certainly true. But so many East Timorese have collaborated, associated, or survived on the basis of Indonesian connections. Gusmao has disappointed many by refusing to condemn former militia leaders or massacre-leading Indonesian army commanders. Instead, he has often been seen embracing them.

Gusmao and the President, Jose Ramos Horta, seem prepared to forgive the crimes of corrupt exiled senior ministers, gun-toting rebels, militia leaders or Indonesian army generals in the interests of moving on with life. Ordinary criminals in Dili's prison must wish their crimes were as political.

It's all very well, if, like Gusmao, you've lived by the gun and known the satisfaction of engaging your enemy. But ordinary Timorese are confused.

Gusmao took a big delegation to Jakarta a fortnight ago and returned to Dili with the news that the army and police would train with their Indonesian counterparts.

The wisdom of these arrangements is questionable with so many Timorese still feeling the pain of the long Indonesian occupation and, particularly, the savage events of 1999.

Now, a former associate of Indonesian generals, businessman Tommy Winata, is rumoured to be looking around Dili to build a casino, with Gusmao's blessing. That is likely to test the mood of the powerful Catholic Church.

Ramos Horta recently described to me how Gusmao had once been "the unquestionable leader. Even the Timorese media, who always criticise everyone, were very lenient on him.

"I remember when John Paul II died we all went to mass in the cathedral. Xanana didn't show up. When I asked him, he said he forgot.

"The media didn't say anything. If we hadn't shown up, if poor Mari Alkatiri had not have shown up, we would have been savaged in the media.

"Today the situation ... is very different.

"Xanana has to do a lot to recover his authority."

Gusmao's AMP coalition holds 35 seats in the 65-seat parliament, though Fretilin, with 21 seats (in reality, 23 seats, as one minor party always votes with it), is breathing down the AMP's neck.

Three weeks ago the first cracks appeared when AMP coalition member ASDT, the Timorese Social Democratic Association, which holds five seats, announced it was aligning with Fretilin. The ASDT then changed its mind and said it was staying in the AMP, but it showed how fragile Gusmao's coalition is.

This week, the veterans' party - which holds two seats - very publicly announced for Gusmao's benefit it would join the AMP coalition. It was meaningless, because the two veterans always voted with the Government anyway. But it showed Gusmao had finally recognised he had a problem.

Timor watcher Aarons says Gusmao was diffident for too long on whether he wanted to take executive power. In standing back, Gusmao allowed returning exiles from Mozambique, Australia and Portugal to take control in the name of Fretilin - and that was costing him now.

Fretilin says it will do nothing to further inflame the country but is nevertheless working hard to end Gusmao's reign by courting minor parties. Elections are not due till 2012 but it wants early elections, next year, and has the support of Ramos Horta. Gusmao is strongly opposed. Despite their apparent public togetherness, the two leaders are not close. Gusmao took more than a month to get to Darwin to visit Ramos Horta after he'd been shot.

Some point to a precise moment when Gusmao lost his freedom of movement among his people. It was March 23, 2006, after almost 600 soldiers born in the west of the country abandoned their barracks claiming they were overlooked for promotion in the army, which was commanded by veterans of the resistance, who were more than likely born and raised in the east.

Gusmao gave a speech in which he asked whether the army would now be made up of only easterners with no westerners, because they were "all militia's children". It was supposed to be ironic, but East Timor doesn't do irony well and he offended both sides.

Many argue the comments legitimised the east-west divide and led to the ensuing chaos.

"I don't think he has understood the degree to which his standing has been diminished," says Aarons. Asked whether he could recover his position, Aarons says: "The signs aren't promising. He has not put together an effective administration and the only way he can recover his standing is for there to be improvements in people's daily lives, and that just doesn't seem to be happening yet."

###

Tradução:

A auréola e o poder de São Xanana, a decair

The Australian - Maio 17, 2008

Paul Toohey

Xanana Gusmão, a sua mulher Australiana e os seus filhos não regressaram à sua casa nos montes sobre a capital Timorense, Dili, desde a manhã de 11 de Fevereiro, quando a sua caravana de primeiro-ministro foi emboscada por um grupo de amotinados. A família nunca mais regressará aquela casa.

Têm estado a viver num complexo bem protegido, de estilo Ocidental perto do aeroporto de Dili enquanto a nova residência de Gusmão – uma fortaleza com paredes duplas, de aço reforçado frente ao mar perto do Hotel Turismo – não estiver terminada.

Gusmão, de 62 anos, estava preocupado com a segurança muito antes da emboscada. Ele tem estado em alerta alta há mais de dois anos, incapaz de se movimentar com facilidade entre o seu povo.

As coisas mudaram muito para Kay Rala Xanana Gusmão, em outro tempo visto como uma figura de deus pela sua resistência à governação Indonésia. Ele tem sido apedrejado por jovens, emboscado, abusado e acusado de ser pró-Indonésio e de dirigir um governo corrupto, incompetente.

A auréola decaiu e Gusmão está a lutar - e, para muitos apoiantes, não o suficiente – para reter a sua autoridade. Noutro tempo visto como o único possível lider legítimo do seu país, tudo isso se está a esvaziar. Gusmão parece – ou está a ser feito parecer -como qualquer outro líder, acusado rotineiramente de arrogância e indecisão.

Mark Aarons, à muito tempo observador de Timor diz que o simbolismo poderoso dos dias de luta pela liberdade de Gusmão nas montanhas, e dele "sentado lá como Mandela na sua cela de prisão", murchou. "Parte disso é por não ser um bom burocrata ou administrador, o que em 90 por cento é o que faz um primeiro-ministro," diz ele.

Algumas queixas contra Gusmão tendem para o extraordinário. O líder da Fretilin Mari Alkatiri disse que ele nunca foi emboscado por amotinados em Fevereiro -que tudo aquilo foi um truque.

Outras alegações chegam de fontes misteriosas às inbox. Uma é que Gusmão, quando liderava a Falintil, a força de guerrilha anti-Indonésia, cooperou com as forças militares Indonésias para "neutralizar" membros da sua própria resistência mais radicais. Está em curso uma grande campanha para derrubar Gusmão. Justificada ou não, parece que está a ter efeito.

Em 2001, Gusmão foi capaz de andar no meio duma multidão empolgada dumas 15,000 pessoas antes da votação para a Assembleia Constituinte sem segurança visível. Ele tinha uma câmara de filmar fotográfica pendurada ao pescoço e contei que ele tirou mais de 36 fotos, sugerindo que a câmara estava vazia.

A ideia que tentava passar era a de que as pessoas, não ele, é que eram importantes. Então, amavam-no. Toda a gente queria uma peça dele. A maioria deles, queriam que Gusmão fosse o seu primeiro-ministro mas ele, clamando que em nome da unidade nacional se queria manter fora de qualquer partido, optou pela posição menos poderosa de presidente, que a tempo se tornou em 2002.

Comentadores dizem que esse foi o seu primeiro grande erro: que ele devia ter formado o seu próprio partido político – ou talvez juntar-se a um partido grande, a Fretilin, e metido o país em forma, como primeiro-ministro.

Agora ele é acusado, incrivelmente, de não dar o suficiente de si próprio, apesar de ter conduzido uma insurreição de 17 anos e ter passado sete anos numa prisão em Jacarta.

Ao manter-se recuado como presidente simbólico, ele permitiu que a Fretilin governasse sob Alkatiri como primeiro-ministro. Tudo isso acabou em 2006, quando o país esteve perto duma guerra civil. Foi dividido ao longo de linhas este-oeste, e Gusmão disse a Alkatiri para sair. Timor ficou mais ou menos em modo de gestão até às eleições gerais do ano passado, quando Gusmão decidiu finalmente concorrer a primeiro-ministro.

Gusmão formou um partido, o Conselho para a Reconstrução Nacional de Timor, mas só o juntou no último minuto. Pensou que talvez a velha magia o levasse ao posto.

Isso não aconteceu. O seu CNRT apenas obteve cerca de 22 por cento dos votos e a Fretilin - o "partido do povo" – pouco menos de 30 por cento.

Isto significou que Gusmão precisou de formar uma coligação para governar. Nos últimos meses, a sua Aliança da Maioria Parlamentar do governo, ou AMP, tem parecido tremida.

Gusmão tem tentado comprar lealdade nomeando um incrível número de 47 ministros, vice-ministros ou Secretários de Estado no seu pequeno Governo. Mas fazendo isso ele espalhou o poder demasiadamente.

Membros da sua própria coligação e a Fretilin queixaram-se que os seus ministros são ou corruptos ou “colaboradores”Indonésios. Sobre o ponto da corrupção, há muito fumo mas é difícil dizer. Os animados media Timorenses estão cheios de boatos e insinuações – mas podem noticiar aquilo que quiserem. Estão tão falidos que não vale a pena processá-los. Sobre a colaboração Indonésia, é com certeza verdade. Mas tantos Timorenses colaboraram, associaram-se ou sobreviveram na base das conexões Indonésios. Gusmão desapontou muitos ao recusar condenar antigos líderes de milícia ou comandantes das forças armadas Indonésias que lideraram massacres. Em vez disso, foi visto muitas vezes a a abraçá-los.

Gusmão e o Presidente, José Ramos Horta, parecem preparados a perdoar os crimes de ministros corruptos exilados de topo, amotinados carregados de armas, líderes de milícias ou generais das forças armadas Indonésias em nome do interesse de avançar com a vida. Criminosos comuns na prisão de Dili devem desejar que os seus crimes fossem tão políticos.

Estava tudo muito bem se, como Gusmão, tivessem vivido pela lei da arma e conhecido a satisfação de engajar o inimigo. Mas os Timorenses comuns estão confusos.

Gusmão levou uma grande delegação a Jacarta quinze dias atrás e regressou a Dili com as notícias de que as forças armadas e a polícia iam formar-se com os seus contrapartes Indonésios.

É questionável o bom senso desses arranjos ainda com tantos Timorenses a sentirem a dor da longa ocupação Indonésia e, particularmente, os eventos selváticos de 1999.

Agora, há rumores dum antigo associado dos generais Indonésios, o homem de negócios Tommy Winata, andar à procura à volta de Dili para construir um casino, com a benção de Gusmão. É provável que isso teste o humor da poderosa Igreja Católica.

Ramos Horta recentemente descreveu-me como Gusmão tinha sido noutro tempo "o líder inquestionável. Mesmo os media Timorenses, que criticam sempre toda a gente, foi bastante comedido com ele.

"Lembro-me quando João Paulo II morreu e fomos todos à missa à catedral. Xanana não apareceu. Quando o questionei, ele disse que tinha esquecido.

"Os media nada disseram. Se não tivéssemos aparecido, se o pobre Mari Alkatiri não tivesse aparecido, os media tinham-nos massacrado.

"Hoje a situação ... é muito diferente.

"Xanana tem muito a fazer para recuperar a autoridade."

A coligação da AMP de Gusmão tem 35 lugares nos 65 do parlamento, apesar da Fretilin, com 21 lugares (na realidade, 23 lugares, dado que um partido pequeno vota sempre com ela), estar a partir o pescoço da AMP.

Há três semanas apareceu a primeira fenda quando um membro da coligação AMP, ASDT, a Associação Timorense Social Democrática, que tem cinco lugares, anunciou que ia alinhar com a Fretilin. Depois a ASDT mudou de ideia e disse que ficava na AMP, mas isso mostrou a fragilidade da coligação de Gusmão.

Esta semana, o partido dos veteranss – que tem dois lugares – anunciou publicamente que para beneficiar Gusmão se juntaria à coligação da AMP. Isso não tem sentido, porque os dois veteranos votaram sempre com o Governo de qualquer forma. Mas isso mostrou que Gusmão tinha finalmente reconhecido que tinha um problema.

Aaron o observador de Timor diz que Gusmão esteve indeciso durante demasiado tempo sobre se queria tomar o poder executivo. Ao manter-se recuado, Gusmão permitiu que os retornados exilados de Moçambique, Austrália e Portugal tomassem o controlo em nome da Fretilin – e está agora a pagar isso.

A Fretilin diz que nada fará para inflamar mais o país mas de qualquer modo está a trabalhar bastante para pôr fim ao reinado de Gusmão ao cortejar partidos mais pequenos. Não estão previstas eleições até 2012 mas quer eleições antecipadas, no próximo ano, e tem o apoio de Ramos Horta. Gusmão opõe-se fortemente. Apesar de aparentemente em público estarem juntos, os dois líderes não estão próximos. Gusmão demorou mais de um mês para ir a Darwin visitar Ramos Horta depois de ter sido baleado.

Alguns apontam um momento preciso quando Gusmão perdeu a sua liberdade de movimento entre o seu povo. Isso foi em 23 de Março de 2006, depois de quase 600 soldados nascidos no oeste do país abandonarem os seus quartéis queixando-se de que tinham sido ultrapassados na promoção nas forças armadas, que era comandada por veteranos da resistência, que mais do que provavelmente nasceram e cresceram no leste.

Gusmão fez um discurso onde perguntou se agora as forças armadas deviam ser constituídas apenas por gente do leste sem sente do oeste, porque eles eram "todos filhos de milícianos". Isso era suposto ser uma ironia, mas Timor-Leste não aceitou bem a ironia e ofendeu ambos os lados.

Muitos argumentam que os comentários legitimaram a divisão leste-oeste e levaram ao caos que se seguiu.

"Penso que ele não entendeu o grau em que diminuiu a sua posição," diz Aarons. Perguntado se podia recuperar a sua posição, Aarons diz: "Os sinais não são prometedores. Ele não juntou uma administração efectiva e a única maneira que pode recuperar a sua posição é se houver melhorias nas vidas do dia-a-dia das pessoas, e isso não parece estar ainda a acontecer."

###

9 comentários:

Margarida disse...

Tradução:
A auréola e o poder de São Xanana, a decair
The Australian - Maio 17, 2008
Paul Toohey

Xanana Gusmão, a sua mulher Australiana e os seus filhos não regressaram à sua casa nos montes sobre a capital Timorense, Dili, desde a manhã de 11 de Fevereiro, quando a sua caravana de primeiro-ministro foi emboscada por um grupo de amotinados. A família nunca mais regressará aquela casa.

Têm estado a viver num complexo bem protegido, de estilo Ocidental perto do aeroporto de Dili enquanto a nova residência de Gusmão – uma fortaleza com paredes duplas, de aço reforçado frente ao mar perto do Hotel Turismo – não estiver terminada.

Gusmão, de 62 anos, estava preocupado com a segurança muito antes da emboscada. Ele tem estado em alerta alta há mais de dois anos, incapaz de se movimentar com facilidade entre o seu povo.

As coisas mudaram muito para Kay Rala Xanana Gusmão, em outro tempo visto como uma figura de deus pela sua resistência à governação Indonésia. Ele tem sido apedrejado por jovens, emboscado, abusado e acusado de ser pró-Indonésio e de dirigir um governo corrupto, incompetente.

A auréola decaiu e Gusmão está a lutar - e, para muitos apoiantes, não o suficiente – para reter a sua autoridade. Noutro tempo visto como o único possível lider legítimo do seu país, tudo isso se está a esvaziar. Gusmão parece – ou está a ser feito parecer -como qualquer outro líder, acusado rotineiramente de arrogância e indecisão.

Mark Aarons, à muito tempo observador de Timor diz que o simbolismo poderoso dos dias de luta pela liberdade de Gusmão nas montanhas, e dele "sentado lá como Mandela na sua cela de prisão", murchou. "Parte disso é por não ser um bom burocrata ou administrador, o que em 90 por cento é o que faz um primeiro-ministro," diz ele.

Algumas queixas contra Gusmão tendem para o extraordinário. O líder da Fretilin Mari Alkatiri disse que ele nunca foi emboscado por amotinados em Fevereiro -que tudo aquilo foi um truque.

Outras alegações chegam de fontes misteriosas às inbox. Uma é que Gusmão, quando liderava a Falintil, a força de guerrilha anti-Indonésia, cooperou com as forças militares Indonésias para "neutralizar" membros da sua própria resistência mais radicais. Está em curso uma grande campanha para derrubar Gusmão. Justificada ou não, parece que está a ter efeito.

Em 2001, Gusmão foi capaz de andar no meio duma multidão empolgada dumas 15,000 pessoas antes da votação para a Assembleia Constituinte sem segurança visível. Ele tinha uma câmara de filmar fotográfica pendurada ao pescoço e contei que ele tirou mais de 36 fotos, sugerindo que a câmara estava vazia.

A ideia que tentava passar era a de que as pessoas, não ele, é que eram importantes. Então, amavam-no. Toda a gente queria uma peça dele. A maioria deles, queriam que Gusmão fosse o seu primeiro-ministro mas ele, clamando que em nome da unidade nacional se queria manter fora de qualquer partido, optou pela posição menos poderosa de presidente, que a tempo se tornou em 2002.

Comentadores dizem que esse foi o seu primeiro grande erro: que ele devia ter formado o seu próprio partido político – ou talvez juntar-se a um partido grande, a Fretilin, e metido o país em forma, como primeiro-ministro.

Agora ele é acusado, incrivelmente, de não dar o suficiente de si próprio, apesar de ter conduzido uma insurreição de 17 anos e ter passado sete anos numa prisão em Jacarta.

Ao manter-se recuado como presidente simbólico, ele permitiu que a Fretilin governasse sob Alkatiri como primeiro-ministro. Tudo isso acabou em 2006, quando o país esteve perto duma guerra civil. Foi dividido ao longo de linhas este-oeste, e Gusmão disse a Alkatiri para sair. Timor ficou mais ou menos em modo de gestão até às eleições gerais do ano passado, quando Gusmão decidiu finalmente concorrer a primeiro-ministro.

Gusmão formou um partido, o Conselho para a Reconstrução Nacional de Timor, mas só o juntou no último minuto. Pensou que talvez a velha magia o levasse ao posto.

Isso não aconteceu. O seu CNRT apenas obteve cerca de 22 por cento dos votos e a Fretilin - o "partido do povo" – pouco menos de 30 por cento.

Isto significou que Gusmão precisou de formar uma coligação para governar. Nos últimos meses, a sua Aliança da Maioria Parlamentar do governo, ou AMP, tem parecido tremida.

Gusmão tem tentado comprar lealdade nomeando um incrível número de 47 ministros, vice-ministros ou Secretários de Estado no seu pequeno Governo. Mas fazendo isso ele espalhou o poder demasiadamente.

Membros da sua própria coligação e a Fretilin queixaram-se que os seus ministros são ou corruptos ou “colaboradores”Indonésios. Sobre o ponto da corrupção, há muito fumo mas é difícil dizer. Os animados media Timorenses estão cheios de boatos e insinuações – mas podem noticiar aquilo que quiserem. Estão tão falidos que não vale a pena processá-los. Sobre a colaboração Indonésia, é com certeza verdade. Mas tantos Timorenses colaboraram, associaram-se ou sobreviveram na base das conexões Indonésios. Gusmão desapontou muitos ao recusar condenar antigos líderes de milícia ou comandantes das forças armadas Indonésias que lideraram massacres. Em vez disso, foi visto muitas vezes a a abraçá-los.

Gusmão e o Presidente, José Ramos Horta, parecem preparados a perdoar os crimes de ministros corruptos exilados de topo, amotinados carregados de armas, líderes de milícias ou generais das forças armadas Indonésias em nome do interesse de avançar com a vida. Criminosos comuns na prisão de Dili devem desejar que os seus crimes fossem tão políticos.

Estava tudo muito bem se, como Gusmão, tivessem vivido pela lei da arma e conhecido a satisfação de engajar o inimigo. Mas os Timorenses comuns estão confusos.

Gusmão levou uma grande delegação a Jacarta quinze dias atrás e regressou a Dili com as notícias de que as forças armadas e a polícia iam formar-se com os seus contrapartes Indonésios.

É questionável o bom senso desses arranjos ainda com tantos Timorenses a sentirem a dor da longa ocupação Indonésia e, particularmente, os eventos selváticos de 1999.

Agora, há rumores dum antigo associado dos generais Indonésios, o homem de negócios Tommy Winata, andar à procura à volta de Dili para construir um casino, com a benção de Gusmão. É provável que isso teste o humor da poderosa Igreja Católica.

Ramos Horta recentemente descreveu-me como Gusmão tinha sido noutro tempo "o líder inquestionável. Mesmo os media Timorenses, que criticam sempre toda a gente, foi bastante comedido com ele.

"Lembro-me quando João Paulo II morreu e fomos todos à missa à catedral. Xanana não apareceu. Quando o questionei, ele disse que tinha esquecido.

"Os media nada disseram. Se não tivéssemos aparecido, se o pobre Mari Alkatiri não tivesse aparecido, os media tinham-nos massacrado.

"Hoje a situação ... é muito diferente.

"Xanana tem muito a fazer para recuperar a autoridade."

A coligação da AMP de Gusmão tem 35 lugares nos 65 do parlamento, apesar da Fretilin, com 21 lugares (na realidade, 23 lugares, dado que um partido pequeno vota sempre com ela), estar a partir o pescoço da AMP.

Há três semanas apareceu a primeira fenda quando um membro da coligação AMP, ASDT, a Associação Timorense Social Democrática, que tem cinco lugares, anunciou que ia alinhar com a Fretilin. Depois a ASDT mudou de ideia e disse que ficava na AMP, mas isso mostrou a fragilidade da coligação de Gusmão.

Esta semana, o partido dos veteranss – que tem dois lugares – anunciou publicamente que para beneficiar Gusmão se juntaria à coligação da AMP. Isso não tem sentido, porque os dois veteranos votaram sempre com o Governo de qualquer forma. Mas isso mostrou que Gusmão tinha finalmente reconhecido que tinha um problema.

Aaron o observador de Timor diz que Gusmão esteve indeciso durante demasiado tempo sobre se queria tomar o poder executivo. Ao manter-se recuado, Gusmão permitiu que os retornados exilados de Moçambique, Austrália e Portugal tomassem o controlo em nome da Fretilin – e está agora a pagar isso.

A Fretilin diz que nada fará para inflamar mais o país mas de qualquer modo está a trabalhar bastante para pôr fim ao reinado de Gusmão ao cortejar partidos mais pequenos. Não estão previstas eleições até 2012 mas quer eleições antecipadas, no próximo ano, e tem o apoio de Ramos Horta. Gusmão opõe-se fortemente. Apesar de aparentemente em público estarem juntos, os dois líderes não estão próximos. Gusmão demorou mais de um mês para ir a Darwin visitar Ramos Horta depois de ter sido baleado.

Alguns apontam um momento preciso quando Gusmão perdeu a sua liberdade de movimento entre o seu povo. Isso foi em 23 de Março de 2006, depois de quase 600 soldados nascidos no oeste do país abandonarem os seus quartéis queixando-se de que tinham sido ultrapassados na promoção nas forças armadas, que era comandada por veteranos da resistência, que mais do que provavelmente nasceram e cresceram no leste.

Gusmão fez um discurso onde perguntou se agora as forças armadas deviam ser constituídas apenas por gente do leste sem sente do oeste, porque eles eram "todos filhos de milícianos". Isso era suposto ser uma ironia, mas Timor-Leste não aceitou bem a ironia e ofendeu ambos os lados.

Muitos argumentam que os comentários legitimaram a divisão leste-oeste e levaram ao caos que se seguiu.

"Penso que ele não entendeu o grau em que diminuiu a sua posição," diz Aarons. Perguntado se podia recuperar a sua posição, Aarons diz: "Os sinais não são prometedores. Ele não juntou uma administração efectiva e a única maneira que pode recuperar a sua posição é se houver melhorias nas vidas do dia-a-dia das pessoas, e isso não parece estar ainda a acontecer."

###

Anónimo disse...

Esta notícia denota um claro início de desgaste da imagem de Xanana junto da imprensa australiana, sendo igualmente denunciadora da manipulação australiana e da intervenção de Camberra nos assuntos internos de Timor. Antes Xanana prestava para deitar abaixo Alkatiri. Agora, é o próprio Xanana o visado de Camberra. E, tal como no Haiti nos anos 90, em que Aristides foi o homem contra os EUA e depois o homem dos EUA, daqui a uns tempos, Alkatiri será o preferido dos Aussies. Mas também não será por muito tempo. Pois o que interessa a Camberra é instalar o caos cíclico para perpetuar a sua presença militar no que consideram ser o seu porta-aviões avançado face à Indonésia e sobretudo à China: Timor Leste.
Ramos Horta, esse sim, é o verdadeiro homem dos australianos.Quererá alterar a Constituição, quererá ser presidente num sistema presidencialista. E com a ajuda da FRETILIN! Ramos Horta é tão "esperto" que até já está a preparar a sua sucessão, na figura do seu filho, Loro Horta. O rapaz sabiamente estudou na Austrália, fez um estágio em Pequim (esperto, não vão as cartas favorecer mesmo a China) e estuda em Singapura...

Anónimo disse...

JUST KEEP DREAMING ASS HOLE..

JUST FOR YOUR INFO : Xanana is the People.. and People is Xanana .Tq

Anónimo disse...

A imagem de Sr. Alexandre Gusmão, conhecido a todos como Xanana dos dias da resistência, está, inegavelmente, em baixo, errodida, por tudo o que tem estado a fazer desde há algum tempo no pós-independência. Se não fosse assim haveria a necessidade de construir uma casa duplamente emuralhada e reforçada com a protecção em aço no seu próprio país? Existisse alguma mínima confiança em Sr. Gusmão por parte do seu povo, teria ele a necessidade de se isolar e viver distanciado dele?
Sr. Gusmão não confia na justiça, nos tribunais e nos juízes do seu país para desta forma resolver o que ficou ainda por esclarecer e resolver a bom termo depois de 11 de Fevereiro? A construção de murros à volta da casa é simbólico de que começa a sua paranóia pelos erros cometidos, pois há sempre alguém que entrega a factura pelo o que não foi pago? Sr. Gusmão já renegou o seu país, está agora a renunciar do seu povo!

Tudo isto é indicador significativo de que o próprio Sr. Primeiro-Ministro reconhece que a sua estrela está a apagar-se irremediavelmente. O artigo é apenas uma pálida tentativa de reaviver a sua imagem.

h correia disse...

No tempo do "colonialismo", o Governador Aldeia morava em Lahane, numa casa isolada. O único edifício que ficava perto era o hospital.

Frequentemente, deslocava-se pelos quatro cantos de Timor, indo de kuda às aldeias mais remotas onde nunca um malai havia posto pé.

No entanto, ele não precisava de seguranças ou guarda-costas armados até aos dentes, como andam agora os "líderes" timorenses. Muito menos de morar num bunker fortificado como parece que vai acontecer com Xanana.

A razão é simples: naquele tempo o Governador dava-se ao respeito e era respeitado. Amava o povo e por este era amado. E, acima de tudo, havia paz entre os timorenses.

Talvez Xanana tivesse a humildade suficiente para reflectir um pouco e aprender algo com essa figura que eu homenageio, Fernando Alves Aldeia.

Talvez assim pudesse dormir descansado e morar em Balibar, sem guarda-costas.

Anónimo disse...

Será o Terra Santa Residence, que é mesmo para primeiros-ministros ou para quem ganha muito bem, como o Sr. da RTP. Uns previlegiados.

Anónimo disse...

Alo Dili

Other allegations arrive from mystery sources in your inbox. One is that Gusmao, when he led Falintil, the anti-Indonesian guerilla force, co-operated with the Indonesian military to "neutralise" more radical members of his own resistance.
NEUTRALIZAVA OS ELEMENTOS E MEMBROS RADICAIS DA FRETILIN COMO MAU HODO,SABALAI ETC.E TODOS QUE NAO ALINHAVA COM AS SUAS IDEIAS. A ONDA DE VIOLENCIA CRIADA EM 2006 EM DILI POR XANANA ERA ANTI-FRETILIN E DERRUBE DO GOVERNO.
VE-SE AGORA OS ATAQUES E PROPAGANDAS MAFIOSAS CONTRA O ROQUE RODRIGUES, ROGERIO LOBATO E ALKATIRI.ESTE O MESMO TRABALHO QUE TINHA FEITO O XANANA E O HORTA NO PASSADO PARA SEREM ELES OS SENHORES ADSOLUTOS DE TIMOR LESTE.

Adeus

de Aikurus

Anónimo disse...

Oque e que esses tres individuos fizeram para timor leste(rogerio,mari e roque?)nada... passam avida berfoia foia la fora assim como tu... vem dizem que eles sao o dono desta terra maldito diabo que os pariram... so querem e criticar os outros e dizer mal os outros... ve a tua cara no espelho...o que esta na tua costa nada ves... parvo

Anónimo disse...

Amigo Aikurus,

Voce tem toda a razao em dizer que o Horta e o Xanana querem ser os senhores absolutos em Timor.Infelizmente para os dois sonhadores, Timor produziu pessoas nao so mais inteligentes e capacitados mas tambem honestos e humildes aue hao-de levar Timor para muito longe. Quanto aos teus amigos Alkatiri e Roque,digo-te ja que nao sao melhores que o Xanana e o Horta. Tods eles sao uns famintos e gananciosos que nao se importam pelo povo. melhor seria para eles todos ceder o s lugares para o sangue novo.

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.