terça-feira, março 25, 2008

Increasing aid seen as answer to food crisis

Jonathan Pearlman Foreign Affairs Correspondent- March 25, 2008
The Sydney Morning Herald

SOARING food prices are threatening to destabilise countries in the region and have prompted the Federal Government to consider changes to its aid priorities.

A steep two-year rise in global food prices, which in Australia has triggered the Federal Government's inquiry into grocery prices, has taken a heavy toll on poorer populations, particularly in East Timor and Indonesia. Surging fuel prices, drought, changing diets and the use of arable land for biofuels have pushed average food prices up almost 40 per cent in the past year. Wheat prices have risen 80 per cent rise.

He Changchui, representative of the United Nations Food and Agricultural Organisation for Asia and the Pacific, said food shortages had reached a "critical stage" and were likely to worsen.
"These sharp increases in international prices have serious concerns for food security and for social instability," he said from Bangkok. "Those who are directly suffering are vulnerable groups, particularly in food-importing countries."

The UN agency's latest report on food supplies named Indonesia and East Timor as having severe food insecurity. Bad weather and locusts in East Timor had caused increases of rice imports at a time of "exceptionally high" global prices.

"Timor and Indonesia we should watch very closely," Dr He said. "For the Timorese, we still need to unlock their agricultural potential."

Climate change was causing enormous concern, he said.

The Parliamentary Secretary for International Development Assistance, Bob McMullan, said he was likely to back increased funding for food aid and research. "Everyone involved in humanitarian assistance will have to adapt," he said. "It is bad news for the poor and something we will have to deal with."

He said the Government was likely to increase its aid to the World Food Program, currently about $33 million a year, and consider additional support for agricultural research.

"In future years we will have to look at whether the spending [for food aid] is sufficient," he said.

"For the next decade or so the indicators are that the relative price of food will go up … It is not a crisis. We have the capacity to deal with it, but the more you spend on short-term humanitarian relief, the less you spend on long-term development assistance. It may involve some re-weighting of programs … The best thing we could do is to help people grow more food."

Australia's ambassador to the UN, Robert Hill, said the Government should increase its aid to the World Food Program as a first step in signalling its commitment to strengthening international co-operation.

"That is a simple way the Australian government could put more clout into multilateralism and achieve better outcomes on the ground," said Mr Hill, who visited Canberra last week.

Dr He agreed, noting food insecurity had caused social unrest in South America and Africa and could destabilise states in the Asia-Pacific.

Tradução:

Aumentar ajuda visto como resposta para crise alimentar

Jonathan Pearlman Correspondente de Assunros Estrangeiros- Março 25, 2008
The Sydney Morning Herald

Aumentos crescentes dos alimentos estão a ameaçar desestabilizar países na região e levaram o Governo Federal a considerar mudanças nas suas prioridades de ajuda.

Um aumento constante em dois anos no aumento global dos preços dos alimentos, que na Austrália desencadeou o inquérito do Governo Federal aos preços das mercearias, tem sido um peso pesado nas populações mais pobres, particularmente em Timor-Leste e Indonésia. Aumentos nos preços dos combustíveis, seca, mudanças nas dietas e o uso de terra arável para biocombustíveis empurraram a média dos preços dos alimentos em quase 40 por cento no ano passado. O preço do trigo teve um aumento de 80 por cento.

He Changchui, representante da Organização de Alimentação e Agricultura das Nações Unidas para a Ásia e Pacífico, disse que défices de alimentação atingiram um "estado crítico" e provavelmente piorariam.
"Estes aumentos agudos nos preços internacionais trazem preocupações graves para a segurança alimentar e para a instabilidade social," disse ele de Banguecoque. "Os que estão a sofrer directamente são grupos vulneráveis, particularmente em países importadores de alimentos."

O último relatório da agência da ONU sobre abastecimento de alimentação nomeou a Indonésia e Timor-Leste como tendo grave insegurança alimentar. Más condições atmosféricas e gafanhotos em Timor-Leste causaram o aumento da importação do arroz numa altura de preços globais "excepcionalmente altos".

"Devemos observar de muito perto Timor e a Indonésia," disse o Dr He . "Para os Timorenses, precisamos ainda de abrir o seu potencial agrícola."

As mudanças climáticas estão a causar uma enorme preocupação, disse.

O Secretário Parlamentar para a Assistência ao Desenvolvimento Internacional, Bob McMullan, disse que provavelmente iria apoiar o aumento do financiamento para ajuda alimentar e investigação. "Todos os envolvidos na assistência humanitária terão de se adaptar," disse. "São más notícias para os pobres e algo com que teremos de lidar."

Disse que o Governo provavelmente terá de aumentar a ajuda ao Programa Mundial de Alimentação, correntemente de cerca de $33 milhões por ano, e considerar apoio adicional para investigação agricola.

"Nos anos futuros teremos de ver se o gasto [para ajuda alimentar] é suficiente," disse.

"Para a próxima década ou à volta disso os indicadores mostram que o preço relativo da alimentação subirá … Isso não é uma crise. Temos a capacidade para lidar com isso, mas quanto mais se gastar em auxílio humanitário de curto prazo, menos se gasta em assistência ao desenvolvimento a longo prazo. Poderá envolver um re-balançar de programas … A coisa melhor que podemos fazer é ajudar as pessoas a cultivarem mais alimentos."

O embaixador da Austrália na ONU , Robert Hill, disse que o Governo deve aumentar a ajuda ao Programa de Alimentação Mundial como primeiro passo para sinalizar o seu compromisso para reforçar a cooperação internacional.

"Esta é uma maneira simples para o governo Australiano pôr mais peso no multi-lateralismo e alcançar melhores resultados no terreno," disse o Sr Hill, que visitou Canberra na semana passada.

O Dr He concordou, sublinhando que a insegurança alimentar tem causado desassossego social na América do Sul e em África e podia desestabilizar Estados na Ásia-Pacífico.

1 comentário:

Margarida disse...

Tradução:
Aumentar ajuda visto como resposta para crise alimentar
Jonathan Pearlman Correspondente de Assunros Estrangeiros- Março 25, 2008
The Sydney Morning Herald

Aumentos crescentes dos alimentos estão a ameaçar desestabilizar países na região e levaram o Governo Federal a considerar mudanças nas suas prioridades de ajuda.

Um aumento constante em dois anos no aumento global dos preços dos alimentos, que na Austrália desencadeou o inquérito do Governo Federal aos preços das mercearias, tem sido um peso pesado nas populações mais pobres, particularmente em Timor-Leste e Indonésia. Aumentos nos preços dos combustíveis, seca, mudanças nas dietas e o uso de terra arável para biocombustíveis empurraram a média dos preços dos alimentos em quase 40 por cento no ano passado. O preço do trigo teve um aumento de 80 por cento.

He Changchui, representante da Organização de Alimentação e Agricultura das Nações Unidas para a Ásia e Pacífico, disse que défices de alimentação atingiram um "estado crítico" e provavelmente piorariam.
"Estes aumentos agudos nos preços internacionais trazem preocupações graves para a segurança alimentar e para a instabilidade social," disse ele de Banguecoque. "Os que estão a sofrer directamente são grupos vulneráveis, particularmente em países importadores de alimentos."

O último relatório da agência da ONU sobre abastecimento de alimentação nomeou a Indonésia e Timor-Leste como tendo grave insegurança alimentar. Más condições atmosféricas e gafanhotos em Timor-Leste causaram o aumento da importação do arroz numa altura de preços globais "excepcionalmente altos".

"Devemos observar de muito perto Timor e a Indonésia," disse o Dr He . "Para os Timorenses, precisamos ainda de abrir o seu potencial agrícola."

As mudanças climáticas estão a causar uma enorme preocupação, disse.

O Secretário Parlamentar para a Assistência ao Desenvolvimento Internacional, Bob McMullan, disse que provavelmente iria apoiar o aumento do financiamento para ajuda alimentar e investigação. "Todos os envolvidos na assistência humanitária terão de se adaptar," disse. "São más notícias para os pobres e algo com que teremos de lidar."

Disse que o Governo provavelmente terá de aumentar a ajuda ao Programa Mundial de Alimentação, correntemente de cerca de $33 milhões por ano, e considerar apoio adicional para investigação agricola.

"Nos anos futuros teremos de ver se o gasto [para ajuda alimentar] é suficiente," disse.

"Para a próxima década ou à volta disso os indicadores mostram que o preço relativo da alimentação subirá … Isso não é uma crise. Temos a capacidade para lidar com isso, mas quanto mais se gastar em auxílio humanitário de curto prazo, menos se gasta em assistência ao desenvolvimento a longo prazo. Poderá envolver um re-balançar de programas … A coisa melhor que podemos fazer é ajudar as pessoas a cultivarem mais alimentos."

O embaixador da Austrália na ONU , Robert Hill, disse que o Governo deve aumentar a ajuda ao Programa de Alimentação Mundial como primeiro passo para sinalizar o seu compromisso para reforçar a cooperação internacional.

"Esta é uma maneira simples para o governo Australiano pôr mais peso no multi-lateralismo e alcançar melhores resultados no terreno," disse o Sr Hill, que visitou Canberra na semana passada.

O Dr He concordou, sublinhando que a insegurança alimentar tem causado desassossego social na América do Sul e em África e podia desestabilizar Estados na Ásia-Pacífico.

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.