domingo, março 23, 2008

Four E Timor rebels surrender to Gusmao

The Age
March 22, 2008 - 9:29PM

Four of the rebels believed to have been involved in attacks on East Timor's president and prime minister last month handed themselves in to authorities the mountain town of Maubisse in the country's centre.

Prime Minister Xanana Gusmao laughed and joked with the four rebels, whose names were not given, as they presented themselves to him at the government palace in Dili.

Gusmao thanked the four men for surrendering peacefully and told them they were looking fit and healthy.

"We all think that the way they've chosen is the best way ... we don't want suffering, we don't want to cause our mothers and fathers to suffer," he said.

The prime minister refused to confirm if the four - who are among 30 rebels the prosecutor general has issued arrest warrants for - were directly involved in the attacks on February 11 which left President Jose Ramos Horta wounded, and rebel leader Alfredo Reinado dead.

Dressed in army fatigues and carrying magazine rounds in their pockets, the rebels handed over weapons to the Prime Minster, the Prosecutor General and the leaders of the police and military.

The prime minister said one of the automatic weapons handed over was believed to be one of those stolen from the President's guards during the February attacks.

The four rebels joined Gusmao and his deputy Jose Luis Gutteres for tea and cake at government palace after the ceremony.

Gusmao said that it is better to try and resolve the problem with the remaining rebels through dialogue, not through violence.

"The state of Timor is like a family, and the state is looking to have dialogues to resolve the problem.

"The door is always open if the other [rebels] want to turn themselves in." Despite his plea for peaceful resolution, he expressed his confidence in the joint police and military operation, and said they would take "more action" after the Easter weekend to apprehend the remainder of the rebels who remain on the run.

Over 450 of East Timor's police and military are deployed in the country's western districts, with orders to capture not to kill the remaining rebels, including their leader Gastao Salsinha.

AAP

Tradução:

Quatro amotinados de Timor-Leste entregam-se a Gusmão

The Age
Março 22, 2008 - 9:29PM

Quatro dos amotinados que se pensa terem estado envolvidos nos ataques ao presidente e primeiro-ministro de Timor-Leste no mês passado entregaram-se às autoridades na cidade montanhosa de Maubisse no centro do país.

O Primeiro-Ministro Xanana Gusmão riu e brincou com os quatro amotinados, cujos nomes não foram dados, quando se apresentaram eles próprios a ele no palácio do governo em Dili.

Gusmão agradeceu aos quatro homens por se terem entregue pacificamente e disse que eles pareciam em forma e saudáveis.

"Todos pensamos que o caminho que escolheram é o melhor ... não queremos sofrimento, não queremos que os vossos pais e mães sofram," disse.

O primeiro-ministro recusou confirmar se os quatro – que estão entre os 30 amotinados para quem o procurador-geral emitiu mandatos de captura – estiveram directamente envolvidos nos ataques em 11 de Fevereiro que deixou o Presidente José Ramos Horta ferido, e o líder amotinado Alfredo Reinado morto.

Vestidos em uniformes das forças armadas e carregando munições nas algibeiras, os amotinados entregaram as armas ao Primeiro-Minstro, Procurador-Geral e líderes da polícia e dos militares.

O primeiro-ministro disse que uma das armas automáticas entregues acreditava ser uma das roubadas aos guardas do Presidente nos ataques de Fevereiro.

Os quatro amotinados juntaram-se a Gusmão e eo seu Vice José Luis Guterres para bolos e chá no palácio do governo depois da cerimónia.

Gusmão disse que é melhor tentar resolver o problema com os amotinados restantes através do diálogo, não através da violência.

"O Estado de Timor é como uma família e o Estado está a procurar o diálogo para resolver o problema.

"A porta está sempre aberta se outros [amotinados] se quiserem entregar." Apesar do seu apelo por resolução pacífica, expressou a sua confiança na operação conjunta da polícia e militares, e disse que tomaria "mais acção" depois do fim-de-semana de Páscoa para apreender os restantes amotinados em fuga.

Mais de 450 polícias e militares de Timor-Leste estão destacados nos distritos do oeste do país, com ordens para capturar, não para matar os restantes amotinados, incluindo o líder deles Gastão Salsinha.

AAP

2 comentários:

Margarida disse...

Tradução:
Quatro amotinados de Timor-Leste entregam-se a Gusmão
The Age
Março 22, 2008 - 9:29PM

Quatro dos amotinados que se pensa terem estado envolvidos nos ataques ao presidente e primeiro-ministro de Timor-Leste no mês passado entregaram-se às autoridades na cidade montanhosa de Maubisse no centro do país.

O Primeiro-Ministro Xanana Gusmão riu e brincou com os quatro amotinados, cujos nomes não foram dados, quando se apresentaram eles próprios a ele no palácio do governo em Dili.

Gusmão agradeceu aos quatro homens por se terem entregue pacificamente e disse que eles pareciam em forma e saudáveis.

"Todos pensamos que o caminho que escolheram é o melhor ... não queremos sofrimento, não queremos que os vossos pais e mães sofram," disse.

O primeiro-ministro recusou confirmar se os quatro – que estão entre os 30 amotinados para quem o procurador-geral emitiu mandatos de captura – estiveram directamente envolvidos nos ataques em 11 de Fevereiro que deixou o Presidente José Ramos Horta ferido, e o líder amotinado Alfredo Reinado morto.

Vestidos em uniformes das forças armadas e carregando munições nas algibeiras, os amotinados entregaram as armas ao Primeiro-Minstro, Procurador-Geral e líderes da polícia e dos militares.

O primeiro-ministro disse que uma das armas automáticas entregues acreditava ser uma das roubadas aos guardas do Presidente nos ataques de Fevereiro.

Os quatro amotinados juntaram-se a Gusmão e eo seu Vice José Luis Guterres para bolos e chá no palácio do governo depois da cerimónia.

Gusmão disse que é melhor tentar resolver o problema com os amotinados restantes através do diálogo, não através da violência.

"O Estado de Timor é como uma família e o Estado está a procurar o diálogo para resolver o problema.

"A porta está sempre aberta se outros [amotinados] se quiserem entregar." Apesar do seu apelo por resolução pacífica, expressou a sua confiança na operação conjunta da polícia e militares, e disse que tomaria "mais acção" depois do fim-de-semana de Páscoa para apreender os restantes amotinados em fuga.

Mais de 450 polícias e militares de Timor-Leste estão destacados nos distritos do oeste do país, com ordens para capturar, não para matar os restantes amotinados, incluindo o líder deles Gastão Salsinha.

AAP

Anónimo disse...

"Prime Minister Xanana Gusmao laughed and joked with the four rebels, whose names were not given, as they presented themselves to him at the government palace in Dili."


What a pathetic prime minister Laughed and joked with rebels that carried out assassination attempt on the head of state.
what @#%%^% joke!!! stupidity has its own limits, this man has gone beyond that!!

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.