terça-feira, fevereiro 19, 2008

East Timor: Official “assassination” claims collapse

World Socialist Web Site
http://www.wsws.org/

By Mike Head
19 February 2008

After just one week, the official version of the February 11 events in East Timor—that army rebel Alfredo Reinado, attempted a “coup” and “double assassination” against President Jose Ramos-Horta and Prime Minister Xanana Gusmao—is in tatters.

As Australian journalist Paul Toohey noted last Saturday, “virtually no one in East Timor believes it [the assassination plot]”.

While much remains unclear, one thing is certain. The alleged plot has been exploited to bolster the hand of two players: Gusmao and his unstable coalition government, and the Australian government of Prime Minister Kevin Rudd.

Rudd flew into East Timor last Friday and immediately declared that Australian troops would remain there indefinitely. The night before, Rudd told the Australian Broadcasting Corporation’s “Lateline” program that the events in East Timor were “murky” and his visit would help the Australian government ascertain the facts.

Rudd’s brief stopover was no fact-finding mission, however. It was a show of force. After a perfunctory meeting with Gusmao, Rudd convened a media conference and vowed to stand “shoulder-to-shoulder” with Gusmao’s government. Flanked by Australian Defence Force chief Angus Houston and Australian Federal Police chief Bill Keelty, he denounced “this brutal and violent assault on the democratically elected leaders of this wonderful country”.

Rudd spent most of his four-hour visit being photographed with Australian soldiers and police. He said they would stay for as long as the Timorese government requested, repeatedly claiming that this would be at the invitation of the “democratically elected” Dili government. It is clear, however, that the events have been used to prop up Gusmao government’s and reinforce its political and security dependence on Canberra.

Australian soldiers took control of sections of Dili and nearby towns, patrolling in armoured vehicles, setting up roadblocks, searching vehicles and enforcing a nighttime curfew. Gusmao then extended a declared state of emergency for another 10 days until February 23. Apart from imposing an 8 p.m. to 6 a.m. curfew, the declaration bans demonstrations and gatherings, and expands police powers.

In a particularly sinister move, about 80 SAS commandos were among the 340 Australian military and police personnel dispatched to East Timor last Tuesday (counting the crew of a naval warship, the HMAS Perth)—taking the total Australian security contingent to more than 1,100. The SAS units have been sent into East Timor’s mountains to hunt down Renaido’s surviving supporters, several of whom have alleged that Reinado was “set-up” and killed by East Timorese soldiers outside Horta’s house. According to media reports, the SAS has been authorised, at Gusmao’s request, to use lethal force.

Reinado killed after deal with Ramos-Horta

For all the official and media hype about “assassination” plots, the fact is that both men who were actually targeted—Reinado and Ramos-Horta—had struck a peace deal just four weeks earlier. It has been established that Reinado was killed at Ramos-Horta’s villa well before the president came under fire, and at least 90 minutes before Gusmao’s vehicle was allegedly shot at by unknown assailants, some 10 kilometres away.

An anonymous friend of Ramos-Horta’s told the Associated Press that a gun battle raged for around 30 minutes before Ramos-Horta returned from his customary morning walk. After being warned of gunfire, Ramos-Horta refused a ride from a passing vehicle and walked back to the house, escorted only by two bodyguards with pistols. This sequence of events was confirmed by unnamed military sources, who told the Age that, half an hour before Ramos-Horta’s arrival, Reinado was shot in the face by a member of a team of guards who had arrived to relieve the night guards and saw Reinado in the house.

An examination of Renaido’s body, which was released to his family for burial last Thursday, revealed that he had been shot three times, through the left eye, left breast and neck. His bodyguard, a former military policeman Leopoldino, was also killed. By contrast, Ramos-Horta, who remains hospitalised in a serious condition in the northern Australian city of Darwin, was shot in the back. Relatives, friends and associates of Reinado have alleged that he was shot by a waiting party of soldiers from the Timorese military, the F-FDTL.

According to the Australian’s Toohey, two of the men who were with Reinado on February 11 have told Reinado’s adoptive father, Victor Alves, that F-FDTL troops shot Ramos-Horta from behind while they were hiding inside the residence’s compound. Among those insisting that Reinado was lured to the house to be assassinated is Angelita Pires, a Timorese-born Australian woman, who was dramatically arrested yesterday in connection with the February 11 attacks.
It remains unclear how Reinado entered Ramos-Horta’s house, and why he was there. It is quite possible that he was at the residence, with Ramos-Horta’s explicit or tacit permission, to seek further talks with the president. Radio Timor Leste reported that Reinado was not an attacker but had been a guest in Ramos-Horta’s villa for up to a week, and had run out of the house to try to stop the attack.

A motive for the shootings became clearer when photographs were published in the Age and Sydney Morning Herald last Saturday of Reinado and Ramos-Horta standing smiling together with supporters after a clandestine meeting on January 13, where a deal had been struck to end the two-year rebellion by Reinado and some 600 “petitioners”—disgruntled former soldiers.
Ramos-Horta had gone unarmed and without security to the mountain village of Maubisse to discuss the plan, brokered by the Centre for Humanitarian Dialogue in Geneva. It was agreed that Reinado and his men would surrender to house arrest, and be tried on charges of murder and armed rebellion, but be pardoned by Ramos-Horta under an amnesty to be declared on May 20, the sixth anniversary of the formal independence of the former Portuguese and Indonesian colony.

East Timor’s Economics Minister Joao Goncalves told the Fairfax-owned newspapers that the rendezvous was relaxed and friendly, and a deal was essentially done. After a lunch of goat, lamb and chicken, washed down by wine, Reinado and Ramos-Horta parted with a handshake, agreeing to meet again within days.

In an apparent move to undercut the deal, however, Gusmao reportedly arranged a meeting with disaffected and sacked soldiers, some loyal to Renaido’s ally, Gastao Salsinha. The prime minister allegedly offered the rebels a compensation package of three years’ salary or reinstatement to the army, an offer that threatened to isolate Reinado.

Last December, Gusmao issued an ultimatum to Reinado, demanding his immediate surrender.

Reinado responded in January by releasing a DVD statement, accusing Gusmao of being the puppet master and “author of the petition” behind the army rebellion and violence that led to the Australian military intervention in 2006 and ultimately forced the resignation of Fretilin Prime Minister Mari Alkatiri.

Renaido’s allegations were extensively reported in East Timor, but blacked out by the Australian media. Alkatiri asked Gusmao to answer the allegations in parliament, but Gusmao refused. When local reporters pressed Gusmao, he warned that if they pursued the story and interviewed Reinado, they could be arrested.

Renaido’s claims rang true. As the WSWS has documented, communications were held between Gusmao, Reinado and Vincente Railos, another principal figure in the 2006 rebellion. Railos, whose allegations against Alkatiri on the ABC’s Four Corners triggered Alkatiri’s resignation, subsequently became an organiser for CNRT, the party Gusmao formed to contest the 2007 parliamentary elections.

Renaido’s accusations had the potential to not only lead to criminal charges against Gusmao, who was president in 2006, and end his term as prime minister, but also raise questions about Australia’s involvement in the destabilisation and ousting of the Fretilin government.

During last year’s presidential and parliamentary elections in East Timor, Gusmao and Ramos-Horta sought to block Reinado’s arrest. They needed the support of the second largest political party at that time, the Democratic Party, to gain majorities and complete Fretilin’s ouster from power. Like Reinado, the Democratic Party drew its support from the western half of East Timor.

At the time he was killed, Reinado still held a written guarantee of protection. The Australian last week cited an October 18 letter written by the Australian commander of the International Stabilisation Force (ISF), to Reinado’s lawyer, Benny Benevides, assuring him of the rebel leader’s safety. "Your client is hereby assured that, subject to his complying with any pre-agreed arrangements during the dialogue period, your client’s movements will not be interfered with,” the letter stated.

Ramos-Horta was not the only political representative holding talks with Reinado. As recently as February 6, three government MPs met Reinado in Ermera, only to have the meeting disrupted by the arrival of Australian troops. Fretilin MP Domingos Sarmento last week demanded an explanation from the three MPs, asking which government leaders had told them to meet Reinado.

The official story that Gusmao was also an assassination target on February 11 has been called into question by reports that any shots fired at his vehicle were aimed only at its tyres.

United Nations investigators then appeared to switch the official story, telling journalists that the plot was intended to kidnap, not assassinate, the two political leaders. This claim is no more credible than the initial one.

Gusmao and Australian strategic interests

Particularly since Alkatiri’s removal in 2006, Gusmao has been a linchpin of Australian policy, having shifted from the president’s post to the prime minister’s in 2007 with Canberra’s backing. Fretilin won the most votes of any party at the 2007 elections, but Ramos-Horta invited Gusmao’s newly-created CNRT to form an anti-Fretilin coalition.

Despite Rudd’s support, Gusmao’s government remains insecure, with Fretilin stepping up demands for new elections. Fretilin has condemned the government for failing to prevent the February 11 attacks, with Alkatiri saying that if he had still been in office, people would have been calling for him to resign. Political tensions have been fuelled by the circulation of a highly suspicious document that claims that Fretilin offered Reinado $US10 million to assassinate Ramos-Horta and Gusmao.

Popular disaffection with Gusmao has grown because his government has proven unwilling and incapable of doing anything to address the poverty and misery of ordinary people. Some 100,000, mostly Fretilin supporters, still live in squalid displaced persons’ camps, and about 80 percent of the workforce are unemployed or in subsistence agriculture. Six years after so-called independence, East Timor’s people remain among the poorest on earth, even though billions of dollars worth of oil and gas are being drilled beneath the Timor Sea.

On the back of its first military intervention into East Timor in 1999, the Howard government eventually bullied the Alkatiri government into accepting ongoing Australian control over the major share of the undersea fields, while the International Monetary Fund (IMF) and world banks insisted that Timor’s oil and gas revenues be placed in a petroleum escrow fund, to prevent so-called over-spending on social programs. The petroleum fund currently stands at more than $US2 billion, but even when it reaches its optimistically estimated peak, decades from now, the annual investment returns will only amount to $2,500 per person. Last year, the IMF predicted that poverty would continue to worsen in East Timor for several years.

Behind the scenes, sections of the Australian security establishment are calling for a deeper intervention into East Timor, along the lines of the Regional Assistance Mission to Solomon Islands (RAMSI), whereby the Howard government took effective control over key posts in the state apparatus, such as the police, courts, prisons and treasury. In a “strategic insight” paper issued last November, the government-funded Australian Strategic Policy Institute (ASPI) suggested: “Expatriates in critical posts like chief of police, prosecutor general, and senior court appointments could provide a circuit-breaker from political interference as well as promote professional development and an ethos of public service complementing the political and economic advice and audits provided by UN missions and the IMF.”

Australian foreign editor Greg Sheridan gave voice to these neo-colonial aspirations in a column last week, urging the Rudd government to take a longer-term view of its involvement in East Timor. “[I]f we are the new metropolitan power in the Melanesian world, guaranteeing security, dispensing vital and ongoing aid, keeping the international order benign, monitoring the spread of infectious disease and everything else, then we need to make a long-term investment in national skills in this area,” he wrote. None of these calculations has anything to do with assisting or uplifting the living conditions of the Timorese masses. While Rudd pledged an indefinite military presence last Friday, he offered only vague and unspecified economic assistance. Since 1999, according to ASPI estimates, Canberra has spent $4 billion on military and police operations in East Timor, but just $550 million on Official Development Assistance. In any case, the main purpose of “aid” is to bolster Australian interests, as well as the profits of locally-operating Australian companies.

The Australian corporate and political elite’s preoccupation is to strengthen its grip over the resources-rich and strategically-located neighbouring half-island and prevent rival powers, notably China, from gaining sway. The ASPI report referred to concerns that “China has a large embassy in Timor-Leste and is a major aid contributor”. Rudd’s exploitation of the February 11 events underscores his government’s underlying commitment to the course charted by the Howard government in 1999.

Copyright 1998-2007
World Socialist Web Site
All rights reserved


Tradução:

Timor-Leste: colapsa declaração oficial de “assassínio

World Socialist Web Site
www.wsws.org

Por Mike Head
19 Fevereiro 2008

Apenas uma semana depois, a versão oficial dos eventos de 11 de Fevereiro em Timor-Leste — que o amotinado Alfredo Reinado, tentou um “golpe” e “duplo assassínio” contra o Presidente José Ramos-Horta e Primeiro-Ministro Xanana Gusmão — está em fanicos.

Como realçou o jornalista Australiano Paul Toohey no Sábado passado, “virtualmente ninguém em Timor-Leste acredita na [conspiração de assassínio]”.

Conquanto muita coisa se mantenha por clarificar, uma coisa é certa. A alegada conspiração foi explorada para reforçar a mão de dois jogadores: Gusmão e o seu instável governo de coligação e o governo Australiano do Primeiro-Ministro Kevin Rudd.

Rudd voou para Timor-Leste na passada Sexta-feira e declarou imediatamente que as tropas Australianas ficarão lá indefinidamente. Na noite antes, Rudd disse ao programa “Lateline” da Australian Broadcasting Corporation que os eventos em Timor-Leste eram “lamacentos” e que a sua visita iria ajudar o governo Australiano a apurar os factos.

A breve paragem de Rudd não foi, contudo, uma missão para descobrir factos. Foi uma mostra de força. Depois de ter tido um encontro com Gusmão, Rudd convocou uma conferência de imprensa e prometeu ficar “ombro-com-ombro” com o governo de Gusmão. Ladeado pelo Chefe da Força de Defesa Australiana Angus Houston e pelo Chefe da Polícia Federal Australiana Bill Keelty, denunciou “este assalto brutal e violento aos líderes democraticamente eleitos deste país maravilhoso”.

Rudd passou a maior parte da sua visita de quarto horas a ser fotografado com soldados e polícias Australianos. Disse que eles ficariam a tempo que o governo Timorense pedisse, afirmando repetidas vezes que isso seria a convite do governo “eleito democraticamente” de Dili. Contudo, está claro que os eventos foram usados para apoiar o governo de Gusmão e reforçar a sua dependência política e de segurança de Canberra.

Soldados Australianos tomaram o controlo de secções de Dili e de cidades próximas, patrulhando em veículos blindados, montando postos de controlo nas estradas, revistando veículos e impingindo um recolher obrigatório de noite. Depois Gusmão prolongou um estado de sítio declarado por mais dez dias até 23 de Fevereiro. Além de impor um recolher obrigatório das 8 p.m. até às 6 a.m., a declaração proíbe manifestações e ajuntamentos e alarga os poderes da polícia.

Num gesto particularmente sinistro, cerca de 80 comandos das SAS foram, entre os 340 militares e pessoal da polícia Australiana, enviados para Timor na passada Terça-feira (contando a tripulação do navio de guerra HMAS Perth) — elevando o total do contingente de segurança Australiana para mais de 1,100. AS unidades SAS têm sido mandadas para as montanhas de Timor-Leste para caçar os apoiantes sobreviventes de Reinado, vários dos quais alegaram que Reinado fora “atraído” e morto por soldados Timorenses no exterior da casa de Horta. De acordo com relatos dos media, os SAS estão autorizados, a pedido de Gusmão, a usar força letal.

Reinado morto depois de acordo com Ramos-Horta

Pese embora todos os exageros oficiais e dos media acerca de conspirações de “assassínio”, o facto é que ambos os homens que fora actualmente alvejados — Reinado e Ramos-Horta — tinham feito um acordo de paz apenas quatro semanas antes. Está estabelecido que Reinado foi morto na casa de Ramos-Horta bem antes do presidente ter ficado debaixo de fogo, e pelo menos 90 minutos antes do veículo de Gusmão ser alegadamente baleado por assaltantes desconhecidos, a alguns 10 quilómetros de distância.

Um amigo anónimo de Ramos-Horta disse à Associated Press que se travou um tiroteio durante cerca de 30 minutos antes de Ramos-Horta regressar do seu habitual passeio matinal. Depois de ter sido avisado do tiroteio, Ramos-Horta recusou a boleia dum veículo que passava e caminhou de regresso a casa, escoltado apenas por dois guarda-costas com pistolas. Esta sequência de eventos foi confirmada por fontes militares não confirmadas, que disseram ao Age que, meia hora antes da chegada de Ramos-Horta, Reinado fora baleado na cara por um membro duma equipa de guardas que tinham chegado para render os guardas da noite e que viram Reinado na casa.

Um exame ao corpo de Reinado, que foi entregue à família para o funeral na passada Quinta-feira, revelou que tinha sido baleado três vezes, através do olho esquerdo, peito esquerdo e pescoço. O seu guarda-costas, o antigo polícia militar Leopoldino, foi também morto. Em contraste, Ramos-Horta, que se mantém hospitalizado em estado sério na cidade do norte da Austrália de Darwin, foi baleado nas costas. Familiares, amigos e associados de Reinado têm alegado que ele foi baleado por um grupo de soldados à espera das forças militares Timorenses, as F-FDTL.

De acordo com o Toohey Australiano, dois dos homens que estavam com Reinado em 11 de Fevereiro contaram ao pai adoptivo de Reinado, Victor Alves, que tropas das F-FDTL balearam Ramos-Horta por detrás enquanto estavam escondidos no interior do complexo da residência. Entre os que têm insistido que Reinado foi atraído à casa para ser assassinado está Angelita Pires, uma mulher Australiana, Timorense por nascimento, que ontem foi dramaticamente presa em conexão com os ataques de 11 de Fevereiro.
Mantém-ne por esclarecer como é que Reinado entrou na casa de Ramos-Horta, e porque é que estava lá. É bastante possível que estivesse na residência com autorização explícita ou tácita de Ramos-Horta, para tentar mais conversas com o presidente. Radio Timor Leste relatou que Reinado não foi um atacante mas que tinha sido um convidado na casa de Ramos-Horta desde há uma semana, e que tinha corrido para fora da casa para tentar parar o ataque.

Ficaram mais claras as razões para os tiros quando foram publicadas fotografias no Age e Sydney Morning Herald no Sábado passado de Reinado e Ramos-Horta de pé a sorrirem juntos com apoiantes depois dum encontro clandestino em 13 de Janeiro, onde tinha sido firmado um acordo para acabar o motim de dois anos de Reinado e de cerca de 600 “peticionários”— antigos soldados decepcionados.
Ramos-Horta tinha ido desarmado e sem segurança para a vila nas montanhas de Maubisse para discutir o plano, organizado pelo Centro de Diálogo Humanitário de Geneva. Ficara acordado que Reinado e os seus homens se entregariam para prisão domiciliária, e seriam julgados por acusações de homicídio e de motim armado, para serem perdoados por Ramos-Horta numa amnistia a ser declarada em 20 de Maio, no sexto aniversário da independência formal da antiga colónia Portuguesa e Indonésia.

O Ministro da Economia de Timor-Leste João Gonçalves disse aos jornais da Fairfax que o encontro tinha sido relaxado e amigável e que ficara essencialmente feito o acordo. Depois dum almoço de cabra, carneiro e galinha, empurrado por vinho, Reinado e Ramos-Horta separaram-se com um aperto de mão, combinando encontrarem-se outra vez dentro de dias.

Contudo, num gesto aparente para minar o acordo, é dito que Gusmão arranjou um encontro com soldados despedidos e desafeiçoados, alguns deles leais ao aliado de Reinado, Gasãao Salsinha. Alegadamente o primeiro-ministro ofereceu aos amotinados um pacote de compensação de três anos de salários ou a reinstalação nas forças armadas, uma oferta que ameaçou isolar Reinado.

Em Dezembro último, Gusmão emitiu um ultimato a Reinado, exigindo a sua rendição imediata.

Reinado respondeu em Janeiro emitindo uma declaração num DVD, acusando Gusmão de ser o mestre das marionetas e o “autor da petição” por detrás do motim das forças armadas e da violência que levou à intervenção militar Australiana em 2006 e que acabou por forçar a resignação do Primeiro-Ministro da Fretilin Mari Alkatiri.

As alegações de Reinado foram largamente noticiadas em Timor-Leste, mas ignoradas pelos media Australianos. Alkatiri pediu a Gusmão para responder às alegações no parlamento, mas Gusmão recusou. Quando repórteres locais pressionaram Gusmão, ele avisou que se prosseguissem na história e entrevistassem Reinado, podiam ser presos.

As afirmações de Reinado tocam a verdade. Como o WSWS tem documentado, nas comunicações havidas entre Gusmão, Reinado e Vicente Railos, outra figura principal no motim de 2006. Railos, cujas alegações contra Alkatiri no Four Corners da ABC desencadearam a resignação de Alkatiri, tornou-se subsequentemente um organizador do CNRT, o partido que Gusmão formou para disputar as eleições parlamentares de 2007.

As acusações de Reinado têm o potencial não apenas para levar a acusações criminais contra Gusmão, que era presidente em 2006, e pôr fim à sua carreira de primeiro-ministro, mas levantam também questões sobre o envolvimento da Austrália na desestabilização e derrube do governo da Fretilin.

Durante as eleições presidenciais e parlamentares do ano passado em Timor-Leste, Gusmão e Ramos-Horta conseguiram bloquear a prisão de Reinado. Precisavam do apoio do segundo maior partido dessa altura, o Partido Democrático, para ganharem maiorias para completar a expulsão da Fretilin do poder. Como Reinado, a base de apoio do Partido Democrático está na metade oeste de Timor-Leste.

Na altura em que foi morto, Reinado tinha ainda uma garantia por escrito de protecção. O Australian na semana passada citou uma carta de 19 de Outubro escrita pelo comandante Australiano da Força Internacional de Estabilização (ISF), para o advogado de Reinado, Benny Benevides, assegurando-o da protecção do líder amotinado. "O seu cliente está por meio disto assegurado que, de acordo com o seu cumprimento com quaisquer arranjos pré-acordados durante o período de diálogo, não haverá interferência nos movimentos do seu cliente,” afirmava a carta.

Ramos-Horta não era o único representante politico a ter conversas com Reinado. Ainda tão recentemente quanto em 6 de Fevereiro, três deputados do governo encontraram-se com Reinado em Ermera, apenas para terem o encontro perturbado pela chegada de tropas Australianas. O deputado da Fretilin Domingos Sarmento exigiu na semana passada uma explicação dos três deputados, perguntando que líderes do governo os mandara ter o encontro com Reinado.

A história oficial sobre Gusmão ter sido também um alvo a assassinar em 11 de Fevereiro tem sido posta em questão por notícias dos tiros que apenas atingiram os pneus do seu veículo

Depois investigadores das Nações Unidas parece terem retorcido a história oficial, dizendo aos jornalistas que a conspiração tinha a intenção de raptar, não assassinar os dois líderes políticos. Esta afirmação não é mais credível que a inicial.

Gusmão e os interesses estratégicos Australianos

Particularmente desde a remoção de Alkatiri em 2006, Gusmão tem sido uma peça chave da política Australiana, tendo trocado do cargo de presidente para o de primeiro-ministro em 2007 com o suporte de Canberra. A Fretilin foi o partido que mais votos conquistou nas eleições de 2007, mas Ramos-Horta convidou o CNRT o partido acabado de criar por Gusmão para formar uma coligação anti-Fretilin.

Apesar do suporte de Rudd, o governo de Gusmão mantém-se inseguro, com a Fretilin a avançar com exigências de novas eleições. A Fretilin tem condenado o governo por ter falhado em prevenir os ataques de 11 de Fevereiro, com Alkatiri a dizer que se fosse ele a estar no cargo, as pessoas estariam a pedir que resignasse. As tensões políticas têm sido alimentadas com a circulação dum documento altamente suspeito onde se diz que a Fretilin ofereceu a Reinado $US 10 milhões para assassinar Ramos-Horta e Gusmão.

O descontentamento popular contra Gusmão tem crescido porque o seu governo se mostrou sem vontade e incapaz de fazer coisa alguma para responder à pobreza e miséria das pessoas comuns. Algumas 100,000, a maioria apoiantes da Fretilin, continuam a viver em miseráveis campos de deslocados, e cerca de 80 por cento da força de trabalho está desempregada ou vive de agricultura de subsistência. Seis anos depois da chamada independência, o povo de Timor-Leste mantém-se entre os mais pobres do mundo, mesmo apesar dos biliões de dólares que valem o gás e petróleo que estão a ser drenados por debaixo do Mar de Timor.

Por detrás da sua primeira intervenção militar em Timor-Leste em 1999, o governo de Howard intimidou eventualmente o governo de Alkatiri a aceitar o controlo Australiano em curso sobre a maior parte dos campos submarinos, ao mesmo tempo que o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o banco mundial insistiam que os rendimentos do petróleo e gás de Timor fossem postos num fundo de petróleo, para prevenir o chamado gasto a mais em programas sociais. Correntemente o fundo de petróleo tem mais de $US2 biliões, mas mesmo quando alcançar o seu pico optimístamente estimado, a décadas de agora, os retornos de investimento anual totalizarão apenas $2,500 por pessoa. No ano passado, o FMI previu que a pobreza continuará a piorar em Timor-Leste durante vários anos.

Por detrás da cena, secções das instituições de segurança Australianas estão a pedir uma intervenção mais profunda em Timor-Leste, ao longo das linhas da Missão de Assistência Regional para as Ilhas Salomão (RAMSI), onde o governo Howard tomou o controlo efectivo de postos chave no aparelho de Estado, como a polícia, tribunais, prisões e tesouro. Num documento sobre “análise estratégica” emitido em Novembro passado, o Australian Strategic Policy Institute (ASPI) financiado pelo governo sugeriu: “Os expatriados em cargos importantes como chefe de polícia, procurador-geral, e nomeações de topo para tribunais podem ser um cortador de circuito de interferência política bem como podem promover o desenvolvimento profissional e um etos de serviço público que complemente o aconselhamento político e económico e as auditorias fornecidas pelas missões da ONU e FMI.”

O editor de política estrangeira do Australian Greg Sheridan deu voz a estas aspirações neo-coloniais numa coluna na semana passada, urgindo o governo de Rudd a ter uma visão de mais longo prazo no seu envolvimento em Timor-Leste. “Se somos o novo poder metropolitano no mundo da Melanésia, garantindo a segurança, dispensando ajuda vital e em curso, mantendo a ordem internacional benigna, monitorizando o espalhar de doenças infecciosos e tudo o resto, então precisamos de fazer um investimento de longo prazo nas capacidades nacionais nesta área,” escreveu. Nenhum destes cálculos tem alguma coisa a ver com assistir ou elevar as condições de vida das massas Timorenses. Aio mesmo tempo que Rudd prometeu uma presença militar indefinida na Sexta-feira passada, ofereceu apenas uma vaga e não especificada assistência económica. Desde 1999, de acordo com as estimativas do ASPI, Canberra gastou $4 biliões em operações militares e policiais em Timor-Leste, mas apenas $550 milhões em Assistência Oficial ao Desenvolvimento. Em qualquer caso o principal propósito da “ajuda” é reforçar os interesses Australianos, bem como os lucros das companhias Australianas a operarem localmente.

A preocupação da elite política e das corporações Australianas é reforçar as suas garras sobre a rica em recursos e estrategicamente situada meia ilha vizinha e prevenir poderes rivais, nomeadamente a China, de ganhar influência . O relatório do ASPI refere-se a preocupações por “a China ter uma grande embaixada em Timor-Leste e é um grande contribuidor de ajuda”.A exploração de Rudd dos eventos de 11 de Fevereiro enfatiza os compromissos subjacentes do seu governo com a via decidida pelo governo de Howard em 1999.

Copyright 1998-2007
World Socialist Web Site
All rights reserved

1 comentário:

Margarida disse...

Tradução:
Timor-Leste: colapsa declaração oficial de “assassínio
World Socialist Web Site
www.wsws.org

Por Mike Head
19 Fevereiro 2008

Apenas uma semana depois, a versão oficial dos eventos de 11 de Fevereiro em Timor-Leste — que o amotinado Alfredo Reinado, tentou um “golpe” e “duplo assassínio” contra o Presidente José Ramos-Horta e Primeiro-Ministro Xanana Gusmão — está em fanicos.

Como realçou o jornalista Australiano Paul Toohey no Sábado passado, “virtualmente ninguém em Timor-Leste acredita na [conspiração de assassínio]”.

Conquanto muita coisa se mantenha por clarificar, uma coisa é certa. A alegada conspiração foi explorada para reforçar a mão de dois jogadores: Gusmão e o seu instável governo de coligação e o governo Australiano do Primeiro-Ministro Kevin Rudd.

Rudd voou para Timor-Leste na passada Sexta-feira e declarou imediatamente que as tropas Australianas ficarão lá indefinidamente. Na noite antes, Rudd disse ao programa “Lateline” da Australian Broadcasting Corporation que os eventos em Timor-Leste eram “lamacentos” e que a sua visita iria ajudar o governo Australiano a apurar os factos.

A breve paragem de Rudd não foi, contudo, uma missão para descobrir factos. Foi uma mostra de força. Depois de ter tido um encontro com Gusmão, Rudd convocou uma conferência de imprensa e prometeu ficar “ombro-com-ombro” com o governo de Gusmão. Ladeado pelo Chefe da Força de Defesa Australiana Angus Houston e pelo Chefe da Polícia Federal Australiana Bill Keelty, denunciou “este assalto brutal e violento aos líderes democraticamente eleitos deste país maravilhoso”.

Rudd passou a maior parte da sua visita de quarto horas a ser fotografado com soldados e polícias Australianos. Disse que eles ficariam a tempo que o governo Timorense pedisse, afirmando repetidas vezes que isso seria a convite do governo “eleito democraticamente” de Dili. Contudo, está claro que os eventos foram usados para apoiar o governo de Gusmão e reforçar a sua dependência política e de segurança de Canberra.

Soldados Australianos tomaram o controlo de secções de Dili e de cidades próximas, patrulhando em veículos blindados, montando postos de controlo nas estradas, revistando veículos e impingindo um recolher obrigatório de noite. Depois Gusmão prolongou um estado de sítio declarado por mais dez dias até 23 de Fevereiro. Além de impor um recolher obrigatório das 8 p.m. até às 6 a.m., a declaração proíbe manifestações e ajuntamentos e alarga os poderes da polícia.

Num gesto particularmente sinistro, cerca de 80 comandos das SAS foram, entre os 340 militares e pessoal da polícia Australiana, enviados para Timor na passada Terça-feira (contando a tripulação do navio de guerra HMAS Perth) — elevando o total do contingente de segurança Australiana para mais de 1,100. AS unidades SAS têm sido mandadas para as montanhas de Timor-Leste para caçar os apoiantes sobreviventes de Reinado, vários dos quais alegaram que Reinado fora “atraído” e morto por soldados Timorenses no exterior da casa de Horta. De acordo com relatos dos media, os SAS estão autorizados, a pedido de Gusmão, a usar força letal.

Reinado morto depois de acordo com Ramos-Horta

Pese embora todos os exageros oficiais e dos media acerca de conspirações de “assassínio”, o facto é que ambos os homens que fora actualmente alvejados — Reinado e Ramos-Horta — tinham feito um acordo de paz apenas quatro semanas antes. Está estabelecido que Reinado foi morto na casa de Ramos-Horta bem antes do presidente ter ficado debaixo de fogo, e pelo menos 90 minutos antes do veículo de Gusmão ser alegadamente baleado por assaltantes desconhecidos, a alguns 10 quilómetros de distância.

Um amigo anónimo de Ramos-Horta disse à Associated Press que se travou um tiroteio durante cerca de 30 minutos antes de Ramos-Horta regressar do seu habitual passeio matinal. Depois de ter sido avisado do tiroteio, Ramos-Horta recusou a boleia dum veículo que passava e caminhou de regresso a casa, escoltado apenas por dois guarda-costas com pistolas. Esta sequência de eventos foi confirmada por fontes militares não confirmadas, que disseram ao Age que, meia hora antes da chegada de Ramos-Horta, Reinado fora baleado na cara por um membro duma equipa de guardas que tinham chegado para render os guardas da noite e que viram Reinado na casa.

Um exame ao corpo de Reinado, que foi entregue à família para o funeral na passada Quinta-feira, revelou que tinha sido baleado três vezes, através do olho esquerdo, peito esquerdo e pescoço. O seu guarda-costas, o antigo polícia militar Leopoldino, foi também morto. Em contraste, Ramos-Horta, que se mantém hospitalizado em estado sério na cidade do norte da Austrália de Darwin, foi baleado nas costas. Familiares, amigos e associados de Reinado têm alegado que ele foi baleado por um grupo de soldados à espera das forças militares Timorenses, as F-FDTL.

De acordo com o Toohey Australiano, dois dos homens que estavam com Reinado em 11 de Fevereiro contaram ao pai adoptivo de Reinado, Victor Alves, que tropas das F-FDTL balearam Ramos-Horta por detrás enquanto estavam escondidos no interior do complexo da residência. Entre os que têm insistido que Reinado foi atraído à casa para ser assassinado está Angelita Pires, uma mulher Australiana, Timorense por nascimento, que ontem foi dramaticamente presa em conexão com os ataques de 11 de Fevereiro.
Mantém-ne por esclarecer como é que Reinado entrou na casa de Ramos-Horta, e porque é que estava lá. É bastante possível que estivesse na residência com autorização explícita ou tácita de Ramos-Horta, para tentar mais conversas com o presidente. Radio Timor Leste relatou que Reinado não foi um atacante mas que tinha sido um convidado na casa de Ramos-Horta desde há uma semana, e que tinha corrido para fora da casa para tentar parar o ataque.

Ficaram mais claras as razões para os tiros quando foram publicadas fotografias no Age e Sydney Morning Herald no Sábado passado de Reinado e Ramos-Horta de pé a sorrirem juntos com apoiantes depois dum encontro clandestino em 13 de Janeiro, onde tinha sido firmado um acordo para acabar o motim de dois anos de Reinado e de cerca de 600 “peticionários”— antigos soldados decepcionados.
Ramos-Horta tinha ido desarmado e sem segurança para a vila nas montanhas de Maubisse para discutir o plano, organizado pelo Centro de Diálogo Humanitário de Geneva. Ficara acordado que Reinado e os seus homens se entregariam para prisão domiciliária, e seriam julgados por acusações de homicídio e de motim armado, para serem perdoados por Ramos-Horta numa amnistia a ser declarada em 20 de Maio, no sexto aniversário da independência formal da antiga colónia Portuguesa e Indonésia.

O Ministro da Economia de Timor-Leste João Gonçalves disse aos jornais da Fairfax que o encontro tinha sido relaxado e amigável e que ficara essencialmente feito o acordo. Depois dum almoço de cabra, carneiro e galinha, empurrado por vinho, Reinado e Ramos-Horta separaram-se com um aperto de mão, combinando encontrarem-se outra vez dentro de dias.

Contudo, num gesto aparente para minar o acordo, é dito que Gusmão arranjou um encontro com soldados despedidos e desafeiçoados, alguns deles leais ao aliado de Reinado, Gasãao Salsinha. Alegadamente o primeiro-ministro ofereceu aos amotinados um pacote de compensação de três anos de salários ou a reinstalação nas forças armadas, uma oferta que ameaçou isolar Reinado.

Em Dezembro último, Gusmão emitiu um ultimato a Reinado, exigindo a sua rendição imediata.

Reinado respondeu em Janeiro emitindo uma declaração num DVD, acusando Gusmão de ser o mestre das marionetas e o “autor da petição” por detrás do motim das forças armadas e da violência que levou à intervenção militar Australiana em 2006 e que acabou por forçar a resignação do Primeiro-Ministro da Fretilin Mari Alkatiri.

As alegações de Reinado foram largamente noticiadas em Timor-Leste, mas ignoradas pelos media Australianos. Alkatiri pediu a Gusmão para responder às alegações no parlamento, mas Gusmão recusou. Quando repórteres locais pressionaram Gusmão, ele avisou que se prosseguissem na história e entrevistassem Reinado, podiam ser presos.

As afirmações de Reinado tocam a verdade. Como o WSWS tem documentado, nas comunicações havidas entre Gusmão, Reinado e Vicente Railos, outra figura principal no motim de 2006. Railos, cujas alegações contra Alkatiri no Four Corners da ABC desencadearam a resignação de Alkatiri, tornou-se subsequentemente um organizador do CNRT, o partido que Gusmão formou para disputar as eleições parlamentares de 2007.

As acusações de Reinado têm o potencial não apenas para levar a acusações criminais contra Gusmão, que era presidente em 2006, e pôr fim à sua carreira de primeiro-ministro, mas levantam também questões sobre o envolvimento da Austrália na desestabilização e derrube do governo da Fretilin.

Durante as eleições presidenciais e parlamentares do ano passado em Timor-Leste, Gusmão e Ramos-Horta conseguiram bloquear a prisão de Reinado. Precisavam do apoio do segundo maior partido dessa altura, o Partido Democrático, para ganharem maiorias para completar a expulsão da Fretilin do poder. Como Reinado, a base de apoio do Partido Democrático está na metade oeste de Timor-Leste.

Na altura em que foi morto, Reinado tinha ainda uma garantia por escrito de protecção. O Australian na semana passada citou uma carta de 19 de Outubro escrita pelo comandante Australiano da Força Internacional de Estabilização (ISF), para o advogado de Reinado, Benny Benevides, assegurando-o da protecção do líder amotinado. "O seu cliente está por meio disto assegurado que, de acordo com o seu cumprimento com quaisquer arranjos pré-acordados durante o período de diálogo, não haverá interferência nos movimentos do seu cliente,” afirmava a carta.

Ramos-Horta não era o único representante politico a ter conversas com Reinado. Ainda tão recentemente quanto em 6 de Fevereiro, três deputados do governo encontraram-se com Reinado em Ermera, apenas para terem o encontro perturbado pela chegada de tropas Australianas. O deputado da Fretilin Domingos Sarmento exigiu na semana passada uma explicação dos três deputados, perguntando que líderes do governo os mandara ter o encontro com Reinado.

A história oficial sobre Gusmão ter sido também um alvo a assassinar em 11 de Fevereiro tem sido posta em questão por notícias dos tiros que apenas atingiram os pneus do seu veículo

Depois investigadores das Nações Unidas parece terem retorcido a história oficial, dizendo aos jornalistas que a conspiração tinha a intenção de raptar, não assassinar os dois líderes políticos. Esta afirmação não é mais credível que a inicial.

Gusmão e os interesses estratégicos Australianos

Particularmente desde a remoção de Alkatiri em 2006, Gusmão tem sido uma peça chave da política Australiana, tendo trocado do cargo de presidente para o de primeiro-ministro em 2007 com o suporte de Canberra. A Fretilin foi o partido que mais votos conquistou nas eleições de 2007, mas Ramos-Horta convidou o CNRT o partido acabado de criar por Gusmão para formar uma coligação anti-Fretilin.

Apesar do suporte de Rudd, o governo de Gusmão mantém-se inseguro, com a Fretilin a avançar com exigências de novas eleições. A Fretilin tem condenado o governo por ter falhado em prevenir os ataques de 11 de Fevereiro, com Alkatiri a dizer que se fosse ele a estar no cargo, as pessoas estariam a pedir que resignasse. As tensões políticas têm sido alimentadas com a circulação dum documento altamente suspeito onde se diz que a Fretilin ofereceu a Reinado $US 10 milhões para assassinar Ramos-Horta e Gusmão.

O descontentamento popular contra Gusmão tem crescido porque o seu governo se mostrou sem vontade e incapaz de fazer coisa alguma para responder à pobreza e miséria das pessoas comuns. Algumas 100,000, a maioria apoiantes da Fretilin, continuam a viver em miseráveis campos de deslocados, e cerca de 80 por cento da força de trabalho está desempregada ou vive de agricultura de subsistência. Seis anos depois da chamada independência, o povo de Timor-Leste mantém-se entre os mais pobres do mundo, mesmo apesar dos biliões de dólares que valem o gás e petróleo que estão a ser drenados por debaixo do Mar de Timor.

Por detrás da sua primeira intervenção militar em Timor-Leste em 1999, o governo de Howard intimidou eventualmente o governo de Alkatiri a aceitar o controlo Australiano em curso sobre a maior parte dos campos submarinos, ao mesmo tempo que o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o banco mundial insistiam que os rendimentos do petróleo e gás de Timor fossem postos num fundo de petróleo, para prevenir o chamado gasto a mais em programas sociais. Correntemente o fundo de petróleo tem mais de $US2 biliões, mas mesmo quando alcançar o seu pico optimístamente estimado, a décadas de agora, os retornos de investimento anual totalizarão apenas $2,500 por pessoa. No ano passado, o FMI previu que a pobreza continuará a piorar em Timor-Leste durante vários anos.

Por detrás da cena, secções das instituições de segurança Australianas estão a pedir uma intervenção mais profunda em Timor-Leste, ao longo das linhas da Missão de Assistência Regional para as Ilhas Salomão (RAMSI), onde o governo Howard tomou o controlo efectivo de postos chave no aparelho de Estado, como a polícia, tribunais, prisões e tesouro. Num documento sobre “análise estratégica” emitido em Novembro passado, o Australian Strategic Policy Institute (ASPI) financiado pelo governo sugeriu: “Os expatriados em cargos importantes como chefe de polícia, procurador-geral, e nomeações de topo para tribunais podem ser um cortador de circuito de interferência política bem como podem promover o desenvolvimento profissional e um etos de serviço público que complemente o aconselhamento político e económico e as auditorias fornecidas pelas missões da ONU e FMI.”

O editor de política estrangeira do Australian Greg Sheridan deu voz a estas aspirações neo-coloniais numa coluna na semana passada, urgindo o governo de Rudd a ter uma visão de mais longo prazo no seu envolvimento em Timor-Leste. “Se somos o novo poder metropolitano no mundo da Melanésia, garantindo a segurança, dispensando ajuda vital e em curso, mantendo a ordem internacional benigna, monitorizando o espalhar de doenças infecciosos e tudo o resto, então precisamos de fazer um investimento de longo prazo nas capacidades nacionais nesta área,” escreveu. Nenhum destes cálculos tem alguma coisa a ver com assistir ou elevar as condições de vida das massas Timorenses. Aio mesmo tempo que Rudd prometeu uma presença militar indefinida na Sexta-feira passada, ofereceu apenas uma vaga e não especificada assistência económica. Desde 1999, de acordo com as estimativas do ASPI, Canberra gastou $4 biliões em operações militares e policiais em Timor-Leste, mas apenas $550 milhões em Assistência Oficial ao Desenvolvimento. Em qualquer caso o principal propósito da “ajuda” é reforçar os interesses Australianos, bem como os lucros das companhias Australianas a operarem localmente.

A preocupação da elite política e das corporações Australianas é reforçar as suas garras sobre a rica em recursos e estrategicamente situada meia ilha vizinha e prevenir poderes rivais, nomeadamente a China, de ganhar influência . O relatório do ASPI refere-se a preocupações por “a China ter uma grande embaixada em Timor-Leste e é um grande contribuidor de ajuda”.A exploração de Rudd dos eventos de 11 de Fevereiro enfatiza os compromissos subjacentes do seu governo com a via decidida pelo governo de Howard em 1999.

Copyright 1998-2007
World Socialist Web Site
All rights reserved

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.