terça-feira, novembro 06, 2007

The last political stake for John Howard

The Jakarta Post
November 06, 2007
Ikrar Nusa Bhakti, Jakarta

The Australian federal election that will take place on Saturday Nov. 24, 2007 will probably be the last political stake for incumbent Prime Minister John Howard. He will be challenged by the opposition leader of the center-left Australian Labor Party (ALP), Kevin Rudd. If Howard wins the election, he will become the second-longest serving prime minister of Australia after Robert Gordon Menzies (April 28, 1938 - Aug. 26 1941 and Dec. 19, 1949 - Jan. 26, 1966). If Howard loses the election, it would mark the fall of one of U.S. President George W. Bush's last major allies.

Other leaders of the "coalition of the willing" who have already gone or been toppled include prime ministers Tony Blair of Britain, Jose Maria Aznar of Spain, Silvio Berlusconi of Italy and Poland's president Aleksander Kwasniewski. Howard, 68, is an experienced politician and still energetic. While his opponent, Rudd, 50, is a new young ALP leader and former diplomat who speaks Mandarin fluently.

After being elected the new ALP leader in mid-2006, Rudd became the toughest challenger since Howard defeated PM Paul Keating of the ALP in the March 26, 1996 election. If Kevin Rudd wins the election, he will become an ALP hero; similar to when Robert James Lee Hawke (Bob Hawke) successfully defeated PM Malcolm Fraser in the federal election of March 5, 1983.

Rudd's predecessor, Kim Beazley, was successively defeated by John Howard in the elections of 1998 and 2001. In the 2004 election, Mark Latham was also defeated by Howard. In the 2001 election, Howard benefited from the tragedy of WTC, New York, Sept. 11, 2001 and the issue of the MV Tampa, which saved illegal immigrants, mostly from Afghanistan. These events influenced voters in that election, when the debate focused on the issues of border protection and national security.

A terrorist attack on the Australian embassy in Jakarta on September 9, 2004, or during the second week of the Australian election campaign, increased coalition Liberal-National chances of victory because the election was refocused on the issue of national security, which was considered to be a coalition strength.

Today, the issue of terrorism or national security is not as important as it was in 2001 and 2004. In the 2007 Australian federal election, domestic issues such as the booming economy, tax reductions, the government's radical industrial relations reforms (which will negatively affect the role of trade unions; the power base of the ALP), education and health budgets and the environment are expected to be key election battlegrounds.

Although Australians have enjoyed an economic boom under the present conservative government, Rudd says the present government is out of touch with the ordinary people of Australia and the future direction of Australia. Therefore, the country needs new leadership.

Howard cleverly responded to Rudd's comments with a statement that the nation "does no need new leadership, it does not need old leadership. It needs the right leadership". Under the present government, the July 2007 interest rate was about 6.5%, the unemployment rate was about 4.2% and inflation rate was 2.0%. If two or more of these indicators rise, the government could lose the election.

Although the government has implemented a good economic policy so far, a Newspoll survey taken in the third week of October showed that Labor's primary vote support was up three points to 51 percent while the Liberal-National Party coalition was still at 38 percent. In two-party preferred, Labor favored 58 percent to win the general election on November 24.

As many as 50 percent of voters prefer ALP leader Kevin Rudd as the next prime minister over the 37 percent that prefer Howard (UPI, Oct.23). However, the battle is not over yet, since Howard could turn the situation around, as happened in the 1998 and 2004 elections.

The 2004 federal election result saw 150 House of Representative seats filled by 87 coalition L/N-P members, 60 ALP members and three independents. In order to win in the 2007 election, namely to win 76 seats in a house of 150, the ALP needs to win 16 additional seats, which corresponds to a uniform swing of 4.8 %.

The substance of Australian foreign policy will not drastically change if Labor wins the election. However, Australia's relations with its Asian neighbors, including Indonesia, will probably improve since the Labor government usually chooses to focus on its relationship with Asia rather than with the U.S. and European countries. It is a choice between geography and culture. Although Australia-U.S. relations may not change that much, a Labor government is usually more independent from the U.S. compared to a conservative coalition government.

From an ideological perspective, since the early 1980s there has been no difference between the ALP and the conservative coalition L/N-P, except for its trade unions relations. For example, it was a Labor government under Bob Hawke and Paul Keating that first introduced privatization and a liberal economy in Australia in the early 1980s.

Labor, who are ideologically against the use of force, planned to increase Australia's military capacity when Kim Beazley was the minister of defense in the mid-1980s. It was also a Labor government under Paul Keating who first signed a security agreement with Indonesia in December 1995. To the contrary, conservative Australian governments, particularly under PM Malcolm Fraser and PM John Howard, have consistently implemented so-called "good international citizenship" policies.

From a historical point of view, Australia's relations with Indonesia have been more stable when Labor has been in power compared to when coalition governments have been in power. Labor PM Joseph Bennedict Chiefly, who supported Indonesian independence in 1945 and PM Paul Keating, who initiated the Agreement on Maintaining Security with Indonesia in 1995, have not been erased from the memories of Indonesians.

Even though present PM John Howard supported East Timor independence in 1990 -- where it was actually a Habibie administration policy to give East Timor a referendum -- Indonesians should also respect him as a friend of Indonesia's during the Asian economic crisis and after a tsunami hit Aceh and Nias at the end of December 2004. No one knows who will win the election in Australia, an old or new leader.

The writer is a research professor at the Research Center for Political Studies at the Indonesian Institute of Sciences. He is now a visiting research fellow at the Center for Southeast Asian Studies, Kyoto University, Japan.

TRADUÇÃO:

A última aposta política para John Howard

The Jakarta Post
Novembro 06, 2007
Ikrar Nusa Bhakti, Jakarta

As eleições federais Australianas que se realizam no Sábado Nov. 24, 2007 serão provavelmente a última aposta política para o corrente Primeiro-Ministro John Howard. Será desafiado pelo líder da oposição do centro-esquerdo Australiano Labor Party (ALP), Kevin Rudd. Se Howard ganhar as eleições, tornar-se-à o segundo primeiro-ministro mais tempo no cargo na Austrália depois de Robert Gordon Menzies (Abril 28, 1938 - Ag. 26 1941 e Dez. 19, 1949 - Jan. 26, 1966). Se Howard perder as eleições, marcará a queda de um dos maiores aliados do Presidente George W. Bush dos USA.

Outros líderes da "coligação dos concordantes" que já se foram ou que foram derrubados incluem os primeiros-ministros Tony Blair do RU, José Maria Aznar de Espanha, Silvio Berlusconi da Itália e o presidente da Polónia Aleksander Kwasniewski. Howard, 68 anos, é um politico experiente e ainda com energia. Enquanto o seu opositor, Rudd, 50 anos, é um novo jovem líder do ALP e antigo diplomata que fala fluentemente Mandarin.

Depois de eleito novo líder do ALP em meados de 2006, Rudd tornou-se o mais duro concorrente desde que Howard derrotou o PM Paul Keating do ALP nas eleições de 26 de Março de 1996. Se Kevin Rudd ganhar as eleições, tornar-se-à o herói do ALP; similar a quando Robert James Lee Hawke (Bob Hawke) derrotou com sucesso o PM Malcolm Fraser nas eleições federais em 5 de Março de 1983.

O predecessor de Rudd, Kim Beazley, foi derrotado sucessivamente por John Howard nas eleições de 1998 e 2001. Nas eleições de 2004, Mark Latham foi também derrotado por Howard. Nas eleições de 2001, Howard beneficiou da tragédia do WTC, em Nova Iorque em 11 de Setembro de 2001 e da questão do MV Tampa, que salvou imigrantes ilegais, a maioria do Afeganistão. Esses eventos influenciarem os eleitores nessas eleições, quando o debate se focou em questões de protecção da fronteira e segurança nacional.

Uma ataque terrorista contra a embaixada Australiana em Jacarta em 9 de Setembro, 2004, ou durante a segunda semana da campanha eleitoral Australiana, aumentou as possibilidades de vitória da coligação Liberal-Nacional porque a eleição foi re-focada na questão da segurança nacional, que era considerada ser o ponto forte da coligação.

Hoje, a questão do terrorismo ou da segurança nacional não é tão importante como era em 2001 e em 2004. Nas eleições federais Australianas de 2007, é esperado que a chave para as batalhas eleitorais sejam questões domésticas como a economia em expansão, redução de impostos, reformas radicais das relações industriais do governo (que afectarão negativamente o papel dos sindicatos; o poder das bases do ALP), orçamentos da educação e saúde e o ambiente.

Apesar dos Australianos estarem a gozar de um crescimento económico sob o presente governo conservador, Rudd diz que o presente governo está divorciado das pessoas comuns da Austrália e da direcção do futuro da Austrália. Por isso, o país precisa de nova liderança.

Howard respondeu inteligentemente ao comentário de Rudd com a afirmação de que a nação "não precisa de nova liderança, não precisa de velha liderança, precisa da liderança certa". Sob o presente governo, a taxa de juros em Julho 2007 era de cerca de 6.5%, a taxa de desemprego era de cerca de 4.2% e a taxa de inflação era de 2.0%. Se dois ou mais de dois destes indicadores subirem, o governo pode perder as eleições.

Apesar de até agora o governo ter implementado uma boa política económica, uma sondagem da Newspoll feita na terceira semana de Outubro mostrava que o apoio do Labor subira três pontos para 51 por cento enquanto o da coligação Liberal-Nacional Party estava ainda nos 38 por cento. Nos dois partidos preferidos o Labor saía favorecido com 58 por cento para ganhar as eleições gerais em 24 de Novembro.

Tantos quantos 50 por cento dos eleitores preferiam o líder do ALP Kevin Rudd para ser o próximo primeiro-ministro sobre 37 por cento que preferiam Howard (UPI, Out.23). Contudo, a batalha não acabou, dado que Howard pode dar a volta à situação como aconteceu nas eleições de 1998 e de 2004.

Da eleição federal de 2004 resultou que dos 150 membros da Casa de Representantes 87 eram da coligaçãoL/N-P, 60 do ALP e três eram independentes. Para vencer as eleições de 2007, nomeadamente para ganhar 76 lugares numa casa de 150, o ALP precisa de ganhar mais 16 lugares, o que corresponde a uma viragem uniforme de 4.8 %.

A substância da política externa Australiana não mudará drasticamente se o Labor ganhar as eleições. Contudo as relações da Austrália com os vizinhos Asiáticos, incluindo a Indonésia, melhorará provavelmente dado que o governo do Labor habitualmente escolhe focar as suas relações com a Ásia em vez de com os USA e os países Europeus. É uma escolha entre a geografia e a cultura. Apesar de as relações Austrália-U.S.A. poderem não mudar tanto como isso um governo Labor é geralmente mais independente dos USA em comparação com um governo de coligação conservador.

Duma perspectiva ideológica, desde os princípios de 1980s não tem havido diferença entre o ALP e a coligação conservadora L/N-P, excepto nas relações com os sindicatos. Por exemplo, foi um governo Labor sob Bob Hawke e Paul Keating que primeiro introduziu as privatizações e a economia liberal na Australia nos primeiros anos de 1980s.

O Labor, que ideologicamente está contra o uso da força, planeou aumentar a capacidade militar da Austrália quando Kim Beazley era o ministro da defesa em meados de 1980s. Foi também um governo Labor sob Paul Keating quem primeiro assinou um acordo de segurança com a Indonésia em Dezembro de 1995. Pelo contrário, os governos conservadores Australianos, particularmente sob o PM Malcolm Fraser e o PM John Howard, têm consistentemente implementado as chamadas políticas de "boa cidadania internacional".

De um ponto de vista histórico, as relações da Austrália com a Indonésia têm sido mais estáveis quando o Labor tem estado no poder comparado quando são os governos de coligação no poder. O PM do Labor Joseph Bennedict Chiefly, que apoiou a independência Indonésia em 1945 e o PM Paul Keating, que iniciou o Acordo para Manter a Segurança com a Indonésia em 1995, não foram apagados das memórias dos Indonésios.

Mesmo apesar do presente PM John Howard ter apoiado a independência de Timor-Leste nos anos 1990 – quando o que aconteceu foi a política da administração de Habibie em dar um referendo a Timor-Leste – os Indonésios devem ainda respeitá-lo como amigo da Indonésia durante a crise económica Asiática e depois dum tsunami ter atingido Aceh e Nias no final de Dezembro de 2004. Ninguém sabe quem é que vai ganhar as eleições na Austrália, se um líder velho ou novo.

O escritor é um professor de investigação no Centro de Investigação de Estudos Políticos no Instituto Indonésio de Ciências. Agora é um académico de investigação no Centro de Estudos do Sudeste Asiático, Universidade de Kyoto, Japão.

1 comentário:

Margarida disse...

Tradução:
A última aposta política para John Howard
The Jakarta Post
Novembro 06, 2007
Ikrar Nusa Bhakti, Jakarta

As eleições federais Australianas que se realizam no Sábado Nov. 24, 2007 serão provavelmente a última aposta política para o corrente Primeiro-Ministro John Howard. Será desafiado pelo líder da oposição do centro-esquerdo Australiano Labor Party (ALP), Kevin Rudd. Se Howard ganhar as eleições, tornar-se-à o segundo primeiro-ministro mais tempo no cargo na Austrália depois de Robert Gordon Menzies (Abril 28, 1938 - Ag. 26 1941 e Dez. 19, 1949 - Jan. 26, 1966). Se Howard perder as eleições, marcará a queda de um dos maiores aliados do Presidente George W. Bush dos USA.

Outros líderes da "coligação dos concordantes" que já se foram ou que foram derrubados incluem os primeiros-ministros Tony Blair do RU, José Maria Aznar de Espanha, Silvio Berlusconi da Itália e o presidente da Polónia Aleksander Kwasniewski. Howard, 68 anos, é um politico experiente e ainda com energia. Enquanto o seu opositor, Rudd, 50 anos, é um novo jovem líder do ALP e antigo diplomata que fala fluentemente Mandarin.

Depois de eleito novo líder do ALP em meados de 2006, Rudd tornou-se o mais duro concorrente desde que Howard derrotou o PM Paul Keating do ALP nas eleições de 26 de Março de 1996. Se Kevin Rudd ganhar as eleições, tornar-se-à o herói do ALP; similar a quando Robert James Lee Hawke (Bob Hawke) derrotou com sucesso o PM Malcolm Fraser nas eleições federais em 5 de Março de 1983.

O predecessor de Rudd, Kim Beazley, foi derrotado sucessivamente por John Howard nas eleições de 1998 e 2001. Nas eleições de 2004, Mark Latham foi também derrotado por Howard. Nas eleições de 2001, Howard beneficiou da tragédia do WTC, em Nova Iorque em 11 de Setembro de 2001 e da questão do MV Tampa, que salvou imigrantes ilegais, a maioria do Afeganistão. Esses eventos influenciarem os eleitores nessas eleições, quando o debate se focou em questões de protecção da fronteira e segurança nacional.

Uma ataque terrorista contra a embaixada Australiana em Jacarta em 9 de Setembro, 2004, ou durante a segunda semana da campanha eleitoral Australiana, aumentou as possibilidades de vitória da coligação Liberal-Nacional porque a eleição foi re-focada na questão da segurança nacional, que era considerada ser o ponto forte da coligação.

Hoje, a questão do terrorismo ou da segurança nacional não é tão importante como era em 2001 e em 2004. Nas eleições federais Australianas de 2007, é esperado que a chave para as batalhas eleitorais sejam questões domésticas como a economia em expansão, redução de impostos, reformas radicais das relações industriais do governo (que afectarão negativamente o papel dos sindicatos; o poder das bases do ALP), orçamentos da educação e saúde e o ambiente.

Apesar dos Australianos estarem a gozar de um crescimento económico sob o presente governo conservador, Rudd diz que o presente governo está divorciado das pessoas comuns da Austrália e da direcção do futuro da Austrália. Por isso, o país precisa de nova liderança.

Howard respondeu inteligentemente ao comentário de Rudd com a afirmação de que a nação "não precisa de nova liderança, não precisa de velha liderança, precisa da liderança certa". Sob o presente governo, a taxa de juros em Julho 2007 era de cerca de 6.5%, a taxa de desemprego era de cerca de 4.2% e a taxa de inflação era de 2.0%. Se dois ou mais de dois destes indicadores subirem, o governo pode perder as eleições.

Apesar de até agora o governo ter implementado uma boa política económica, uma sondagem da Newspoll feita na terceira semana de Outubro mostrava que o apoio do Labor subira três pontos para 51 por cento enquanto o da coligação Liberal-Nacional Party estava ainda nos 38 por cento. Nos dois partidos preferidos o Labor saía favorecido com 58 por cento para ganhar as eleições gerais em 24 de Novembro.

Tantos quantos 50 por cento dos eleitores preferiam o líder do ALP Kevin Rudd para ser o próximo primeiro-ministro sobre 37 por cento que preferiam Howard (UPI, Out.23). Contudo, a batalha não acabou, dado que Howard pode dar a volta à situação como aconteceu nas eleições de 1998 e de 2004.

Da eleição federal de 2004 resultou que dos 150 membros da Casa de Representantes 87 eram da coligaçãoL/N-P, 60 do ALP e três eram independentes. Para vencer as eleições de 2007, nomeadamente para ganhar 76 lugares numa casa de 150, o ALP precisa de ganhar mais 16 lugares, o que corresponde a uma viragem uniforme de 4.8 %.

A substância da política externa Australiana não mudará drasticamente se o Labor ganhar as eleições. Contudo as relações da Austrália com os vizinhos Asiáticos, incluindo a Indonésia, melhorará provavelmente dado que o governo do Labor habitualmente escolhe focar as suas relações com a Ásia em vez de com os USA e os países Europeus. É uma escolha entre a geografia e a cultura. Apesar de as relações Austrália-U.S.A. poderem não mudar tanto como isso um governo Labor é geralmente mais independente dos USA em comparação com um governo de coligação conservador.

Duma perspectiva ideológica, desde os princípios de 1980s não tem havido diferença entre o ALP e a coligação conservadora L/N-P, excepto nas relações com os sindicatos. Por exemplo, foi um governo Labor sob Bob Hawke e Paul Keating que primeiro introduziu as privatizações e a economia liberal na Australia nos primeiros anos de 1980s.

O Labor, que ideologicamente está contra o uso da força, planeou aumentar a capacidade militar da Austrália quando Kim Beazley era o ministro da defesa em meados de 1980s. Foi também um governo Labor sob Paul Keating quem primeiro assinou um acordo de segurança com a Indonésia em Dezembro de 1995. Pelo contrário, os governos conservadores Australianos, particularmente sob o PM Malcolm Fraser e o PM John Howard, têm consistentemente implementado as chamadas políticas de "boa cidadania internacional".

De um ponto de vista histórico, as relações da Austrália com a Indonésia têm sido mais estáveis quando o Labor tem estado no poder comparado quando são os governos de coligação no poder. O PM do Labor Joseph Bennedict Chiefly, que apoiou a independência Indonésia em 1945 e o PM Paul Keating, que iniciou o Acordo para Manter a Segurança com a Indonésia em 1995, não foram apagados das memórias dos Indonésios.

Mesmo apesar do presente PM John Howard ter apoiado a independência de Timor-Leste nos anos 1990 – quando o que aconteceu foi a política da administração de Habibie em dar um referendo a Timor-Leste – os Indonésios devem ainda respeitá-lo como amigo da Indonésia durante a crise económica Asiática e depois dum tsunami ter atingido Aceh e Nias no final de Dezembro de 2004. Ninguém sabe quem é que vai ganhar as eleições na Austrália, se um líder velho ou novo.

O escritor é um professor de investigação no Centro de Investigação de Estudos Políticos no Instituto Indonésio de Ciências. Agora é um académico de investigação no Centro de Estudos do Sudeste Asiático, Universidade de Kyoto, Japão.

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.