segunda-feira, outubro 08, 2007

Statement by FRETILIN parliamentary leader on budget by de facto government

Statement to parliament by the leader of FRETILIN parliamentary group on the occasion of the discussion of the General Budget of the State for the period July to December 2007.

Mr. President of the National Parliament

Excellencies, Illustrious Members of Parliament, the People of Timor-Leste,

The National Parliament, through its specialized commissions has heard explanations on this budget from the Members of this de facto Government principally the Minister for Finance.

During the debate in the generality, we have also already heard statements and responses from his Excellency Mr. Kay Rala Xanana Gusmao. Despite this, we of the FRETILIN group, the de facto opposition group, are not convinced with all of these explanations and arguments, and are still concerned with this general budget of the state for the period of 1 July to 31 of December 2007. As such, I want to reaffirm the concerns which I and my fellow members of parliament from the FRETILIN group have already expressed.


1. We know that prior to this budget, there was already in effect the one-twelfth system of continuing expenditure beyond the end of the fiscal/budget from the previous government, which is being combined with this budget for the transition period until the 31 st of December with a retroactive character (the one twelfth budget). There is no reporting whatsoever available regarding the expenditures pursuant to the one-twelfth budget, therefore we are unable to know how to measure the budget execution capacity of this government in relation to a very large amount of money for only two remaining months, until the 31 st of December 2007.

2. Article 115, line 1. d) of the Constitution of the Republic states that it is within the power of the government to prepare a "Plan and General Budget of the State" and to execute such upon approval by the National Parliament. This means that there is no "General Budget of the State" unless there is also a "Plan". But what we have now found is that we have only a budget before us. There is no program, there is no plan of action, and there are no projects before us. As such there is no transparency and we don't know what this de facto government will do with this very large amount of money, where the money is going, because there is no projection or strategic vision of any sort. It is instead more like we are preparing a budget for a "corner shop". This budget has not transparency because it does not include the combined sources of funding from bilateral or multilateral donors. For these reasons, we have no idea how the National Parliament will be able to monitor the budget execution in accordance with our constitutional obligations.

3. The amount for salaries and wages has risen dramatically compared with the previous government's budget. This is also the case with the amount for goods and services which is extremely large in comparison to proposed development capital and minor capital. Why? Because we now have by far many more members of government and civil servants and political appointees have increased much more than under the FRETILIN government for which it was always being criticized. But ultimately they are much worse. For example, in the Ministry of Foreign Affairs there is a line item to pay for civil servants who are politically appointed in the amount of $490,000. Similarly the amount for goods and services for district prisons in the Ministry of Justice is very large. What does all this mean? How is this budget going to lift the economy and reduce poverty? This budget is simply to effect expenditures or just to make purchases, to help the machinery of the state to function, to give work to the friends and family of members of government, to widen the path for corruption and to fatten those who work with the government or are in partnership with the government, but will not have a significant impact for the livelihoods of the poor in our country. Is this what is called "reform"?

4. This government has changed or greatly diverged in this budget from its own program or "declaration of political intentions" for the short term, which has already been approved by the National Parliament in the past weeks. They themselves are already not complying with the promises that they made during their campaign and the priorities set out in their own program. They presented themselves as angels who could resolve all the problems, and only knew how to condemn the FRETILIN government. Now we can see they do not have a clear notion or a single budget line item on how to resolve the problem of the displaced persons and the victims of the 2006 crisis. All they propose is some little funding to provide for the humanitarian needs of the displaced persons. The same goes for the problem of Alfredo Reinado and the petitioners. How will they find solutions for these problems? Is it perhaps that they will not need one single cent to do this? They want to assist the development of the private sector and to create employment, but Mr. Joao Goncalves, de facto Minister for Development and Economy, has already publically stated that the government will not create any jobs because the funding to his ministry is only small. The government stated in its short term priorities that it wanted to accelerate the payment of pensions to veterans and liberation combatants, and to distribute money to the elderly but this budget does not have any line items where it can do this, but perhaps because they have already received the political advantage with their promises, they can now forget about this promise. When will they make these payments? They say that they want to consolidate the data on veterans and ex-combatants and to improve the law even though this law had already been prepared by the previous government. Instead they have promised to commence making these payments in 2008, but how are we supposed to believe them? We are going from promise to merely another promise.

5. This government also wants to transfer $40 million from the petroleum fund. To do what? We know that there are sufficient funds in the treasury account to effect expenditures until the 31st of December 2007. This is because there are at least $122 million which can be spent within the six month period of this budget. This is from also looking at carry-over line items from the previous year which will be appropriated into the treasury account. So there is still enough money and there is no need to transfer any more money from the petroleum fund. The government is determined to force the transfer of this money and it is because of this that they have now quickly submitted an amendment to buy four generators. We don't understand why because two or three days ago the Secretary of State for Electricity did not say anything in this regard when he met with the infrastructure committee, but suddenly started to say that the generators were in a bad condition but did not properly explain why the generators were in a bad condition, perhaps because he would have a problem with the President of the Republic who made public statements as the defender of the poor, when he was Prime Minister, that they could make electricity connections as they wanted. The use of electricity has overtaken the capacity of the machines. Because of this, we do not believe that buying new generators will resolve the electricity problems.

6. This budget will allocate funds to the Task Force to fight poverty in the office of the President of the Republic. It is supposed to be for monitoring, but monitoring what? Perhaps it is to merely distribute money in the next months? We want to clearly say that we believe this line item is unnecessary, above all because programs for the reduction of poverty are a function of the government or the executive.

7. The big surprise for us was seeing the line item in the budget for the office of the Secretary of State for the Autonomous Region of Oecussi. Is this also reform? This government is confusing an autonomous region with a region with special administrative and economic treatment, as these two things are not the same. To refer to an autonomous region is violating article 5 of the Constitution of the Republic. Because of this illegality, references to this secretariat of state and its line items in the budget also have to be removed.

Mr. President of the National parliament, Excellencies

Illustrious Members

People of Timor-Leste

With these few words, the FRETILIN group declares that this government does not have sensibility, does not have coherence, does not have seriousness, does not have honesty and is not ready to govern and develop the Timor-Leste nation. The government's program says one thing, the budget demonstrates something else. This is a budget without a plan, is ill-prepared and is of no worth. As Ms. Emilia Pires, the de facto Minister for Finance herself acknowledged, to properly prepare a budget a minimum of 4 months is required. So it is better that you go and prepare to make it better.

That's all. Thank you.

3 comentários:

Margarida disse...

Tradução:
Declaração do líder parlamentar da FRETILIN sobre o orçamento pelo governo de facto
Declaração ao parlamento pelo líder do grupo parlamentar da FRETILIN na ocasião da discussão do Orçamento Geral do Estado para o período Julho a Dezembro de 2007.

Sr. Presidente do Parlamento Nacional

Excelências, Ilustres Membros do Parlamento, Povo de Timor-Leste,

O Parlamento Nacional, através da sua comissão especializada ouviu explicações sobre este orçamento pelos membros do Governo de facto principalmente pela Ministra das Finanças.

Durante o debate na generalidade, já tínhamos ouvido declarações e respostas de sua Excelência o Sr. Kay Rala Xanana Gusmão. Apesar disto, nós do grupo da FRETILIN, o grupo da oposição de facto, não estamos convencidos com todas estas explicações e argumentos, e estamos ainda preocupados com este orçamento geral do Estado para o período de 1 de Julho a 31 de Dezembro de 2007. Como tal, quero reafirmar as preocupações que eu e os meus colegas deputados do grupo da FRETILIN já expressámos.


1. Sabemos que antes deste orçamento, já estava em efeito o sistema de duodécimos de despesa continuada para além do orçamento fiscal do governo anterior, o que está a ser combinado com este orçamento para o período transitório até 31 de Dezembro com carácter retroactivo (o orçamento de duodécimas). Contudo não há qualquer relatório disponível em relação às despesas relativas ao orçamento de duodécimas, por isso somos incapazes de saber como medir a capacidade de execução orçamental deste governo em relação a uma grande quantia de dinheiro para apenas os dois meses que restam até 31 de Dezembro de 2007.

2. O Artigo 115, alínea 1. d) da Constituição da República afirma que compete ao governo preparar o “Plano e o Orçamento Geral do Estado” e executá-los depois de aprovados pelo Parlamento Nacional. Isto significa que não há nenhum "Orçamento Geral do Estado" a não ser que haja também um "Plano". Mas o que descobrimos agora é que temos não apenas um orçamento perante nós. Não há nenhum program, não há nenhum plano de acção, e não há nenhuns projectos perante nós. Como tal não há nenhuma transparência e não sabemos o que este governo de facto vai fazer com uma muito grande quantia de dinheiro, para onde vai o dinheiro, porque não há nenhuma projecção de visão estratégica de nenhuma espécie. Em vez disso é mais como se estivéssemos a preparar um orçamento para uma "loja da esquina". Este orçamento não tem nenhuma transparência porque não inclui as fontes combinadas de financiamento de dadores bilaterais ou multilaterais. Por estas razões, não temos nenhuma ideia de como é que o Parlamento Nacional será capaz de monitorizar a execução orçamental de acordo com as nossas obrigações constitucionais.

3. A quantia para salários e soldos subiu dramaticamente comparada com o orçamento do governo anterior. Este é também o caso da quantia para bens e serviços que é extremamente grande em comparação com o proposto capital para desenvolvimento e capital menor. Porquê? Porque agora temos muitoos mais membros do governo e funcionários civis e as nomeações políticas aumentaram muito mais do que sob o governo da FRETILIN pelo qual estava sempre a ser criticado. Mas no fim eles são bem piores. Por exemplo, no Ministério dos Negócios Estrangeiros há uma alínea para pagar a funcionários civis que não nomeações políticas na quantia de $490,000. Similarmente a quantia para bens e serviços para prisões de distrito no Ministério da Justiça é muito grande. O que é que isto significa? Como é que este orçamento vai levantar a economia e reduzir a pobreza? Este orçamento é apenas para efectuar despesas ou simplesmente para fazer compras, para ajudar máquina do Estado a funcionar, para dar trabalho a amigos e familiares de membros do governo, para alargar a via para a corrupção e para engordar os que trabalham com o governou ou estão em parceria com o governo, mas não terá um impacto significativo na vida dos pobres no nosso país. É isto a chamada "reforma"?

4. Este governo mudou ou divergiu largamente neste orçamento do seu próprio programa ou "declaração de intenções políticas" para o curto prazo, que já tinha sido aprovado pelo Parlamento Nacional nas semanas passadas. Eles próprios não estão já a cumprir com as promessas que fizeram durante a campanha deles e as prioridades que apontaram no próprio programa deles. Eles apresentaram-se a si próprios como anjos que podiam resolver todos os problemas, e apenas sabiam condenar o governo da FRETILIN . Agora podemos ver que não têm uma noção clara ou uma simples alínea no orçamento sobre como resolver o problema dos deslocados e das vítimas da crise de 2006 . Tudo o que eles propõem é um pequeno financiamento para dar ajuda humanitária aos deslocados. O mesmo se pode dizer com o problema de Alfredo Reinado e dos peticionários. Como é que eles vão encontrar soluções para estes problemas? Não precisam nem um único cêntimo para isto? Querem assistir o desenvolvimento do sector privado e criar emprego, mas o Sr. João Gonçalves, Ministro do Desenvolvimento e da Economis de facto, já afirmou publicamente que o governo não criará nenhuns empregos porque o financiamento do seu ministério é muito pequeno. O governo declarou nas suas prioridades a curto prazo que quer acelerar o pagamento de pensões a veteranos e combatentes da libertação, e distribuir dinheiro aos idosos mas este orçamento não tem nenhuma alínea onde possa fazer isso, mas talver porque já receberam vantagens políticas com as suas promessas, eles podem agora esquecer esta promessa. Quando é que vão fazer esses pagamentos? Dizem que querem consolidar os registos dos veteranos e dos ex-combatentes e melhorar a lei mesmo apesar desta lei já ter sido preparada pelo governo anterior. Em vez disso, tinham prometido começar a fazer esses pagamentos em 2008, mas como é que é suposto acreditar neles? Estamos meramente a passar de uma promessa para outra promessa.

5. Este governo quer também transferir $40 milhões do fundo do petróleo. Para fazer o quê? Sabemos que há fundos suficientes na conta do tesouro para efectuar das despesas até 31 de Dezembro de 2007. Isto porque há pelo menos $122 milhões que podem ser gastos dentro do período de seis meses deste orçamento. Isto de olhar também para a alínea de transferência do ano anterior que irá para a conta do tesouro. Assim há ainda dinheiro suficiente e não há nenhuma necessidade de transferir mais nenhum dinheiro do fundo do petróleo. O governo está determinado a forçar a transferência deste dinheiro e é por causa disto que submeteram rapidamente uma emenda para compra de quatro geradores. Não entendemos porquê porque apenas há dois ou três dias atrás o Secretário do estado para a Electricidade nada disse acerca disso quando se reuniu com o comité das infraestruturas, mas subitamente começou a dizer que os geradores estavam em más condições não não explicou como deve ser porque é que os geradores estavam em más condições, talvez porque ia ter um problema com o Presidente da República que fez declarações públicas como defensor dos pobres, quando era Primeiro-Ministro, que podiam fazer ligações eléctricas como quisessem. O uso da electricidade ultrapassou a capacidade das máquinas. Por causa disso, não acreditamos que comprar novos geradores resolverá os problemas da electricidade.

6. Este orçamento vai alocar financiamento para o Grupo de Trabalho para lutar contra a pobreza no gabinete do Presidente da República. É suposto ser para monitorizar, mas monitorizar o quê? Talvez é meramente para distribuir dinheiro nos próximos meses? Queremos dizer com clareza que acreditamos que esta alínea é desnecessária, acima de tudo porque porque todos os programas para a redução da pobreza são uma função do governo ou do executivo.

7. A grande surpresa para nós foi ver a alínea no orçamento para o gabinete do Secretário de Estado da Região Autónoma de Oecussi. É isto reforma também? Este governo está a confundir uma região autónoma com uma região com tratamento administrativo e económico especial, dado que estas duas coisas não são iguais. Referir-se a uma região autónoma é estar a violar o artigo 5 da Constituição da República. Por causa desta ilegalidade, têm que ser removidas as referências a este secretariado de Estado e à alínea no orçamento também.

Sr. Presidente do Parlamento Nacional, Excelências

Ilustres Membros

Povo de Timor-Leste

Com estas poucas palavras o grupo da FRETILIN declara que este governo não tem a sensibilidade, não tem coerência, não tem seriedade, não tem honestidade e não está pronto para governar e para desenvolver a nação de Timor-Leste. O programa do governo diz uma coisa, o orçamento mostra outra algo diferente. Este é um orçamento sem um plano, está mal preparado e não tem nenhum valor. Como reconheceu a própria Srª Emilia Pires, a Ministra das Finanças de facto, para preparar um orçamento como deve ser é preciso pelo menos quatro meses . Assim é melhor irem e prepararem-se para o melhorar .

É tudo. Obrigado.

Anónimo disse...

"Com estas poucas palavras o grupo da FRETILIN declara que este governo não tem a sensibilidade,.."


Hahahaha...

Esta parte da declaracao devia ler:

"Com estas poucas palavras o grupo da FRETILIN demonstra que critica por criticar apesar de as criticas carecerem de qualquer substancia."

Anónimo disse...

Caro anónimo,


"carecerem de qualquer substancia"?


Mas você leu o resto do texto ? Só pode estar a brincar...

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.