sexta-feira, setembro 28, 2007

Address by H.E. Dr. José Ramos-Horta President of the Democratic Republic of Timor-Leste to the 62nd Session of the United Nations General Assembly

27 September 2007
Check against delivery Mr. President,
Mr. Secretary-General,
Presidents, Prime Ministers, Ministers and Ambassadors,
Excellencies,

As I address this esteemed body, may I seize the opportunity to extend to you, Mr. President, my sincere and warm congratulations on your well-deserved election to preside over the 62nd session of the General Assembly.

In view of the constraints of time and in deference to all, I shall take no more than 10 minutes to share with Your Excellencies both some facts and reflections on the situation in my country as well as on select issues of regional and international concern.

Timor-Leste is encouraged by the fact the Secretary-General has convened the High-Level Event on Climate Change to be followed by the negotiations on the UN Framework Convention in Bali. The industrialized countries of the North bear an enormous responsibility for the damage done to our fragile eco-systems. They, more than anyone else, must reverse the course and lead the effort in saving this earth. However, we in the developing world cannot escape our own responsibilities. Demographic explosion and our own efforts, to catch up with the rich North, all contribute to the pressures on our land, forests, rivers, lakes and oceans. Let’s put rhetoric aside and work as one to redress the enormous damage we have done to the common Home of Humanity.

The political situation in Timor Leste

In April/May 2006, less than 5 years after my country’s accession to full independence, we were plunged into our first major crisis. The then President of the Republic, the Speaker of National Parliament and the Prime Minister jointly agreed to seek United Nations urgent assistance and the rapid intervention of friendly countries.

I wish to reiterate here our sincere gratitude to those who came to our assistance in this time of need. We are forever grateful to Malaysia, Australia and New Zealand and to Portugal – which dispatched a fully equipped company of its elite force, the National Republican Guard (GNR), from 20 thousand miles away.

The Security Council approved the deployment of an integrated mission, UNMIT, with a police component of 1,740 police. The deployment of UNPOL was understandably extremely slow – only in January 2007 was the projected force close to completion.

We have made significant progress since the dark weeks of April/May 2006. Presidential and Legislative elections were held between April and June 2007. The election campaign period was mostly free of violence and there were few reported irregularities. Though we are proud that the two elections were managed by our own agencies, we also acknowledge that the active support from UNMIT and other UN agencies like the UNDP were indispensable and crucial to enable us to undertake such a complex task.

While the result of the presidential election was warmly welcome by all including the defeated candidate, the same did not happen when a new government was announced following the June 30th legislative election.

Fretilin, the former ruling party, won most votes but not enough to govern on its own and after several weeks of lobbying it failed to forge a coalition to govern. A post-election four-party parliamentary alliance, opposed to Fretilin, secured 37 seats in the new Parliament of 65 seats, was invited to form government. There was violence in a number of locations in which local law enforcement elements were implicated but the swift UNPOL and ISF intervention succeeded in quickly controlling the situation. Our own defense force played a constructive role in helping to defuse the violence. I acknowledge also the role played by the Fretilin leadership in restraining their more passionate followers.

Law and order has been restored. However, the relative tranquility prevailing in the country is a precarious one and is due in a large measure to the effective role played by UNPOL, ISF and our own Defense Force. This will remain the case until such a time when our police force has been reconstructed and turned into a credible and effective force. This will take two to five years at a minimum. I wish to assure all that in the meantime, the East Timorese will continue a national dialogue so that we may reconcile and heal the wounds of the past.

Together with the Speaker of the National Parliament and the Prime Minister I have established a high level mechanism in order to provide a cohesive and unified East Timorese leadership on the security sector reform. An expert team of national and international advisers, working under our two Secretaries of State for Defense and Security, currently interfaces with UNMIT’s own security sector reform group. Our shared goal is to ascertain a sound strategy for the appropriate reform of our police force and the development of our defense force.

The social situation in Timor Leste

The 2006 crisis caused widespread looting and destruction in the capital. More than 30 people died – more than 100 were wounded – and tens of thousands were displaced. We are slowly recovering. However, tens of thousands of people remain in precarious camps in the capital and elsewhere. I thank the international community, the UN and its agencies, IOM, and international NGOs for their generous and prompt assistance. The new government has pledged to cooperate with all to address the IDP situation.

The late rains of last year, floods and a locust plague have caused significant damage to our subsistence agriculture sector. As a result, an acute food shortage is foreseen in the coming months. The government is planning to purchase significant amounts of food items in the regional markets to make up for the food shortage.

Endowed with some oil and gas resources, Timor-Leste cannot complain of not having enough financial means to turn our economy around and lift the living standards of our people. According to a recent ADB report, Timor-Leste’s economy will see a strong 22% growth this year due to our oil revenues and UN presence.

Based on Norway’s expert advice, the previous National Parliament adopted the Petroleum Law which lays down strict guide-lines for the use and management of the oil and gas revenues. As of July 2007 our Petroleum Fund has accumulated over US$1.4 billion. Monthly revenues of US$100 million are being deposited in the Fund. However, this has not translated into any visible improvement in the lives of the poor.

During my brief tenure as Prime Minister (July 2006 – May 2007), working with my ministerial colleagues, and assisted by the World Bank and the IMF, I introduced some major reforms with a view to streamlining a number of complicated bureaucratic procedures so that we could fast-track budget execution and services delivery. The new government has also accepted my fiscal reform proposal that will turn Timor-Leste into a tax free country.

However, all this is not enough to improve the living standards of the people. The vast majority of the people who have been poor for centuries cannot and should not wait. I have pledged to be the President of the Poor and I intend to be their best advocate. I am establishing a fast-track mechanism under my personal leadership to provide direct assistance to individuals, groups or rural communities. The idea is that it should take not more than 10 working days for a decision to be made on a project and for the first installment of a grant to be disbursed. Coupled with public investments in infrastructure (roads, bridges, port and airport) and in the agriculture sector, Timor-Leste should see in the medium term a significant reduction of unemployment and a decrease in the poverty levels.

Education and youth employment are areas that my presidency and the new government are prioritizing with more public spending. I have proposed the establishment of a permanent Youth Parliament with youth in the age bracket of 13 to 17 to be eligible to serve as Youth MPs for a certain period of the year. This is not only an effective and creative way to empower youth but it also serves as a unique leadership development process and as a school for future leaders.
My presidency, in partnership with the government which under our Constitution holds primary executive responsibility to provide services to the people, is determined to accomplish the Millenium Development Goals by 2015. Working together with Civil Society, Churches, the NGO’s, the private sector and the international community we can do it. We owe it to the poor in our country. There cannot be nobler mission than freeing our fellow human beings from the slavery of poverty.

UN presence

We are cognizant of the fact that the international community faces a number of critical situations around the world, notably, in the Middle East, Somalia, Sudan-Darfur, Iraq, Afghanistan, to mention but a few that are far more serious than the situation in Timor-Leste and maybe are of greater strategic importance and implication for regional and world peace.
Hence, we are conscious that the East Timorese leadership and the people must make every effort to consolidate peace and stability in our country in order to free the UN from the burden in Timor-Leste resulting from the 2006 crisis, a crisis of our own making and for which we must take full responsibility with courage and humility. We hope that the UN will consider a longer-term engagement with us to further stabilize the situation, strengthen our national institutions and consolidate peace and democracy.

As the situation progresses, we hope that the Peace Building Commission will consider placing Timor-Leste on its agenda as a follow-up to UNMIT.

Human Rights, Rule of Law, Justice

When sovereignty was transferred to the people of Timor-Leste in May 2002, what existed then was no more than the sketch, the idea of a modern, democratic state. We had to build our country from scratch. Yet while we failed in many areas, we succeeded in others. We have succeeded in not abandoning our deep commitment to human rights and the rule of law. Timor-Leste stands among very few that have ratified all seven core Human Rights Treaties. We are grateful to the High Commissioner for Human Rights for assisting us in our reporting obligations to the Treaty bodies.

The events of 2006 led to serious breaches of human rights, including the right to life. Our justice sector, though still fragile, is coping well with its responsibilities thanks to generous assistance from a number of friendly countries through the UNDP. The report, conclusions and recommendations of the Independent Commission of Enquiry mandated by the Secretary-General are duly considered by our respective State bodies.

Timor-Leste seeks a seat on the Human Rights Council for the term 2008-2011 and we are particularly pleased and grateful that many countries have so far expressed support for our candidacy. I wish to assure all that as a member of the HRC, Timor-Leste will favor dialogue on serious human rights situations; will prioritize strengthening the thematic procedures, promoting ratification of existing human rights treaties, and strengthening national and regional human rights mechanisms.

As a country born of centuries of colonization, with its own weaknesses and failings, but rich in experience, both good and bad, we believe in dialogue to solve national and international disputes, in the power of ideas, in partnerships and cooperation to address regional and international challenges.

Commission on Truth and Friendship (CTF)

In August 2005, the Presidents of Timor-Leste and Indonesia inaugurated a forward-looking policy and mechanism of truth-finding as a means to address the violence of 1999 when the two countries parted ways. While there were some calls for the establishment of an ad hoc International Tribunal to try those responsible for the 1999 violence, the leaders of the two countries opted instead for a bi-national version of the South African Truth and Reconciliation process. This was a novel and unique approach to redress the wrongs of the past and being untested it provoked much criticism and opposition in certain quarters.

The 10 Commissioners of both sides are reaching the end of their mission. In early 2008 they will produce a report and recommendations and then the Heads of State and Government of the two countries, inspired by our two countries best interests and in respect of truth and the interests of the victims, will review these recommendations and follow up where possible.
For our part in Timor-Leste, we remember our past and we honor our fallen heroes and victims. Many are alive and carry in their body and soul the suffering that was inflicted on them. But we have refused to be hostage to the past and to the temptation of seeking revenge. For Indonesia and Timor-Leste, two developing countries and emerging democracies, facing a multitude of domestic and regional challenges, we simply cannot walk the path some have suggested to us, namely the path of justice at any cost. We must guard against destabilizing our fragile democracies.

International and regional relations

Timor-Leste is expanding and consolidating our relations with the region and the world. We are an active member of the ASEAN Regional Forum and working towards full membership in ASEAN. We are an active observer in the Pacific Islands Forum and are a member of the Comunidade dos Paises de Lingua Portuguesa.

The situation in Myanmar

Excellencies,
I shall now turn to some international issues of concern to Timor-Leste. As a country of the region, Timor-Leste follows with deep concern and disappointment the developments in Myanmar. As human beings and friends we are distressed at the deteriorating social, humanitarian and political conditions in that neighboring country.

The leaders in Myanmar must not continue to hold Nobel Peace Prize Laureate Daw Aung Suu Kji and the entire nation hostage to a mind-set that belongs to the Cold War and to policies that have brought international opprobrium and economic ruin to a country endowed with vast natural resources and with a very proud people.

On the other hand, we do not believe that a strategy of isolating and punishing a whole community is the best way to advance the cause of freedom and democracy - for the actual consequence of such a strategy is the further isolation and impoverishment of a whole people.

Nuclear proliferation

Timor-Leste commends the six-party on North Korea who have achieved some positive results in inducing North Korea to reverse its nuclear weapons capability. This modest success shows that patient diplomacy may advance even the most intractable conflicts when the parties involved identify common concern and interest.

On the other hand, Timor-Leste is deeply concerned with the climate of mistrust and confrontation as regards the situation in Iran. Iran is entitled to explore every peaceful means to acquire technology that would make it less reliant on non-renewable sources of energy. No one disputes such a right for Iran or for any other nation. However, Iran must do more to cooperate fully with the International Atomic Energy Agency and to reassure its neighbors and the rest of the world that it is not seeking to acquire nuclear weapons capability.
Asia is the most nuclearized region of the world. I don’t know that we should be proud of such a status. The Mutually Assured Destruction (MAD) is indeed madness as the acronym itself suggests. Our scientists have developed Frankstein monsters that may well destroy us all - either by design if the weapons fall into the hands of non-state actors or by accident.

Those powers that possess nuclear weapon should reengage and dismantle all such weapons and all other forms of weapons of mass destruction.

History has shown us how mighty empires and regimes built on terror and fear, have come and gone, crumbled in spite of their arsenals.
Death Penalty

Timor-Leste is part of a cross regional initiative calling for a moratorium on the death penalty. We note that the trend towards the worldwide abolition of the death penalty continues.

Situation in Darfur

Timor-Leste commends the African Union and the United Nations and all those in government and those individuals who have done their very best to end the suffering of the people there, a suffering now compounded by natural calamity. In the midst of such tragedy we can retain some consolation and inspiration as we see millions of people around the world, traversing religions and cultures, joining together in solidarity with the victims of Darfur.

Situation in Palestine

As a small and newly-independent nation and a friend of Israel, Timor-Leste cannot remain indifferent to the suffering of the Palestinian people, many times victims, victims of Israeli obstinate policies of occupation and discrimination, victims of manipulation of regional powers, victims of their own sectarian division and violence. While Timor-Leste does not subscribe to the many one-sided anti-Israel resolutions adopted throughout the year in various UN bodies, the facts on the ground show a whole people living on the edge of desperation as a result of decades of humiliation, exclusion and violence. Timor-Leste joins the international community in calling for the implementation of the road map leading to the formal establishment of a viable Palestinian State.

Western Sahara

Over 100,000 people in Western Sahara continue to live in precarious camps following the war that ensued after the 1975 Tri-Partite Madrid Agreement which split the former Spanish colony into two, for Mauritania and Morocco. Timor-Leste is encouraged and commends both Morocco and the Polisario Front for the recent talks held in Long Island under United Nations good-offices. We believe that only dialogue may bring about a resolution of this decades-old conflict which along with the Palestinian conflict is becoming one of the world’s longest running problems.

Indigenous peoples’ rights

More than five hundred years ago, long after Chinese navigators and explorers had circumnavigated the globe, European kings, navigators, missionaries, adventurers and mercenaries began the great European conquest of the world. In the process tens of millions of people were subjugated, colonized; fortunes and empires were made at the expense of the peoples they came into contact with; new diseases were brought into the new colonies; slavery uprooted at least 10 million from the African continent alone.

Millions of indigenous peoples were decimated by wars and diseases; their death and land gave birth to new nations that were alien to their sacred birth place. This very island of Manhattan was once sovereign home to native Americans. This is all part of the history of the world, the history of European conquest with its glory and tragedy. Timor-Leste commends the General Assembly for finally adopting the Declaration on the Rights of Indigenous Peoples. This is the least that we can do to redress the grave injustices done to some of the earlier civilizations of the world.

UN reform

Consultations and negotiations on reform of the UN system and in particular of the Security Council should start; rather than desiring drastic reforms, we may want to adopt an incremental approach. The SC must be incrementally expanded to include major powers like India, Indonesia, Japan, Brazil, South Africa and Germany.
It is an absurdity that Asia which contains almost half of the world population should be so grossly under-represented.
May God the Almighty and the Merciful bless us all.

1 comentário:

Margarida disse...

Tradução:
Discurso do Dr. José Ramos-Horta Presidente da República Democrática de Timor-Leste na 62ª Sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas
27 Setembro 2007

Sr. Secretário-Geral,
Presidentes, Primeiro-Ministros, Ministros e Embaixadores,
Excelências,

Quando me dirijo a este estimado órgão, vou aproveitar a oportunidade para lhe estender a si, Sr. Presidente, as minhas sinceras e calorosas congratulações pela sua bem merecida eleição para presidir à 62ª sessão da Assembleia Geral.

Dados os constrangimentos de tempo e em deferência com todos, não usarei mais de 10 minutos para partilhar com Vossas Excelências alguns factos e reflexões sobre a situação no meu país bem como em questões escolhidas de preocupação regional e internacional.

Timor-Leste está encorajado pelo facto do Secretário-Geral ter reunido um Evento de Alto Nível sobre Alterações Climáticas a ser seguido por negociações sobre a Convenção da Moldura da ONU em Bali. Os países industrializados do Norte têm uma enorme responsabilidade pelos estragos feitos aos nossos frágeis eco-sistemas. Eles, mais do que ninguém, devem fazer marcha atrás na corrida e liderar os esforços para salvar esta terra. Contudo, nós no mundo em desenvolvimento não podemos escaper das nossas próprias responsabilidades. A explosão demográfica e os nossos próprios esforços, para alcançarmos os ricos do Norte, contribuem para pressões sobre a nossa terra, florestas, rios, lagos e oceanos. Ponhamos a retórica de lado e trabalhemos para responder aos enormes estragos que causámos à Casa comum da Humanidade.

A situação política em Timor-Leste

Em Abril/Maio de 2006, menos de cinco anos depois do acesso do meus país à independência total, fomos mergulhados na nossa primeira grande crise. Os então Presidente da República, Presidente do Parlamento Nacional e Primeiro-Ministro acordaram conjuntamente em procurar assistência urgente das Nações Unidas e a intervenção rápida de países amigos.

Quero reiterar aqui a nossa sincera gratidão com os que vieram em nossa assistência nessa hora de necessidade. Estamos para sempre gratos à Malásia, Austrália e Nova Zelândia e a Portugal – que despachou uma companhia totalmente equipada das suas forças de elite, a Guarda Nacional Republicana (GNR), de 20 mil milhas de distância.

O Conselho de Segurança aprovou o destacamento de uma missão integrada, a UNMIT, com uma componente de 1,740 polícias. O destacamento da UNPOL foi compreensivelmente extremamente vagaroso – apenas em Janeiro de 2007 estava a força projectada perto de completa.

Fizemos progressos significativos desde as semanas negras de Abril/Maio 2006. As eleições Presidenciais e Legislativas realizaram-se entre Abril e Junho de 2007. O período da campanha eleitoral foi na maior parte livre de violência e houve poucas irregularidades relatadas. Apesar de estarmos orgulhosos de as duas eleições terem sido geridas pelas nossas próprias agências, reconhecemos também que o apoio activo da UNMIT e de outras agências da ONU como o UNDP foram indispensáveis e cruciais para nos permitir realizar uma tarefa tão complexa.

Enquanto o resultado da eleição presidencial foi saudado calorosamente por todos, incluindo o candidate derrotado, o mesmo não aconteceu quando foi anunciado um novo governo no seguimento das eleições Legislativas de 30 de Junho.

A Fretilin, o antigo partido no poder, ganhou mais votos mas não os suficientes para governar por si só e depois de várias semanas de pressão falhou em forjar uma coligação para governar. Foi convidada para formar governo uma aliança pós-eleitoral de quarto partidos, oposta à Fretilin, que garantiu 37 lugares no novo Parlamento de 65 lugares. Houve violência numa série de sítios onde estiveram implicados elementos locais para aplicação da lei mas a rápida intervenção da UNPOL e da ISF teve sucesso em controlar rapidamente a situação. A nossa própria força de defesa teve um papel construtivo a ajudar a desarmar a violência. Reconheço ainda o papel que teve a liderança da Fretilin em refrear os seus seguidores mais apaixonados.

Foi restaurada a lei e a ordem. Contudo, a tranquilidade relativa que prevalece no país é precária e em larga medida devida ao papel da UNPOL, ISF e as nossas próprias Forças de Defesa. O caso permanecerá assim até uma altura em que a nossa própria força de polícia tenha sido reconstruída e transformada numa força credível e efectiva. No mínimo isto demorará de dois a cinco anos. Quero assegurar a todos que entretanto, os Timorenses continuarão um diálogo nacional para que possamos reconciliar-nos e curar as nossas feridas do passado.

Juntamente com o Presidente do Parlamento Nacional e o Primeiro-Ministro estabeleci um mecanismo de alto nível de modo a criar uma liderança Timorense coesa e unificada sobre a reforma do sector da segurança. Uma equipa de peritos de conselheiros nacionais e internacionais, a trabalhar sob os nossos dois Secretários de Estado para a Defesa e para a Segurança correntemente inter-ligam-se com o próprio grupo da UNMIT para a reforma do sector da segurança. O nosso objective partilhado é apurar uma estratégia sólida para as reformas adequadas da nossa força de polícia e para o desenvolvimento das nossas forças de defesa.

A situação social em Timor-Leste

A crise de 2006 causou pilhagens e destruições alargadas na capital. Morreram mais de 30 pessoas – mais de 100 ficaram feridas – e dezenas de milhares de deslocados. Estamos a recuperar vagarosamente. Contudo, dezenas de milhares de pessoas mantém-se em campos precários na capital e noutros sítios. Agradeço à comunidade internacional, ONU e suas agências , IOM, e ONG’s internacionais pela sua assistência generosa e pronta. O novo governo prometeu cooperar com todos para responder à situação dos deslocados.

As chuvas atrasadas do ano passado, inundações e uma praga de gafanhotos causaram estragos significativos no sector da nossa agricultura de subsistência. Como resultado disto prevê-se uma aguda carência alimentar nos próximos meses. O governo está a planear comprar quantidades significativas de artigos alimentares nos mercados regionais para fazer face à carência de alimentos.

Favorecido com alguns recursos de petróleo e de gás, Timor-Leste não se pode queixar de não ter meios financeiros suficientes para dar a volta à nossa economia e aumentar o padrão de vida do nosso povo. De acordo com um relatório recente do ADB, a economia de Timor-Leste terá um forte crescimento de 22% este ano devido aos rendimentos do petróleo e à presença da ONU.

Com base no conselho de peritos da Noruega, o anterior Parlamento Nacional adoptou a Lei do Petróleo que impõe linhas de orientação rigorosas para o uso e gestão dos rendimentos do petróleo e do gás. Em Julho de 2007 o nosso Fundo de Petróleo acumulou mais de US$1.4 biliões. Rendimentos mensais de US$100 milhões estão a ser depositados no Fundo. Contudo isso não se traduziu em nenhuma melhoria visível nas vidas dos pobres.

Durante a minha breve estadia como Primeiro-Ministro (Julho 2006 – Maio 2007), trabalhando com os meus colegas ministros, e assistido pelo Banco Mundial e pelo FMI, introduzi algumas reformas maiores com a ideia de simplificar um número procedimentos burocráticos complicados de modo a podermos apressar a execução do orçamento e a prestação de serviços. O novo governo aceitou também a minha proposta de reforma fiscal que transformará Timor-Leste num país livre de impostos.

Contudo, tudo isto não é o suficiente para melhorar o nível de vida do povo. A vasta maioria das pessoas que durante séculos foram pobres não podem e não devem esperar. Eu prometi ser o Presidente dos Pobres e tenho a intenção de ser o seu melhor defensor. Estou a estabelecer um mecanismo de via rápida sob a minha liderança pessoal para entregar assistência directa a indivíduos, grupos ou comunidades rurais. A ideia é que não deve demorar mais de dez dias úteis para se tomarem decisões sobre projectos e para a primeira instalação de uma doação ser desembolsada. Juntamente com investimentos públicos em infra-estruturas (estradas, pontes, portos e aeroportos) e no sector da agricultura, Timor-Leste vai ver a médio prazo uma redução significativa do desemprego e um abaixamento do nível da pobreza.

A educação e o emprego dos jovens são as áreas em que a minha presidência e o novo governo estão a dar prioridade com mais gastos públicos. Propus o estabelecimento de um Parlamento permanente da Juventude com jovens de idades entre os 13 a17 a serem elegíveis para servirem como deputados da Juventude durante um certo período de tempo no ano. Esta não é apenas uma maneira efectiva e criativa para dar poder à juventude mas serve também como um processo único para desenvolver lideranças e como escola para os líderes do futuro.

A minha presidência, em parceria com o governo que sob a nossa Constituição exerce responsabilidades executivas principais em prestar serviços ao povo, está determinada em atingir os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio até 2015. Podemos fazer isso, trabalhando juntamente com a Sociedade Civil, Igrejas, ONG’s, o sector privado e a comunidade internacional. Devemos isso aos pobres no nosso país. Não pode haver missão mais nobre do que libertar os nossos colegas humanos da escravidão da pobreza.

Presença da ONU

Conhecemos o facto de a comunidade internacional enfrentar um número de situações críticas à volta do mundo, nomeadamente no Médio Oriente, Somália, Sudão-Darfur, Iraque, Afeganistão para mencionar apenas algumas que são mais sérias do que a situação em Timor-Leste e talvez de maior importância estratégica e implicação para a paz regional e no mundo.
Por isso, estamos conscientes que a liderança Timorense e o povo devem fazer esforços para consolidar a paz e a estabilidade no nosso país de modo a libertar a ONU da carga em Timor-Leste resultante da crise de 2006, uma crise que nós próprios fizemos e pela qual devemos assumir responsabilidades totais com coragem e humildade. Temos esperanças que a ONU considere um engajamento a longo prazo connosco para estabilizar mais a situação, reforçar as nossas instituições nacionais e consolidar a paz e a democracia.

Como a situação progride, temos esperança que a Comissão de Construção de Paz considere colocar Timor-Leste na sua agenda com uma continuação da UNMIT.

Direitos Humanos, Domínio da Lei, Justiça

Quando a soberania foi transferida para o povo de Timor-Leste em Maio de 2002, o que então existia não era mais do que um esboço, a ideia de um Estado moderno, democrático. Tínhamos de construir o nosso Estado de raíz. Contudo, enquanto falhámos em muitas areas, tivemos sucesso noutras. Tivemos sucesso em não abandonar o nosso compromisso profundo com os direitos humanos e o domínio da lei. Timor-Leste está entre as muito poucas que ratificaram todos os sete tratados centrais dos Direitos Humanos. Estamos gratos ao Alto Comissário dos Direitos Humanos por nos assistir em nas nossas obrigações relatadas com os órgãos dos Tratados.

Os eventos de 2006 levaram a quebras sérias de direitos humanos, incluindo o direito à vida. O nosso sector da justiça, apesar de ainda frágil, está a aguentar bem com as suas responsabilidades graças à assistência generosa de um número de países amigos através do UNDP. O relatório, conclusões e recomendações da Comissão de Inquérito Independente mandatada pelo Secretário-Geral são oportunamente considerados pelos órgãos do Estado respectivos.

Timor-Leste procura um lugar no Conselho dos Direitos Humanos para o período 2008-2011 e estamos particularmente satisfeitos e gratos por muitos países terem até agora expressado apoio à nossa candidatura. Quero assegurar a todos que como membro da CDH, Timor-Leste favorecerá o diálogo sobre situações sérias de direitos humanos; dará prioridade ao reforço dos procedimentos temáticos, promoverá a ratificação dos tratados de direitos humanos existentes, e reforçará mecanismos nacionais e regionais de direitos humanos.

Como país nascido de séculos de colonização, com as suas próprias fraquezas e falhanços, mas rico em experiências, boas e más, acreditamos no diálogo para resolver disputas nacionais e internacionais, no poder das ideias, em sociedade e cooperação para responder a desafios regionais e internacionais.

Comissão da Verdade e Amizade (CVA)

Em Agosto de 2005, os Presidentes de Timor-Leste e da Indonésia inauguraram uma política virada para o futuro e mecanismos de procura da verdade como um meio para responder à violência de 1999 quando os dois países se separaram. Conquanto tenha havido alguns apelos para a criação de um Tribunal Internacional ad hoc para julgar os responsáveis pela violência de 1999, os líderes dos dois países optaram em vez disso por uma versão bi-nacional do processo da África do Sul da Verdade e Reconciliação. Esta foi uma abordagem nova e única para resolver os erros do passado e não sendo testada isso provocou muitas críticas e oposição em certos quarteirões.

Os 10 Comissários de ambos os lados estão a chegar ao fim das suas missões. No princípio de 2008 produzirão um relatório e recomendações e depois os Chefes de Estado e os Governos dos dois países, inspirados pelos melhores interesses dos dois países e no respeito da verdade e dos interesses das vítimas, vão rever essas recomendações e segui-las até onde for possível.
Pela nossa parte em Timor-Leste, lembramos o nosso passado e honramos os nossos heróis caídos e as vítimas. Muitas estão vivas e carregam nos corpos e almas o sofrimento que lhes foi infligido. Mas temo-nos recusado a ficar reféns do passado e às tentações de procurar a vingança. Para a Indonésia e Timor-Leste, dois países em vias de desenvolvimento e duas democracias emergentes, que enfrentam uma multidão de desafios domésticos e regionais, não podemos simplesmente caminhar na via que alguns nos sugeriram, nomeadamente o caminho da justiça a qualquer preço. Devemos ter cuidado para não desestabilizar as nossas democracias frágeis.

Relações internacionais e regionais

Timor-Leste está a expandir e a consolidar relações com a região e o mundo. Somos membros activos do Forum Regional da ASEAN e trabalhamos para sermos membros completos na ASEAN. Somos observadores activos no Fórum das Ilhas do Pacífico e um membro da Comunidade dos Paises de Lingua Portuguesa.

A situação em Myanmar

Excelências,
Virar-me-ei agora para algumas questões internacionais de preocupação para Timor-Leste. Como país da região, Timor-Leste acompanha com profunda preocupação e desapontamento os desenvolvimentos em Myanmar. Como seres humanos e amigos estamos angustiados com a deterioração das condições sociais, humanitárias e políticas nesse país vizinho.

Os líderes de Myanmar não devem continuar a manter a laureada do Prémio Nobel da Paz Daw Aung Suu Kji e toda a nação refém de uma tendência que pertence à Guerra Fria e de políticas que trouxeram vergonha internacional e ruína económica a um país favorecido com vastos recursos naturais e com um povo orgulhoso.

Por outro lado não acreditamos que uma estratégia de isolar e punir uma inteira comunidade é a melhor maneira para fazer avançar o caso da liberdade e da democracia – porque as actuais consequências de tais estratégias é o aprofundar do isolamento e empobrecimento de todo um povo.

Proliferação nuclear

Timor-Leste saúda o pacto dos seis sobre a Coreia do Norte que alcançou alguns resultados positivos em induzir a Coreia do Norte a fazer marcha atrás da sua capacidade de armas nucleares. Este sucesso modesto mostra que a diplomacia com paciência pode avançar mesmo nos conflitos mais intratáveis quando as partes envolvidas identificam preocupações e interesses comuns.

Por outro lado, Timor-Leste está profundamente preocupado com o clima de desconfiança e de confronto em relação à situação no Irão. O Irão tem o direito de explorar qualquer meio pacífico para adquirir tecnologia que o torne menos dependente de fontes de energia não renováveis. Ninguém disputa ao Irão tal direito ou a nenhuma outra nação. Contudo, o Irão deve fazer mais para cooperar totalmente com a Agência de Energia Atómica Internacional e para re-assegurar os seus vizinhos e o resto do mundo que não está a tentar adquirir capacidades para armas nucleares.
A Ásia é a região mais nuclearizada do mundo. Não sei se devemos ter orgulho em tal estatuto. A Destruição Mútuamente Assegurada (MAD) é na verdade uma loucura como sugerem as próprias iniciais. Os nossos cientistas desenvolveram monstros Frankstein que nos podem destruir a todos – seja por desígnio se as armas caírem nas mãos de actores não-estatais seja por acidente.

Esses poderes que possuem armas nucleares devem re-engajarem-se e desmantelarem todas essas armas e todas as outras formas de armas de destruição em massa.

A história tem mostrado como impérios poderosos e regimes construídos no terror e no medo, chegam e partem, desmoronam-se apesar dos seus arsenais.

Pena de morte

Timor-Leste participa numa iniciativa regional que apela à moratória da pena de morte. Anotamos que a tendência em todo o mundo para a abolição da pena de morte continua.

Situação no Darfur

Timor-Leste saúda a União Africana e as Nações Unidas e todos os que estão no governo e os indivíduos que fizeram o melhor para acabar com o sofrimento do povo lá, um sofrimento agora acompanhado por calamidades naturais. No meio de tal tragédia podemos reter algum consolo e inspiração ao vermos milhões de pessoas à volta do mundo, de todas as religiões e culturas, a juntarem-se em solidariedade com as vítimas de Darfur.

Situação na Palestina

Como nação recém independente e pequena e amiga de Israel, Timor-Leste não pode permanecer indiferente ao sofrimento do povo Palestiniano, muitas vezes vítima, vítima das políticas obstinadas de Israel de ocupação e discriminação, vítimas da manipulação dos poderes regionais, vítimas das suas próprias divisões sectárias e violência. Conquanto Timor-Leste não subscreva as muitas resoluções unilaterais anti-Israel adoptadas durante o ano em vários órgãos da ONU, os factos no terreno mostram um povo inteiro a viver à beira do desespero como resultado de décadas de humilhação, exclusão e violência. Timor-Leste junta-se à comunidade internacional a apelar para a implementação do mapa que leve ao estabelecimento formal de um Estado Palestiniano viável.

Sahara Ocidental

Mais de 100,000 pessoas no Sahara Ocidental continuam a viver em campos precários desde a Guerra que se seguiu ao Acordo Trilateral de 1975 que dividiu a antiga colónia espanhola em duas, para a Mauritânia e Marrocos. Timor-Leste está encorajado e saúda ambos Marrocos e a Frente Polisario pelas conversações recentes realizadas em Long Island sob os bons auspícios das Nações Unidas. Acreditamos que apenas o diálogo pode trazer uma resolução e este conflito com décadas que juntamente com o conflito Palestiniano se está a tornar um dos mais antigos problemas no mundo.

Direitos dos povos indígenas

Há mais de quinhentos anos, muito depois dos navegadores e exploradores Chineses terem circumnavegado o globo, reis Europeus, navegadores, missionários, aventureiros e mercenários começaram a grande conquista Europeia do mundo. No processo dezenas de milhões de pessoas foram subjugadas, colonizadas; e fortunas e impérios foram feitos à custa das pessoas com quem entraram em contacto; foram trazidas novas doenças para as novas colónias: a escravatura desenraizou pelo menos 10 milhões do continente Africano apenas.

Milhões de povos indígenas foram dizimados por guerras e doenças; a morte e a terra deles fez nascer novas nações que eram alheias ao seu local sagrado de nascimento. Esta própria ilha de Manhattan foi no passado a casa soberana para alguns nativos Americanos. Tudo isto faz parte da história do mundo, da história da conquista Europeia com as suas glórias e tragédias. Timor-Leste saúda a Assembleia Geral por ter finalmente adoptado a Declaração dos Direitos dos Povos Indígenas. Isto é o mínimo que podemos fazer para responder às graves injustices feitas a algumas das mais antigas civilizações do mundo.

Reforma da ONU

Devem começar as consultas e negociações para a reforma do sistema da ONU em particular a do Conselho de Segurança; em vez de se desejar reformas drásticas, podemos antes querer adoptar uma abordagem de aumento. O CS deve ser expandido pata incluir grandes poderes como a Índia, Indonésia, Japão, Brasil, África do Sul e Alemanha.
É um absurdo que a Ásia que contém quase metade da população do mundo esteja tão grandemente sub-representada.
Possa Deus o Todo Poderoso e Misericordiono anençoar-nos a todos.

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.