sexta-feira, abril 11, 2008

Abusos das forças de segurança "preocupam" ONU

Díli, 11 Abr (Lusa) - A actuação das forças de segurança timorenses durante o estado de sítio “está a levantar preocupações” junto da Missão Integrada das Nações Unidas em Timor-Leste (UNMIT), afirmou uma porta-voz à agência Lusa.

“A violação de direitos humanos por soldados das Falintil-Forças de Defesa de Timor-Leste (F-FDTL) e por agentes da Polícia Nacional (PNTL) tem levantado preocupação” junto da missão internacional, admitiu hoje à Lusa a porta-voz Allison Cooper.

“Notámos um aumento das acusações de comportamento abusivo durante as primeiras semanas do estado de sítio”, após os ataques de 11 de Fevereiro, acrescentou a porta-voz da UNMIT.

No seguimento dos ataques contra o Presidente da República, José Ramos Horta, e o primeiro-ministro, Xanana Gusmão, foi aprovado e renovado, neste momento até 23 de Abril, um regime de excepção que inclui o recolher obrigatório em todo o país.

Forças conjuntas das F-FDTL e PNTL lançaram, ao mesmo tempo, a operação “Halibur” de captura do grupo liderado pelo ex-tenente Gastão Salsinha.

“Temos vindo a acompanhar estes assuntos com as autoridades ao mais alto nível”, acrescentou Allison Cooper, recordando que o Parlamento tem analisado as mesmas queixas, “o que é um passo positivo numa sociedade democrática”.

Cooper sublinhou que a UNMIT “notou uma diminuição acentuada deste tipo de acusações nas últimas semanas” manifestando esperança de que “esta tendência continue”.

“Continuaremos a acompanhar a situação juntamente com a Provedoria dos Direitos Humanos”, afirmou também Allison Cooper à Lusa.

O Provedor de Direitos Humanos, Sebastião Dias Xímenes, apresentou recentemente no Parlamento uma lista de queixas recolhidas pelo seu gabinete contra as forças de segurança, sublinhando a necessidade de melhor treino da PNTL.

Sebastião Dias Xímenes declarou mesmo à imprensa que elementos individuais da PNTL têm tido um comportamento que classifica como “pior” do que o da Polícia indonésia durante a ocupação de Timor-Leste.

Sobre essa situação, Allison Cooper apenas declarou à Lusa que a UNMIT, através da sua Polícia (UNPol) e da Unidade de Direitos Humanos, “continua a colaborar na formação da PNTL em direitos humanos”.

As queixas que têm vindo a público referem-se tanto a abusos cometidos durante a operação “Halibur” como à actuação da PNTL, sobretudo da nova unidade especial do distrito de Díli, a Task Force.

O comando conjunto da “Halibur” tem desvalorizado as acusações nas conferências de imprensa regulares, admitindo apenas “incidentes menores”.

“O que vamos é melhorar as atitudes. Alguns gritam pelos direitos humanos. Vamos ver isto. Teremos treino especializado para isso. Mas precisamos de uma Task Force forte”, disse o secretário de Estado da Segurança, Francisco Guterres, no final de Março à Lusa.

Os abusos das forças de segurança merecem várias páginas do capítulo relativo a Timor-Leste do relatório anual de 2007 sobre Práticas de Direitos Humanos, do Departamento de Estado dos Estados Unidos.

“Durante o ano, as forças de segurança e outros protagonistas cometeram nove assassínios, um decréscimo de 29 em 2006. Muitas destas execuções foram politicamente motivadas”, lê-se no documento, divulgado terça-feira nos Estados Unidos.

“Houve algumas ocasiões em que elementos das forças de segurança actuaram fora da autoridade do governo”, escreve o Departamento de Estado norte-americano, embora afirmando que as autoridades civis exerceram “geralmente” um controlo efectivo das F-FDTL e da PNTL.

Dos “problemas sérios” analisados pelo relatório, destacam-se “execuções extrajudiciais e de motivação política”, “uso excessivo da força e abuso da autoridade pela polícia” e “detenções e prisões arbitrárias”.

“Durante o ano, a maioria das queixas de abuso de direitos humanos recebida pelo gabinete do Provedor [de Timor-Leste] envolveram a polícia e a queixa mais comum foi o uso de violência ou força excessiva”, salientava o documento do Departamento de Estado dos EUA.


PRM
Lusa/Fim

3 comentários:

Anónimo disse...

Caros leitores

que tal iniciarem uma peticao para que o Governo nao enviem a policia a s Indonesia para treino. Tem e que comecar a usar e a aprender a lingua oficial como manda a constitucao. Francisco Guterres e outros que mudem para Kupang se gostam assim deles.

h correia disse...

E quando é que a ONU se começa a preocupar com os abusos da tropa australiana?

Anónimo disse...

Amigo anonimo, voce mesmo mostra que e dificil aprender o Portugues correcto em 400 anos, muito mais dificil ainda aprende-lo em poucos meses ou anos. Voce tao pouco escreve o Portugues correcto. se quer assim tanto o Portugues, mude para Portugal. Pelo menos quer queira quer nao, a Indonesia esta ao lado de Timor Leste. Sera que voce ainda nao se deu conta disso ou e daqueles que por forca quer ser branco?

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.