sexta-feira, fevereiro 29, 2008

ETIMOR: Petitioners seek reinstatement to military

ABC Radio Australia - 29/02/2008

As the hunt for the East Timorese rebels responsible for the February 11 attacks on the President and Prime Minister continues, several positive effects of the death of rebel leader Alfredo Reinado are beginning to appear.

Hundreds of the petitioning soldiers linked with Reinado and his cause have come to Dili to begin talks with the country's leaders about a peaceful reinstatement to the military, and some of the country's 100,000 displaced people are talking about leaving the IDP camps and going home.

Presenter - Stephanie March Speaker - Joaquim Fornseca, adviser to the Prime Minister; Sofia Cason from the International Crisis Group; Arsenio Bano, vice president of Fretilin party.

listen windows media >

MARCH: In the weeks following the attacks on East Timor's leaders by Alfredo Reinado and his followers that left the President wounded and Alfredo Reinado dead, many feared the incidents would cause further instability in the fledgling nation.

But it seems there are some positive effects arising from the death of Reinado on his followers and the group of petitioning soldiers.

Joaquim Fornseca is an adviser to East Timor's Prime Minister Xanana Gusmao and is in charge of resolving the problem of the petitioners.

FORNSECA: 142 I think that the death of AR made a lot of them think, the way in which Alfredo died made them think war is not so much of the best way to follow to achieve their objectives especially as the government is open to talking with them.

MARCH: Alfredo Reinado considered himself the leader of the group of around 600 petitioning soldiers from the West of the country, who defected from their military barracks in 2006 because of discrimination from higher ranking officers from the Eastern districts.

The petitioners were subsequently fired by following their desertion which caused the crisis that left 37 people dead, and over 100,000 forced to flee their homes.

But after almost 2 years of waiting for Alfredo Reinado to resolve their problem, 490 of the petitioning soldiers have decided to come to a make shift encampent called Aitak Laran in Dili, and begin talks with the government about being reinstated to the military.

FORNSECA: they want their allegation of discrimination to be addressed, and their protest be respected - their right to protest to be respected, and the decision of the command of FFDTL to dismiss them to be revoked.

MARCH: Whilst the government sees the developments at Aitak Laran as positive, the situation with the petitioners remains fragile.

Joaquim Fornseca admits that not all the petitioners are coming willingly from their hiding places in the districts to engage in the dialogue.

He says the joint military and police operation targeted at catching the rebels responsible for the attacks on February 11 has made some of the petitioners nervous they will be unfairly targeted by the FFDTL and police.

FORNSECA: Because of the operation they cannot just stay at home and be passive, they have to come down.

Analysts agree that bringing the petitioners together for dialouge is a step in the right direction, but striking a deal that both the petitioners and the military agree on could be a challenge.

Sofia Cason is from the International Crisis Group in Dili

CASON: I think there may be problems when deals start to be done with petitioners because if you are a current serving FDTL member and you see that these people who deserted or who went AWOL during 2006 or before or after the crisis you may start to think "what is the point of me being in the FDTL if people are going to get rewarded for this kind of behaviour?"

MARCH: There are also positive signs that some of the 100,000 people displaced by the 2006 violence are preparing to leave their make shift residences in IDP camps and return home.

Many of those living in IDP camps have cited the petitioners and Alfredo Rienado as reasons they don't feel safe to move back to their homes.

Now that Reinado is dead and that a resolution to the petitioners problems is imminent, the International Organisation for Migration says some IDPs are looking at taking up the offer of a government relocation package and going back to their homes.

But Sofia Cason from ICG says there has been a mixed reaction among IDPs to the death of the rebel leader.

CASON: Some are worried about reactions from Alfredo supporters particularly some Easteners they think that some of the Westerners in their community will react badly so it will actually put them off returning home for a while because they are worried about repercussions.

Others think that the death of A has removed the major symbol of the East/West divide and that problem will sort of die away now and they can go home.

MARCH: Meanwhile, the AMP government led by Xanana Gusmao has used the progress being made with both the petitioners and the IDP's, to slam the former Fretilin government, for being responsible for the collapse of law and order in 2006.

In a press statement, the Minister for Economic Development Joao Gonsalves said the nation has paid a heavy price for the ineptitude and self-interest of Fretilin, and that they have now had enough.

Arsenio Bano is the vice president of the Fretilin party and a member of the parliament committee for defence, security and forigin affairs.

BANO: I think he should focus on the solution because we still see uncertainty about the solution of the petitioners and we still are very uncertain about the peaceful sustainability of the country and it is not time for them to blame Fretilin because they know very well they were also contributing to the crisis.



TRADUÇÃO:

TIMOR-LESTE: Peticionários procuram re-integração nas forças militares

ABC Radio Australia - 29/02/2008

Enquanto continua a caça aos amotinados Timorenses responsáveis pelos ataques de 11 de Fevereiro ao Presidente e Primeiro-Ministro, começam a aparecer vários efeitos positivos da morte do líder amotinado Alfredo Reinado.

Centenas de soldados peticionários ligados a Reinado e à sua causa vieram para Dili para começar conversas com os líderes do país acerca da re-integração pacífica nas forças militares e alguns dos 100,000 deslocados do país estão a falar de deixarem os campos de deslocados e voltarem para casa.

Apresentador - Stephanie March
Orador - Joaquim Fonseca, conselheiro do Primeiro-Ministro; Sofia Cason do International Crisis Group; Arsénio Bano, vice-presidente da Fretilin.

MARCH: Nas semanas que se seguiram aos ataques aos líderes de Timor-Leste por Alfredo Reinado e seus seguidores que deixaram o Presidente ferido e Alfredo Reinado morto, muitos recearam que os incidentes pudessem causar mais instabilidade na jovem nação.

Mas parece que há efeitos positivos da morte de Reinado nos seus seguidores e no grupo dos soldados peticionários.

Joaquim Fonseca é um conselheiro do Primeiro-Ministro de Timor-Leste Xanana Gusmão e tem a seu cargo resolver o problema dos peticionários.

FONSECA: 142 Penso que a morte de AR fez muitos deles pensarem, o modo como Alfredo morreu fê-los pensar que a Guerra não é o melhor caminho a seguir para atingirem os seus objectivos especialmente porque o governo está aberto a falar com eles.

MARCH: Alfredo Reinado considerou-se ele próprio o líder do grupo de cerca de 600 soldados peticionários do Oeste do país, que desertaram dos seus quartéis em 2006 por causa de discriminação de oficiais de mais alta categoria dos distritos do Leste.

Subsequentemente os peticionários foram despedidos depois de desertarem o que causou a crise que deixou 37 pessoas mortas e mais de 100,000 foram forçadas a fugir das suas casas.

Mas depois de quase dois anos à espera que Alfredo Reinado resolvesse os seus problemas, 490 dos soldados peticionários decidiram vir para um acampamento improvisado chamado Aitak Laran em Dili, e começar conversações com o governo sobre a re-integração nas forças militares.

FONSECA: Eles querem que as suas alegações de discriminação sejam respondidas e que o seu protesto seja respeitado – os direitos deles a protestar serem respeitados e a decisão do comando da F-FDTL de os demitir ser revogada.

MARCH: Ao mesmo tempo que o governo vê como positive o desenvolvimento em Aitak Laran, a situação com os peticionários permanece frágil.

Joaquim Fonseca admite que nem todos os peticionários estão a vir de boa vontade dos seus esconderijos nos distritos para se engajarem no diálogo.

Diz que a operação militar e policial conjunta que visa apanhar os amotinados responsáveis pelos ataques de 11 de Fevereiro deixou nervosos alguns dos peticionários que receiam serem injustamente visados pela F-FDTL e polícia.

FONSECA: Por causa da operação não podem apenas ficar em casa passivamente, por isso vieram até cá.

Os analistas concordam que pôr os peticionários juntos para o diálogo é um passo na direcção certa, mas que chegar a um acordo com ambos peticionários e forças militares pode ser um desafio.

Sofia Cason é do International Crisis Group em Dili

CASON: Penso que pode haver problemas quando começarem a fazer acordos com os peticionários porque quem está correntemente a servir nas F-DTL e vê que essas pessoas que desertaram e que se comportaram mal durante 2006 ou antes ou depois da crise pode começar a pensar "qual é o ponto de estar nas F-DTL se essa gente vai ser premiada por este tipo de comportamento?"

MARCH: Há também sinais positivos de alguns dos 100,000 deslocados pela violência de 2006 estar a preparar-se para deixar os seus abrigos improvisados nos campos de deslocados e regressar a casa.

Muitos dos que vivem nos campos de deslocados citavam os peticionários e Alfredo Reinado como razões para não se sentirem seguros para voltar para as suas casas.

Agora que Reinado está morto e que está eminente a resolução dos problemas dos peticionários, a Organização Internacional das Migrações diz que alguns dos deslocados estão a pensar aceitar o pacote de re-localização do governo e voltar para as suas casas.

Mas Sofia Cason do ICG diz que tem havido uma reacção mista entre os deslocados à morte do líder amotinado.

CASON: Alguns estão preocupados com as reacções dos apoiantes de Alfredo particularmente alguns dos do Leste pensam que alguns dos do Oeste nas suas comunidades possam reagir mal e isso acabará actualmente por impedi-los de regressar a casa durante algum tempo porque estão preocupados com as repercussões.

Outros pensam que a morte de A removeu o símbolo maior da divisão Leste/Oeste e que o problema acabará por morrer e que podem voltar a casa.

MARCH: Entretanto o governo da AMP liderado por Xanana Gusmão tem usado o progresso que está a ser feito com ambos os peticionários e os deslocados para agredir o antigo governo da Fretilin, acusando-o de ser responsável pelo desmoronar da lei e da ordem em 2006.

Numa declaração à imprensa, o Ministro para o Desenvolvimento Económico João Gonçalves disse que a nação tinha pago um preço pesado pela inépcia e auto-interesse da Fretilin, e que agora estavam fartos.

Arséenio Bano é o vice-presidente da Fretilin e membro da comissão parlamentar para a defesa, segurança e assuntos estrangeiros.

BANO: Penso que ele se devia focar na solução porque vemos ainda incerteza na solução para os peticionários e estamos ainda muito incertos acerca da sustentabilidade pacífica do país e não é altura para eles acusarem a Fretilin porque eles sabem muito bem que contribuíram para a crise.

2 comentários:

Anónimo disse...

Alo Dili

"In a press statement, the Minister for Economic Development Joao Gonsalves said the nation has paid a heavy price for the ineptitude and self-interest of Fretilin, and that they have now had enough".

Pura mentira seu ladrao estavas a roubar em Melbourne todos te conhecem da comunidade chinesa fugiste para Cains e recebias sempre os envelopes quem ia tratar os documentos.A tua mulher nao teve um contracto de 2,5 milhoes de dolares para compra de arroz. Oh seu corrupto nao venhas com historias enganas aqueles que nao te conhece. Onde foi o dinheiro do antigo CNRT vieste comprar maquinas para agricultura nada serviram.Nao venhas agora adravar conhecemos te bem.Sabias muito bem nao foi o Xanana e o Horta criaram os peticionarios e o Alfredo e o seu grupo nao viste o video do Alfredo.Estavas em Melbourne dois dias antes quando o Alfredo foi abatido dormiste em casa dum familiar meu.Xanana, horta e voces pagaram alto preco para aquilo que fizeram e para voces aprenderem nao foi o governo da Fretilin

O SEU GRANDE MENTIROSO E CORRUPTO

Adeus

De aikurus

Margarida disse...

Tradução:
TIMOR-LESTE: Peticionários procuram re-integração nas forças militares
ABC Radio Australia - 29/02/2008

Enquanto continua a caça aos amotinados Timorenses responsáveis pelos ataques de 11 de Fevereiro ao Presidente e Primeiro-Ministro, começam a aparecer vários efeitos positivos da morte do líder amotinado Alfredo Reinado.

Centenas de soldados peticionários ligados a Reinado e à sua causa vieram para Dili para começar conversas com os líderes do país acerca da re-integração pacífica nas forças militares e alguns dos 100,000 deslocados do país estão a falar de deixarem os campos de deslocados e voltarem para casa.

Apresentador - Stephanie March
Orador - Joaquim Fonseca, conselheiro do Primeiro-Ministro; Sofia Cason do International Crisis Group; Arsénio Bano, vice-presidente da Fretilin.

listen windows media >

MARCH: Nas semanas que se seguiram aos ataques aos líderes de Timor-Leste por Alfredo Reinado e seus seguidores que deixaram o Presidente ferido e Alfredo Reinado morto, muitos recearam que os incidentes pudessem causar mais instabilidade na jovem nação.

Mas parece que há efeitos positivos da morte de Reinado nos seus seguidores e no grupo dos soldados peticionários.

Joaquim Fonseca é um conselheiro do Primeiro-Ministro de Timor-Leste Xanana Gusmão e tem a seu cargo resolver o problema dos peticionários.

FONSECA: 142 Penso que a morte de AR fez muitos deles pensarem, o modo como Alfredo morreu fê-los pensar que a Guerra não é o melhor caminho a seguir para atingirem os seus objectivos especialmente porque o governo está aberto a falar com eles.

MARCH: Alfredo Reinado considerou-se ele próprio o líder do grupo de cerca de 600 soldados peticionários do Oeste do país, que desertaram dos seus quartéis em 2006 por causa de discriminação de oficiais de mais alta categoria dos distritos do Leste.

Subsequentemente os peticionários foram despedidos depois de desertarem o que causou a crise que deixou 37 pessoas mortas e mais de 100,000 foram forçadas a fugir das suas casas.

Mas depois de quase dois anos à espera que Alfredo Reinado resolvesse os seus problemas, 490 dos soldados peticionários decidiram vir para um acampamento improvisado chamado Aitak Laran em Dili, e começar conversações com o governo sobre a re-integração nas forças militares.

FONSECA: Eles querem que as suas alegações de discriminação sejam respondidas e que o seu protesto seja respeitado – os direitos deles a protestar serem respeitados e a decisão do comando da F-FDTL de os demitir ser revogada.

MARCH: Ao mesmo tempo que o governo vê como positive o desenvolvimento em Aitak Laran, a situação com os peticionários permanece frágil.

Joaquim Fonseca admite que nem todos os peticionários estão a vir de boa vontade dos seus esconderijos nos distritos para se engajarem no diálogo.

Diz que a operação militar e policial conjunta que visa apanhar os amotinados responsáveis pelos ataques de 11 de Fevereiro deixou nervosos alguns dos peticionários que receiam serem injustamente visados pela F-FDTL e polícia.

FONSECA: Por causa da operação não podem apenas ficar em casa passivamente, por isso vieram até cá.

Os analistas concordam que pôr os peticionários juntos para o diálogo é um passo na direcção certa, mas que chegar a um acordo com ambos peticionários e forças militares pode ser um desafio.

Sofia Cason é do International Crisis Group em Dili

CASON: Penso que pode haver problemas quando começarem a fazer acordos com os peticionários porque quem está correntemente a servir nas F-DTL e vê que essas pessoas que desertaram e que se comportaram mal durante 2006 ou antes ou depois da crise pode começar a pensar "qual é o ponto de estar nas F-DTL se essa gente vai ser premiada por este tipo de comportamento?"

MARCH: Há também sinais positivos de alguns dos 100,000 deslocados pela violência de 2006 estar a preparar-se para deixar os seus abrigos improvisados nos campos de deslocados e regressar a casa.

Muitos dos que vivem nos campos de deslocados citavam os peticionários e Alfredo Reinado como razões para não se sentirem seguros para voltar para as suas casas.

Agora que Reinado está morto e que está eminente a resolução dos problemas dos peticionários, a Organização Internacional das Migrações diz que alguns dos deslocados estão a pensar aceitar o pacote de re-localização do governo e voltar para as suas casas.

Mas Sofia Cason do ICG diz que tem havido uma reacção mista entre os deslocados à morte do líder amotinado.

CASON: Alguns estão preocupados com as reacções dos apoiantes de Alfredo particularmente alguns dos do Leste pensam que alguns dos do Oeste nas suas comunidades possam reagir mal e isso acabará actualmente por impedi-los de regressar a casa durante algum tempo porque estão preocupados com as repercussões.

Outros pensam que a morte de A removeu o símbolo maior da divisão Leste/Oeste e que o problema acabará por morrer e que podem voltar a casa.

MARCH: Entretanto o governo da AMP liderado por Xanana Gusmão tem usado o progresso que está a ser feito com ambos os peticionários e os deslocados para agredir o antigo governo da Fretilin, acusando-o de ser responsável pelo desmoronar da lei e da ordem em 2006.

Numa declaração à imprensa, o Ministro para o Desenvolvimento Económico João Gonçalves disse que a nação tinha pago um preço pesado pela inépcia e auto-interesse da Fretilin, e que agora estavam fartos.

Arséenio Bano é o vice-presidente da Fretilin e membro da comissão parlamentar para a defesa, segurança e assuntos estrangeiros.

BANO: Penso que ele se devia focar na solução porque vemos ainda incerteza na solução para os peticionários e estamos ainda muito incertos acerca da sustentabilidade pacífica do país e não é altura para eles acusarem a Fretilin porque eles sabem muito bem que contribuíram para a crise.

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.