quarta-feira, maio 28, 2008

UNMIT Daily Media Review - 28 May 2008
(International news reports and extracts from national media. UNMIT does not vouch for the accuracy of these reports)

Ministry of Justice: the Government does not need to report to NP about its recommendations – Diario Nacional and Televisaun Timor-Leste

Minister of Justice Lucia Lobato said that the Ministry of Justice does not need to notify the National Parliament on what they have recommended to the president.

Minister Lucia Lobato said that the Constitution does not say that the President has to inform the National Parliament before giving pardon to prisoners.

“All of us know, especially the deputies, know the duty in all institutions of the Government based on the Constitution.

What is the authority of Parliament, the Government’s authority, President’s authority and the Court’s authority? Each institution has its own area of authority to carry on as the constitution states.

In connection with the pardoning of prisoners by the President, particularly the deputies want to know about prisoner Rogerio Lobato. I think Constitution does not say that when President wants to extend forgiveness to the prisoners he must inform the deputies in National Parliament.

If it is written in Constitution, I humbly ask the deputies to show me the article,” said Minister Lobato.

She also said that the Ministry of Justice still has not received any information from the president about granting pardons to the prisoners as the case is being taken to court.

ASDT withdraw from AMP – Timor Post, Suara Timor Lorosa’e, Diario Nacional, Radio Timor-Leste and Televisaun Timor-Leste

The Social Democratic Association of Timorese (ASDT) decided to withdraw form the Alliance of Majority in Parliament (AMP) on Tuesday (27/5), saying that the party’s has not yet received any response from Prime Minister Xanana Gusmão on its demands.

ASDT President Francisco Xavier do Amaral stated that ASDT is no longer a part of AMP. Any difficulties people face can be directly addressed to CNRT, PD and PSD.

Earlier ASDT had proposed to Prime Minister Xanana Gusmão to remove the Minister of Commerce and Tourism Gil da Costa Alves and the State Secretary of Environment Abilio Lima from their positions. ASDT is also asking the Prime Minister to place ASDT members as much as possible in the role of ambassador, district and sub-district administrators in areas where the party received the majority of more votes during parliamentary elections.

“Up until now we have no response from the Prime Minister. Such political dynamics may have a strong impact on the economic crisis in the country and people will lose their confidence in the AMP,” said ASDT President Xavier do Amaral on Tuesday (27/5) in Lecidere, Dili.

Mr. Xavier said that people’s lives were getting more difficult as the large state budget approved by the National Parliament has not yet reached the people.

“Starting from today (27/5), we declare directly to the people that everything that is going wrong is the fault of AMP fault. Just ask CNRT, PD and PSD. ASDT has no responsibility anymore for decisions made by the AMP Government,” he said.

ASDT President Xavier do Amaral also said that he is still concerned with some of his members’ statements that they want to be independent MPs in the parliament.

“I (Xavier) ask them (ASDT members) to respect to the votes of ASDT supporters when they make decisions. The members in the parliament have rights and in a democracy can do it. But they were not voted in by the parliament/government. They were chosen by the ASDT supporters to take a seat in parliament, so they have to follow ASDT. They are free to discuss anything but we [ASDT] do not regard them as ASDT members and their statements are not considered as representing the party,” said Xavier.

Another ASDT member of the NP, João Manuel Carascalão said the as an MP will continue to support the AMP Government.

“As an MP, I have a moral conscience and a big responsibility to serve the community and state, not only the party.

In parliament, we are the representatives of the community, not only the representative of the party,” said Mr. Carrascalão.

With other ASDT MPs, Mr. Carrascalão said that they are not concerned about ASDT's decision concerning them.

PNTL human rights violation against people continues to take place – Televisaun Timor-Leste

A human rights violation victim, Silvina Assuncão de Jesus yesterday (27/5) reported her case to Committees A and B in the National Parliament. Silvina said the case occurred when the members of the Task Force forced them to leave the place where they were staying. At that time, the members of Task Force destroyed the victim's kiosk, causing here to lose approximately US$200. Ms. Silvina is asking the Government to reimburse her loss.

In a separate matter, Chefe Aldeia of Caicoli, Tomas Jose Goncalves said the Government should inform the local authority in the community before they send the population to live there.

“If the Government wants to relocate some part of the population to any place in the community, they have to make an agreement or hold a dialogue with us first so that we can be on the alert and prevent any disturbances. Also, we can know whether those people have their own house or not”, explained Tomas.

In response to this case, President of Committee A, Antoninho Bianco said he has instructed the victim to report the incident to the PNTL in order to investigate those members who tortured the population.

“Some of members of the Task Force yesterday tortured a victim in Caicoli. In relation to this, we have directly contacted the PNTL and asked them to gather evidence from the victim to thoroughly investigate all the parties involved. Also, we have also contacted the Provider of Human Rights and asked them to also gather evidence from the victim, so that if there is no follow-up from PNTL about this case, the Provider of Human Rights can present this case to General Prosecutor to be investigated”, confirmed Bianco.

The Commander of Joint Operation Command Filomeno Paixão said the JOC also has taken any measures regarding human rights violations which were allegedly committed by the members of the F-FDTL during its field operations. According to Filomeno, 73 cases have been identified so far - 39 of the cases were committed by F-FDTL and the other 34 were committed by the UN.

Ministry of Finance to present audit report – Televisaun Timor-Leste

Minister of Finance Emilia Pires said that the internal audit report of the former Government is ready to be presented to the parliament.

“As discussed with the auditors, auditing processes generally take a long time to do complete as they conduct the audit unit by unit. The report has been prepared and still need some work as the previous government did not have a good system in place.

There are no documents and audit archive and it is difficult to find the auditing files,” said Minster Emília.

Fretilin-PUN: unhappy with NP plan to buy 65 cars for MPs – Timor Post

MPs from PUN and Fretilin have reacted strongly to the plan of the National Parliament to buy new 65 cars [Toyota Prado] for the 65 MPs in parliament. According to PUN-Fretilin, saying it is unconscionable to proceed with this plan while the people are suffering.

MP Fretilin Aniceto Guterres said that initially Fretilin did not accept the plan of buying cars for the MPs as people are starving due to the food crisis.

“I concur that the parliament need cars to carry out assessments and other duties, but not cars for every MP,” lamented Mr. Guterres.

PUN MP Fernanda Borges said that her party is in the parliament to represent people and she is happy with US$10 per diem [per day. There is no need for cars as the cars are so expensive and will put too much strain on the State budget.

“For me this is a serious step to take for the State. If the cars are bought for the current MPs, then the next MPs will also need cars, as we do now,” questioned Ms. Borges.

The Vice President of the National Parliament Maria Paixão said that the cars will be bought to facilitate the work of the MPs and may be sold at a lower price.

UNDP Finds "No Mal-Intent" For Money Herfkens Is Asked to Return, Charges Denied – Inner City Press [at the UN: News Analysis], 27 May

Dutch parliamentarians are demanding that Evelyn Herfkens, who took $7000 a month rent from her government while ostensibly working only for the UN Development Program, repay the money. This despite a letter last week from UNDP's Kemal Dervis, attempting to whitewash the scandal.

Dervis acknowledges that Herfkens had been handed a copy of the rules which she went ahead and broke, and that governments are charged with knowing these rules. But he concludes, on what basis is not clear, that there was no intention to break the rule, no "mal-intent."

So $280,000 in illegally received money can be kept? The UN speaks from time to time again impunity. But UNDP, even when it’s Administrator admits that rules have been broken, tries to promote impunity.

UNDP's Dervis frames the issue, Herfkens $ and PRO-FIT and Zimbabwe answers not shown

Similarly, in Timor Leste, UNDP continues to pay Roque Rodrigues, the former defense minister who the UN's commission of inquiry said should be prosecuted for handing out guns to mobs. On May 22, UNDP partially answered these follow-up questions, posed on May 14:

Is UNDP paying Rodrigues' salary?
You say that Rodrigues "does not have any UN status."

What do you mean; he is a contractor, right?
Isn't this his status -- he holds a SSA contract with UNDP? Or are you referring to privileges and immunities; that he has no such status, given that he is a contractor?

Did the Govt of Timor Leste specifically request that UNDP hire Mr. Rodrigues as a consultant?

If so, which official made this request?

UNDP responded that "anyone one on a consultant/SSA contract has only functional immunity so his UN status has no bearing on any potential legal developments in Timor Leste relating to developments prior to his employment with the UN.

In fact, the only immunity he may have relates to his membership of the Council of State. Lifting that would require a decision by the President of the country. The SRSG has already spoken to the President about this who confirmed that he would do so.

The UN in Timor Leste continues to support the work of the Commission of Inquiry is committed to full accountability for all those whom the report names."

On May 22, Inner City Press asked UNDP some questions, some of which have so far been answered as noted below:

Q: What ever happened to the promised investigation by OAPR of UNDP's award of no-bid contracts to a firm called PRO-FIT?

At the time, UNDP promised its own investigation. did it ever happen? Will UNDP make it public? So far not answered.
UNDP claimed a couple months ago that internal investigations and a Kimberly Process investigation had cleared UNDP from any wrongdoing in Zimbabwe, concerning UNDP’s Support of Diamond Mining Operations.

But UNDP refuses to make public the investigations.

What is the basis for UNDP not sharing copies of these investigation reports: Will UNDP releases the reports? So far not answered.

Q: Has UNDP hired consultants whose responsibilities include monitoring the computers and communications of staff and other consultants? If yes, are Mr. Dervis and/or Mr. Melkert aware of this monitoring, and are they given any of the information that is collected? Does UNDP or these consultants monitor the computers or communications of the Independent Review Panel?

Partially answered: “On the issue of the monitoring, UNDP does not have any consultants or staff or anyone "whose responsibilities include the monitoring of computers and communications of staff and other consultants." (To use your words). We, of course, are not in any way shape or form monitoring the computers of the Independent Review Panel. Frankly, allegations that UNDP would be involved in such practices are just downright preposterous."

We'll see.
Q: Beyond UNDP, what about the question of UN requiring letter from a media's country's mission for accreditation?

Answered thusly: "I have been advised that for regular accreditation missions do not get involved. However, they do get involved when a visiting senior official travels with a press corps. In those instances, the mission would sent the UN Media Accreditation and Liaison Unit a list of journalists who need to get a one or two day pass."

We less sure of this last answer, as several journalists have been asked to get letters from their country's mission to the UN Developing.

E Timor army denies abuse claims – BBC News, 27 May

At sunset, Dili's sweeping coastline echoes back the sounds of the city: the sellers of snacks and cigarettes; the tinny music leaking from foreign-owned bars; the occasional motorbike rezoning along the beach road.

One wonders what it all sounds like to Gastao Salsinha, under lock and key in a military house.

For two years the noises he slept to were those of the mountainous jungle where he hid with his men - almost 600 of them, former soldiers whose sacking from the army led to a spate of political violence.

Their complaint - that the army discriminated against those from the west of the country - opened up old wounds in the capital between Timorese from the eastern districts and those from the west.

It was while negotiations to resolve this dispute were going on in February that some of the group launched a double attack on the president and prime minister.

Now Mr Salsinha and others suspected of involvement in that attack are in custody in Dili.

But after two years of failing to catch them, how did East Timor's armed forces get them down to the capital without firing a shot?

Special joint command
Filomeno Paixão is the man in charge of the operation; head of a specially-created unit combining the army and the police under one joint command.

First, he told me, it had been his conviction that Mr Salsinha would surrender given the right opportunity.

The army had spent a lot of time, he said, spreading the word that they would not shoot Mr Salsinha; and getting the local community, his family, and church leaders to use their influence with him.

The joint command has been widely praised for its success.

Two years ago, during the crisis following the sacking of the soldiers, the army and police were shooting each other in the streets of Dili; now they are pulling off sensitive psychological operations in East Timor's rural areas.

“When the army arrived, they gathered everyone together and said if the rebels didn't hand themselves in, they'd kill us.”

Commander Paixão says the operation relied on persuasion. But some of those close to the operation say it went further than that.

Villages 'threatened'
The road through Ermera's mountainous interior eventually gives out, and reaching the villages targeted by the army means coaxing a car up steep shale paths and along narrow, grassed-over tracks.

In the first place we stopped in was a hamlet of coffee farmers. They gathered round to describe the effects of the army operation.

They told us that they were not allowed to go to their fields for a week. The army threatened that if Salsinha did not surrender, they would not harvest their crops, they said.

This is coffee country.
Coffee is East Timor's main non-oil export, and a financial lifeline for people here.

According to the UN, blanket restrictions like the ones they described would be illegal - even during military operations.

But that is not all they had to say.

One young man told me: "When the army arrived, they gathered everyone together and said if the rebels didn't hand themselves in, they'd kill us."

"That's true," his friend said.

There are other, far more serious, allegations being talked about here, but no evidence for them as yet.

Beatings
Rumors travel fast in East Timor, and there are political reasons why the people of Ermera might want to discredit the army - this is, after all, a western district, and the place Salsinha and the other rebels chose to run to.

But then there are reasons, too, why the army might want to put pressure on the people here.

At a neighboring village, we met the brother of one of the rebel soldiers the army was looking for.

He told me: "They took me from my house and beat me on my back and stomach, using their hands, feet, and also guns."

"They were asking 'Where is your brother?' I told them I didn't know, but they beat me anyway."

His village chief told us there were eight others from this community who had been through the same experience. According to him, one was an elderly woman.

Ermera is the place the rebels chose for protection, but when I talked to people about Mr Salsinha and his family, they were angry.

'Furious'

"Mad" and "furious" are the words they used.

And that chill wind has reached the house of Mr Salsinha's wife, down in the district capital, Gleno.

During the operation, she said, local people began issuing threats against her family.

It was one of the factors - though she says not the over-riding one - that helped persuade her husband to turn himself in.
Commander Paixão denies the army ill-treated any civilians during the operation.

He told me he had sent two teams to the area to investigate reports of abuses, but that none had been found to be true.

Investigations are also being carried out by the UN and the Timorese parliament.

The joint command, meanwhile, has not yet been given a date for its disbandment.

Many analysts and politicians agree deep-seated reform of East Timor's army and police is needed to avoid future crises, but the military's success in bringing in Mr Salsinha and his men could well make that job harder rather than easier.

Mr Salsinha may be back in town, his rump of a rebel army may be neutralized, and the security situation may be judged to be calmer.
But there are many other challenges that this unstable country has yet to address.

Political factor still decisive for Timor’s Asean bid – The Star, 28 May

OVER the weekend, Timor Leste President Jose Ramos-Horta pledged that his country would not “embarrass” Asean as a “basket case” like Myanmar.

He was addressing the international media in Singapore over Timor Leste’s bid to join Asean by 2012. But his statement conflicts with some key Asean realities.

Timor Leste is among the poorest countries in the neighborhood. But doubts about a budding member’s socio-political environment worries Asean more than its economic status.

Since the president has compared his country with Myanmar, what differences and similarities are there?

Like Myanmar, Timor Leste is rich in natural resources yet to be tapped fully. But unlike a Myanmar with diminishing timber resources and precious stones riding on tourism, Timor Leste is endowed with oil and gas that can attract lucrative foreign contracts.

Also unlike Myanmar, the fledgling government of Timor Leste enjoys much international goodwill. Developing its economy would see enthusiastic international support, quite unlike Myanmar.

So Timor Leste’s economics is not at issue in hopes of joining Asean. But like Myanmar, its problem is unresolved political turmoil from deep-seated social fissures.

Ramos-Horta may say Timor Leste is democratic, unlike Myanmar, but his country is not seeking to join the European Union. In the experience of Asean countries, the larger priorities are political stability, national security and social peace.

Myanmar’s problem is that these priorities do not converge, and officials still seem determined not to resolve the roots of the predicament. Myanmar embarrasses, frustrates and stymies Asean not with economic backwardness but political underdevelopment.

Timor Leste’s stability, security and peace have been devastated not just with the police and military fighting each other, but also feuding groups of soldiers approaching civil war. Rioting that erupted in 2006 continued into 2007, with attacks on both the prime minister and president as Ramos-Horta only just survived an assassination attempt this year.

In the 1990s, Cambodia’s bid to join Asean was delayed because of such internecine strife. Timor Leste would do well to learn from such past examples.

Myanmar was admitted into Asean with what now looks like naive hopes of Yangon undertaking promised reforms. After the carrot of Asean membership failed to work, some speculated in vain on the stick of suspending its membership.

Timor leaders are mistaken if they think Asean membership hangs on economic development. Emphasis should be on settling the country’s in festering social and political problems, not looking to future economic attainments.

The-then East Timor “left” Indonesia in 1999 and formally gained independence in 2002, but even now Timor Leste’s tribal rifts and factional ruptures remain unresolved. Ramos-Horta said 2012 had been set as a target to help expedite reform efforts, but that will not work if priorities are misaligned towards economics.

Differences in economic development among Asean countries have slowed integration and limited policy streamlining, but all hopes of growth, investment and trade can be scupper with continued political turmoil and serious uncertainties. That is a basic reality which all Asean member nations have learned the hard way.

Timor Leste is located within the Asean region largely because Indonesian rule “located” itself within the former Portuguese Timor. Anthropologically and culturally, Timor’s Austronesian and Melanesian roots place it more distantly.

Timor leaders once had antipathy for Asean, but that was overcome after Indonesia’s Suharto regime expired.
As a small novice nation next to two giants, Indonesia and Australia, sovereign Timor Leste today may feel more secure in an Asean based on equal membership rights and group consensus.

But Asean has always been about sustaining stability through core security built on a fraternal peace, after which economic prospects can proceed unhindered. Timor leaders need to internalize this formula for Asean success.



UNMIT MEDIA MONITORING
www.unmit.org

2 comentários:

Margarida disse...

Tradução:
UNMIT Revista Diária dos Media - 28 Maio 2008
(Relatos de notícias internacionais e extractos de media nacionais. A UNMIT não garante a correcção destes relatos)

Ministério da Justiça: o Governo não precisa de relatar ao PN acerca das suas recomendações – Diario Nacional and Televisaun Timor-Leste

A Ministra da Justiça Lúcia Lobato disse que o Ministério da Justiça não precisa de notificar o Parlamento Nacional sobre o que recomendaram ao presidente.

A Ministra Lúcia Lobato disse que a Constituição não diz que o Presidente tem de informar o Parlamento Nacional antes de perdoar os presos.

“Todos nós sabemos, especialmente os deputados, conhecemos as obrigações em todas as instituições do Governo baseadas na Constituição.

Qual é a autoridade do Parlamento, a autoridade do Governo, a autoridade do Presidente e a a autoridade dos Tribunais? Cada instituição tem a sua área de autoridade para desenvolver como a constituição do Estado.

Em conexão com o perdão dos presos pelo Presidente, particularmente os deputados querem saber acerca do preso Rogério Lobato. Penso que a Constituição não diz que quando o Presidente quer perdoar presos que deve informar os deputados do Parlamento Nacional.

Se isso está escrito na Constituição, peço humildemente aos deputados para me mostrarem o artigo,” disse a Ministra Lobato.

Disse ainda que o Ministério da Justiça ainda não recebeu informações do presidente sobre a doação de perdões aos presos dado que o caso está a ser levado a tribunal.

ASDT retira-se da AMP – Timor Post, Suara Timor Lorosa’e, Diario Nacional, Radio Timor-Leste e Televisaun Timor-Leste

A Associação Social Democrática Timorense (ASDT) decidiu retirar-se da Aliança da Maioria no Parlamento (AMP) na Terça-feira (27/5), dizendo que o partido ainda não recebeu nenhuma resposta do Primeiro-Ministro Xanana Gusmão sobre os seus pedidos.

O Presidente da ASDT Francisco Xavier do Amaral afirmou que a ASDT já não faz mais parte da AMP. Quaisquer dificuldades que as pessoas enfrentem podem ser dirigidas directamente ao CNRT, PD e PSD.

Antes a ASDT tinha proposto ao Primeiro-Ministro Xanana Gusmão remover o Ministro do Comércio e Turismo Gil da Costa Alves e o Secretário de Estado do Ambiente Abilio Lima dos seus postos. A ASDT pediu ao Primeiro-Ministro para colocar membros da ASDT tanto quanto possível no papel de embaixadores, administradores de distrito e sub-distrito em áreas onde o partido recebeu a maioria de mais votos nas eleições parlamentares .

“Até agora não tivemos nenhuma resposta do Primeiro-Ministro. Tais dinâmicas políticas podem ter um forte impacto na crise económica do país e as pessoas perderão confiança na AMP,” disse o Presidente da ASDT Xavier do Amaral na Terça-feira (27/5) em Lecidere, Dili.

O Sr. Xavier disse que a vida das pessoas está a ficar mais difícil dado que o grande orçamento do Estado aprovado pelo Parlamento Nacional ainda não alcançou as pessoas.

“A começar hoje (27/5), declaramos directamente ao povo que tudo o que acontecer de errado é da culpa da AMP. Peçam apenas ao CNRT, PD e PSD. A ASDT já não tem nenhuma responsabilidade pelas decisões do Governo da AMP,” disse ele.

O Presidente da ASDT Xavier do Amaral disse ainda que está preocupado com algumas das afirmações dos seus membros que querem ficar como deputados independentes no parlamento.

“Eu (Xavier) peço a eles membros da (ASDT) para respeitarem os votos dos apoiantes da ASDT quando tomarem decisões. Os deputados têm direitos e numa democracia podem fazer isso. Mas eles não foram votados pelo parlamento/governo. Eles foram escolhidos pelos apoiantes da ASDT para assumirem um lugar no parlamento, assim eles devem seguir a ASDT. Eles são livres de discutir o que quiserem mas nós na ASDT não os encaramos como membros da ASDT e as suas afirmações não são consideradas como representando o partido,” disse Xavier.

Um outro membro da ASDT no PN , João Manuel Carascalão disse que como deputado continuará a apoiar o Governo da AMP.

“Como deputado, tenho consciência moral e uma grande responsabilidade de servir a comunidade e o Estado, não apenas o partido.

No parlamento, somos os representantes da comunidade, não apenas representantes do partido,” disse o Sr. Carrascalão.

Com outros deputados da ASDT, o Sr. Carrascalão disse que não estão preocupados com a decisão da ASDT sobre eles.

PNTL violações de direitos humanos contra o povo continuam a ocorrer – Televisaun Timor-Leste

Uma vitima de violação de direitos humanos, Silvina Assunção de Jesus relatou ontem (27/5) o seu caso aos Comités A e B no Parlamento Nacional . Silvina disse que o seu caso ocorreu quando membros da Task Force os forçaram a sair do sítio onde estavam. Nessa altura, os membros da Task Force destruiram o quiosque da vítima, causando-lhe danos de aproximadamente US$200. A Srª Silvina está a pedir que o Governo a indemnize das suas perdas.

Numa matéria separada, o Chefe de Aldeia de Caicoli, Tomás Jose Gonçalves disse que o Governo devia informar a autoridade local na comunidade antes de mandar a população ir viver para lá.

“Se o Governo quer re-assentar parte da população em qualquer lugar na comunidade, tem de fazer um acordo ou ter um diálogo connosco antes para podermos estar em alerta e prevenir quaisquer distúrbios. Também, podemos saber se essas pessoas têm casas próprias ou não ”, explicou Tomas.

Em resposta a este caso, o Presidente do Comité A, Antoninho Bianco disse que tinha instruido a vítima para reportar o incidente à PNTL de modo a investigarem os membros que torturaram a população.

“Ontem alguns dos membros da Task Force torturaram uma vítima em Caicoli. Em relação a isto, contactámos directamente a PNTL e pedimos-lhe para juntarem evidência da vítima para investigarem correctamente todas as partes envolvidas. Contactámos também o Provedor dos Direitos Humanos e pedimos-lhe para também juntarem evidência da vítima, para que se a PNTL não seguir este caso, o Provedor de Direitos Humanos possa apresentar este caso ao Procurador-Geral para ser investigado”, confirmou Bianco.

O Comandante do Comando da Operação Conjunta Filomeno Paixão disse que o COC tomou medidas relativas a violações de direitos humanos que foram alegadamente cometidas por membros das F-FDTL durante as suas operações de campo. De acordo com Filomeno, 73 casos foram identificados até agora - 39 dos casos foram cometidos pelas F-FDTL e os outros 34 foram cometidos pela ONU.

Ministério das Finanças vai apresentar relatório de auditoria – Televisaun Timor-Leste

A Ministra das Finanças Emília Pires disse que o relatório da auditoria interna ao antigo Governo está pronto para ser apresentado ao parlamento.

“Conforme discutido com os auditores, o processo de auditoria geralmente demora muito tempo para estar completo dado que eles conduzem a auditoria unidade a unidade. O relatório tem sido preparado e precisa ainda de algum trabalho dado que o governo anterior não tinha um bom sistema.

Não há arquivo de documentos e de auditoria e é difícil encontrar os arquivos de auditoria,” disse a Ministra Emília.

Fretilin-PUN: descontentes com o plano do PN de comprar 65 carros para deputados – Timor Post

Deputados do PUN e Fretilin reagiram fortemente ao plano do Parlamento Nacional para comprar 65 carros novos [Toyota Prado] para os 65 deputados no parlamento. De acordo com a PUN-Fretilin, é inconstitucional prosseguir com este plano enquanto o povo está a sofrer.

O deputado da Fretilin Aniceto Guterres disse que inicialmente a Fretilin não aceitou o plano de compra de carros para os deputados quando o posso está com fome devido à crise alimentar.

“Concordo que o parlamento precisa de carros para desenvolver avaliações e outras obrigações, mas não carros para todos os deputados,” lamentou o Sr. Guterres.

A deputada do PUN Fernanda Borges disse que o seu partido está no parlamento para representar o povo e que está contente com os US$10 por dia. Não há necessidade alguma de carros dado que os carros saem caro e vão pôr muita pressão no orçamento do Estado.

“Para mim este é um passo sério que o Estado toma. Se os carros forem comprados para os deputados correntes então os próximos deputados vão também precisar de carros como nós agora,” questionou a Srª Borges.

A Vice-Presidente do Parlamento Nacional Maria Paixão disse que os carros vão ser comprados para facilitar o trabalho dos deputados e podem ser vendidos a um preço mais baixo.

UNDP descobre "Não má intenção" para o dinheiro que foi pedido a Herfkens para devolver, Acusação negada – Inner City Press [na ONU: News Analysis], 27 Maio

Deputados Holandeses estão a pedir que Evelyn Herfkens, que recebeu $7000 por mês de renda do governo dela enquanto trabalhava apenas para o Programa de Desenvolvimento da ONU, reponha o dinheiro. Isto, apesar duma carta da semana passada de Kemal Dervis da UNDP, numa tentativa de branquear o escândalo.

Dervis reconhece que foi entregur a Herfkens uma cópia das regras que ela rompeu e os governos são obrigados a conhecer essas regras. Mas ele conclui, sobre bases que não estão claras, que não houve intenção de quebrar a lei, nenhuma "má-intenção."

Assim $280,000 em dinheiro ilegalmente recebido pode ser mantido? De vez em quando a ONU fala acerca de impunidade. Mas o UNDP, mesmo quando administradores seus admitem que houve regras quebradas, tenta promover a impunidade.


Dervis do UNDP armadilha a questão, e respostas a Herfkens $ PRO-FIT e Zimbabwe não mostradas

Similarmente em Timor-Leste, o UNDP continua a pagar a Roque Rodrigues, o antigo ministro da defesa que a comissão de inquérito da ONU disse que devia ser processado por ter entregue armas a multidões. Em 22 de Maio, o UNDP respondeu parcialmente a estas questões colocadas em 14 de Maio:

Está o UNDP a pagar o salário de Rodrigues?
Diz que Rodrigues "não tem qualquer estatuto na ONU."

O que é que quer dizer; ele está contratado, certo?
Não é esse o estatuto dele – ele tem um contrato SSA com o UNDP? Ou está-se a referir a privilégios e imunidades que ele não tem um tal estatuto, dado que ele é um contratado?

O Governo de Timor-Leste pediu especificamente que o UNDP contratasse o Sr. Rodrigues como consultor?

Se sim, que entidade oficial fez esse pedido?

O UNDP respondeu que "qualquer pessoa com um contrato SSA/consultor tem apenas imunidade funcional por isso o seu estatuto ONU não tem qualquer influência ou qualquer potencial desenvolvimento legal em Timor Leste relacionado com desenvolvimentos antes da sua contratação com a ONU.

De facto, a única imunidade que ele pode ter tem a ver em ser membro do Conselho de Estado. Levantar isso requer uma decisão do Presidente do país. O SRSG já falou com o Presidente acerca disso que confirmou que o faria.

A ONU em Timor-Leste continua a apoiar o trabalho da Comissão de Inquérito e está comprometida pela total responsabilização de todos cujos nomes e relatório nomeia."

Em 22 de Maio, Inner City Press fez ao UNDP algumas perguntas, algumas das quais até agora foram respondidas como se anota em baixo:

Q: O que é que aconteceu a uma prometida investigação pela OAPR da entrega sem concurso pelo UNDP de contratos a uma firma chamada PRO-FIT?

Na altura, o UNDP prometeu uma investigação própria, alguma vez a fez?
Vai o UNDP torná-la pública? Até agora não respondido.
O UNDP afirmou há um par de meses atrás que investigações internas e uma investigação ao Kimberly Process tinha elibado o UNDP de qualquer má conduta no Zimbabwe, relativo a apoioo do UNDP a Operação de Mineração de Diamantes.

Mas o UNDP recusa tornar públicas as investigações.

Em que base o UNDP não partilha cópias desses relatórios da investigação: O UNDP emitirá os relatórios? Até agora não respondido.

Q: O UNDP contratou consultores cujas responsabilidades incluem monitorizar computadores e comunicações de pessoal e outros consultores? Se sim, sabem os S. Dervis e/ou Sr. Melkert desta monitorização, e foi-lhes dada qualquer informação que é recolhida? O UNDP ou esses consultores monitorizam os computadores ou comunicações do Independent Review Panel?

Parcialmente respondida: “Na questão da monitorização, o UNDP não tem consultores ou empregados ou ninguém "cujas responsabilidades inclua a monitorização de computadores e comunicações de empregados e outros consultores." (Para usar as suas palavras). Nós, obviamente, não estamos de qualquer modo ou forma a monitorizar os computadores do Independent Review Panel. Francamente, alegações que o UNDP se envolveria em tais práticas são simplesmente ilógicas."

Veremos.
Q: Para além do UNDP, que tal sobre a pergunta da ONU pedir carta para acreditação duma media do país da missão?

Respondida desta forma: "Foi avisado que para acreditações normais as missões não se devem envolver. Contudo, elas envolvem-se quando entidades oficiais de topo em visita viajam com grupos de media. Nestes casos, a missão enviará à Unidade de Acreditação de Media da ONU e à Unidade de Ligação uma lista de jornalistas que precisa de obter passes de um ou dois dias."

Temos menos certeza desta última resposta, dado que a vários jornalistas foi pedido para obterem cartas das missões dos países para a UN Developing.

Forças Armadas de Timor-Leste nega queixas de abusos – BBC News, 27 Maio

Ao pôr do sol, a envolvente linha de costa de Dili ecoa o eco dos sons da cidade : os vendedores de snacks e cigarros; a música metálica dos bares de donos estrangeiros; a repartição da motorizada ocasional ao longo da estrada da praia.

Uma pessoa pergunta-se como é que tudo isto soa a Gastãoo Salsinha, preso numa casa dos militares.

Durante dois anos os sons com que adormeceu eram os da selva montanhosa onde se escondia com os seus homens – quase 600 deles, antigos soldados cujo despedimento das forças armadas levou a um episódio de violência política.

A queixa deles – que as forças armadas discriminavam contra os do oeste do país – abriram velhas feridas na capital entre Timorenses dos distritos do leste e os do oeste.

Foi enquanto se processavam negociações para resolver esta disputa em Fevereiro que alguns do grupo lançaram um duplo ataque contra o presidente e o primeiro-ministro.

Agora o Sr Salsinha e outros suspeitos de envolvimento nesse ataque estão em custódia em Dili.

Mas depois de dois anos de falhanço para os apanhar, como é que as forças armadas de Timor-Leste os trouxeram para a capital sem disparar um tiro?

Comando conjunto especial
Filomeno Paixão é o homem responsável da operação; responsável duma unidade criada especialmente combinando as forças armadas e a polícia sob um comando conjunto .

Primeiro, contou-me ele, era convicção dele que o Sr Salsinha se renderia se lhe fosse dado a oportunidade certa.

As forças armadas tinham passado muito tempo, disse ele, a espalhar a palavra de que não baleariam o Sr Salsinha; e a pedir à comunidade local, sua família, e líderes da igreja para usarem a sua influência com ele .

O comando conjunto tem sido elogiado amplamente pelo seu sucesso.

Há dois anos atrás, durante a crise que se seguiu ao despedimento dos soldados, as forças armadas e a polícia andaram aos tiros uns contra outros nas ruas de Dili; agora andam em operações psicológicas sensíveis nas áreas rurais de Timor-Leste.

“Quando as forças armadas chegaram, juntaram toda a gente e disseram que se os amotinados não se entregassem que nos matariam .”

O Comandante Paixão diz que a operação se apoiou na persuasão. Mas alguns próximos da operação dizem que foi mais longe que isso.

Aldeias 'ameaçadas'
A estrada através do interior montanhoso de Ermera eventualmente chega ao fim e para chegar às aldeias visadas pelas forças armadas significa persuadir um carro subir por vias escarpadas de xisto e por caminhos estreitos cobertos de erva.

No primeiro sítio onde parámos foi num vilarejo de cultivadores de café. Eles juntaram-se à volta para descrever os efeitos da operação das forças armadas.

Disseram-nos que não foram autorizados a ir para os seus campos durante uma semana. As forças armadas ameaçaram que se Salsinha não se rendesse, não colheriam as suas produções, disseram eles.

Este é o país do café.
O café é a principal exportação além do petróleo, e uma linha de vida financeira para as pessoas aqui.

De acordo com a ONU, restrições abrangentes como as que eles descreveram seriam ilegais – mesmo durante operações militares.

Mas não foi isso tudo o que eles disseram.

Um jovem disse-me: "Quando as forças armadas chegaram, juntaram toda a gente e disseram que se os amotinados não se rendessem matavam todos nós."

"Isso é verdade," disse o amigo dele.

Há outras, muito mais graves, alegações de que se fala, mas ainda sem nenhuma evidência .

Espancamentos
Os rumores viajam depressa em Timor-Leste, e há razões políticas para o povo de Ermera poder querer descredibilizar as forças armadas – este é, no fim de contas um distrito do oeste, e o sítio para onde Salsinha e os outros amotinados escolheram fugir.

Mas há também razões, para as forças armadas poderem querer pôr pressão sobre o povo de lá.

Numa aldeia vizinha, encontramos o irmão dum dos soldados amotinados que as forças armadas procuravam.

Ele disse-me: "Tiraram-me da minha casa e espancaram-me nas costas e estômago, usando as mãos, pés e também armas."

"Perguntavam 'Onde está o teu irmão?'Disse-lhes que não sabia, mas espancavam-me na mesma."

O chefe desta aldeia contou-nos que havia outros oito desta comunidade que tinham passado pela mesma experiência. De acordo com ele um era uma mulher idosa.

Ermera é o local que os amotinados escolheram para se proteger, mas quando falei às pessoas acerca do Sr Salsinha e da sua família, ficaram zangados.

'Furioso'

"Maluco" e "furioso" são as palavras que usaram.

E esse vento gelado chegou à casa da mulher do Sr Salsinha, em baixo, na capital do distrito, Gleno.

Durante a operação, disse ela, pessoas locais começaram a emitir ameaças contra a sua família.

Esse foi um dos factores – apesar dela dizer que não foi o mais importante – que ajudou a persuadir o marido a render-se.
O Comandante Paixão nega que as forças armadas maltrataram qualquer civil durante a operação.

Ele contou-me que enviou duas equipas para a área para investigar relatos de abusos, mas que se descobriu que nenhum era verdadeiro.

Investigações estão também a ser feitas pela ONU e parlamento Timorense.

Entretanto, não foi ainda dada uma data para o desmembramento do comando conjunto.

Muitos analistas e políticos concordam que são necessárias reformas profundas das forças armadas e polícia de Timor-Leste para evitar crises futuras, mas o sucesso das forças militares em trazerem o Sr Salsinha e os seus homens pode tornar as coisas mais difíceis que fáceis.

O Sr Salsinha pode estar de volta à cidade, a sua kostra de forças amotinadas pode estar neutralizada e pode-se pensar que a situação da segurança está mais calma.
Mas há ainda muitos outros desafios que este país instável tem ainda que responder.

Factor político ainda decisivo para a candidatura de Timor à Asean – The Star, 28 Maio

Durante o fim-de-semana, o Presidente de Timor-Leste José Ramos-Horta prometeu que o seu país bão “embaraçaria” a Asean como “um caso problemático” como Myanmar.

Ele dirigia-se aos media internacionais em Singapura sobre a candidatura de Timor-Leste para se juntar à Asean por volta de 2012. Mas a sua declaração entra em conflito com algumas realidades da Asean .

Timor-Leste está entre os países mais pobres na vizinhança. Mas dúvidas acerca do ambiente sócio-político dum membro colega preocupa mais a Asean do que o seu estatuto económico.

Visto que o presidente comparou o seu país com Myanmar, que diferenças e semelhanças existem?

Como Myanmar, Timor-Leste é rico em recursos naturais que ainda não foram totalmente espremidas. Mas ao contrário deMyanmar com recursos de madeira em redução e pedras preciosas montadas no turismo, Timor-Leste foi favorecido com petróleo e gás que podem atrair contratos estrangeiros lucrativos.

Também ao contrário de Myanmar, o jovem governo de Timor-Leste goza de muita boa vontade internacional. Desenvolver a sua economia verá entusiástico apoio internacional, bastante ao contrário de Myanmar.

Assim a situação económica de Timor-Leste não está em questão na esperança de se juntar à Asean. Mas como Myanmar, o seu problema é turbilhão político não resolvido de fissuras sociais profundamente instaladas.

Ramos-Horta pode dizer que Timor-Leste é democrático, ao contrário de Myanmar, mas o seu país não está a tentar juntar-se à União Europeia. Na experiência dos países da Asean, as maiores prioridades são estabilidade política, segurança nacional e paz social.

O problema de Myanmar é que essas prioridades não convergem, e entidades oficiais parecem ainda determinadas em não resolver as raízes do predicamento. Myanmar embaraça, frustra e enerva a Asean não com o atraso económico mas com o subdesenvolvimento político.

A estabilidade, segurança e paz de Timor-Leste foram devastadas não apenas com a polícia e militares a lutarem uns com os outros, mas também com grupos de militares em luta quase próximo de guerra civil. Motins que irromperam em 2006 continuaram em 2007, com ataques a ambos o primeiro-ministro e presidente enquanto Ramos-Horta apenas sobreviveu à justa a uma tentativa de assassínio este ano.

Nos anos de 1990s, o pedido de Cambodja para se juntar à Asean foi atrasado por causa de lutas interinas. Timor-Leste faria bem em aprender com tais exemplos do passado.

Myanmar foi admitida na Asean com o que agora parece ser esperanças ingénuas de Yangon fazer reformas prometidas. Depois da cenoura da entrada na Asean ter falhado, alguns especularam em vão com o pau da suspensão.

Os líderes de Timor estão errados se pensam que a pertença à Asean depende do desenvolvimento económico. O ênfase deve ser posto na resolução dos problemas sociais e políticos do país, e não em realizações económicas futuras.

O então leste de Timor “deixou” a Indonésia em 1999 e ganhou formalmente a independência em 2002, mas mesmo agora as lutas tribais em Timor-Leste e as rupturas de facções permanecem por resolver. Ramos-Horta disse que 2012 era um alvo para ajudar a apressar esforços de reforma, mas isso não resultará se as prioridades forem erradamente alinhadas para com a economia.

As diferenças no desenvolvimento económico entre países da Asean atrasaram a integração e limitaram a eficiência das políticas, mas todas as esperanças de crescimento, investimento e comércio podem ser destruídas com turbilhão político continuado e incertezas graves. Isto é uma realidade básica que todas as nações membros da Asean aprenderam de maneira difícil.

Timor-Leste está localizada na região da Asean largamente porque a governação Indonésia se “localizou” ela própria dentro do antigo Timor Português. Antropologicamente e culturalmente, as raízes Austronésias e Melanésias de Timor colocam-no mais distante.

Noutros tempos os líderes de Timor tinham antipatia pela Asean, mas isso foi ultrapassado depois do regime de Suharto da Indonésia ter expirado.
Como uma pequena jovem nação perto de dois gigantes, Indonésia e Austrália, hoje Timor-Leste soberano pode sentir-se mais seguro na Asean baseado na igualdade de direitos dos membros e consenso de grupo.

Mas a Asean tem sido sempre acerca de sustentar estabilidade através dum centro de segurança construido em paz fraterna, depois do que pode prosseguir a perspectiva económica desimpedida. Os líderes de Timor precisam de interiorizar esta fórmula para o sucesso da Asean.



UNMIT MONITORIZAÇÂO DOS MEDIA

h correia disse...

"Timor leaders once had antipathy for Asean"

Não esqueçamos que a grande maioria desses países foi cúmplice da ocupação indonésia de Timor.

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.