quarta-feira, janeiro 23, 2008

Reinado refuses to face murder charges

January 23, 2008 - 6:23PM
AAP

East Timor's fugitive rebel leader Alfredo Reinado has refused to attend a scheduled court hearing on Thursday to face murder and other charges related to a deadly outbreak of violence in 2006.

Reinado's lawyer Benevides Barros said the rebel leader would not submit to the judicial process until the government met several demands.

Reinado escaped from jail in the capital, Dili, in August 2006 and has been on the run ever since.
He had led rebel soldiers after the former government sacked more than a third of the country's defence force earlier that year, sparking unrest that left 37 people dead and drove 100,000 from their homes.

Barros said Reinado wanted to continue dialogue with the government to discuss issues of military discrimination and political issues that caused the 2006 crisis.

But Reinado would only participate in discussions if they took place in a military encampment set up in a location of his choice, with security provided by a neutral third party.

Reinado is also asking for a letter from the government recognising that he and his followers are still in the military.

He also wants his case heard by a military court, and refuses to allow foreign judges or foreign prosecutors to participate.

"He said he doesn't think the civil court will understand the military things," Barros said.

"The other issues he raised is because he doesn't trust the civil judges and prosecutor - he knows the court will put him in jail without a fair trial."

The court issued an arrest warrant for Reinado following his escape from prison, but last year President Jose Ramos Horta called off the warrant following a bungled attempt by the Australian military to arrest the rebel in Same, 50km south of Dili.

Five of Reinado's followers died in the mountain raid.

The judge presiding over Reinado's case later accused the president of violating the constitutional separation of powers by waiving the arrest warrant, saying the action was illegal.

Last week, Commander of the Australian troops in East Timor Brigadier John Hutcheson said he would follow the orders of the state and the president, and would not execute the arrest warrant.

"The government is doing a very good job in dealing with Major Alfredo Reinado. He is not, in my mind, a security threat and it is a political issue to be resolved," Hutcheson said.

Ramos Horta recently set May this year as a deadline to resolve issues with Reinado.

He said the deadline was not definitive.

© 2008 AAP

Tradução:

Reinado recusa enfrentar acusações de homicídio

Janeiro 23, 2008 - 6:23PM
AAP

O líder foragido amotinado de Timor-Leste Alfredo Reinado recusou-se atender uma audiência agendada no tribunal na Terça-feira para enfrentar acusações de homicídio e outras relacionadas com as explosão de violência mortal em.

O advogado de Reinado, Benevides Barros disse que o líder amotinado não se sujeitará ao processo judicial até o governo responder a várias exigências.

Reinado escapou duma prisão na capital, Dili, em Agosto de 2006 e tem andado em fuga desde então.Ele tinha liderado soldados amotinados depois do antigo governo ter despedido mais de um terço da força de defesa do país no princípio desse ano, desencadeando desassossego que deixou 37 pessoas mortas e levou 100,000 das suas casas.

Barros disse que Reinado quer continuar a dialogar com o governo para discutir questões de discriminação militar e questões políticas que causaram a crise de 2006.

Mas Reinado apenas participará em discussões que ocorrerem num acampamento militar montado num local da sua escolha, com a segurança feita por uma terceira parte.

Reinado está também a exigir uma carta do governo que reconheça que ele e os seus seguidores são ainda militares.

Quer também que o caso seja ouvido num tribunal militar e recusa a participação de juízes ou de procuradores estrangeiros.

"Ele disse que pensa que um tribunal civil não compreende as coisas militares," disse Barros.

"As outras questões que ele levantou são porque ele não confia em juízes e procuradores civis – ele sabe que o tribunal o porá na prisão sem um julgamento correcto."

O tribunal emitiu um mandato de prisão contra Reinado depois de se escapar da prisão, mas no ano passado o Presidente José Ramos Horta declarou o mandato sem efeito depois duma tentativa abortada dos militares Australianos para deterem o amotinado em Same, 50 km a sul de Dili.

Cinco dos seguidores de Reinado morreram no assalto na montanha.

Mais tarde o juíz do caso de Reinado acusou o presidente de violação da separação constitucional de poderes ao descartar o mandato de prisão, dizendo que esse acto era ilegal.

Na semana passada, o Comandante das tropas Australianas em Timor-Leste Brigadeiro John Hutcheson disse que seguiria as ordens do Estado e do presidente, e que não executaria o mandato de prisão.

"O governo está a fazer um bom trabalho a lidar com o Major Alfredo Reinado. Ele não é, no meu entender, uma ameaça à segurança e esta é uma questão política por resolver," disse Hutcheson.

Ramos Horta recentemente marcou Maio deste ano como a data limite para resolver as questões com Reinado.

Disse que a data limite não era definitiva.

© 2008 AAP

2 comentários:

Margarida disse...

Tradução:
Reinado recusa enfrentar acusações de homicídio
Janeiro 23, 2008 - 6:23PM
AAP

O líder foragido amotinado de Timor-Leste Alfredo Reinado recusou-se atender uma audiência agendada no tribunal na Terça-feira para enfrentar acusações de homicídio e outras relacionadas com as explosão de violência mortal em.

O advogado de Reinado, Benevides Barros disse que o líder amotinado não se sujeitará ao processo judicial até o governo responder a várias exigências.

Reinado escapou duma prisão na capital, Dili, em Agosto de 2006 e tem andado em fuga desde então.
Ele tinha liderado soldados amotinados depois do antigo governo ter despedido mais de um terço da força de defesa do país no princípio desse ano, desencadeando desassossego que deixou 37 pessoas mortas e levou 100,000 das suas casas.

Barros disse que Reinado quer continuar a dialogar com o governo para discutir questões de discriminação militar e questões políticas que causaram a crise de 2006.

Mas Reinado apenas participará em discussões que ocorrerem num acampamento militar montado num local da sua escolha, com a segurança feita por uma terceira parte.

Reinado está também a exigir uma carta do governo que reconheça que ele e os seus seguidores são ainda militares.

Quer também que o caso seja ouvido num tribunal militar e recusa a participação de juízes ou de procuradores estrangeiros.

"Ele disse que pensa que um tribunal civil não compreende as coisas militares," disse Barros.

"As outras questões que ele levantou são porque ele não confia em juízes e procuradores civis – ele sabe que o tribunal o porá na prisão sem um julgamento correcto."

O tribunal emitiu um mandato de prisão contra Reinado depois de se escapar da prisão, mas no ano passado o Presidente José Ramos Horta declarou o mandato sem efeito depois duma tentativa abortada dos militares Australianos para deterem o amotinado em Same, 50 km a sul de Dili.

Cinco dos seguidores de Reinado morreram no assalto na montanha.

Mais tarde o juíz do caso de Reinado acusou o presidente de violação da separação constitucional de poderes ao descartar o mandato de prisão, dizendo que esse acto era ilegal.

Na semana passada, o Comandante das tropas Australianas em Timor-Leste Brigadeiro John Hutcheson disse que seguiria as ordens do Estado e do presidente, e que não executaria o mandato de prisão.

"O governo está a fazer um bom trabalho a lidar com o Major Alfredo Reinado. Ele não é, no meu entender, uma ameaça à segurança e esta é uma questão política por resolver," disse Hutcheson.

Ramos Horta recentemente marcou Maio deste ano como a data limite para resolver as questões com Reinado.

Disse que a data limite não era definitiva.

© 2008 AAP

H Correia disse...

A ANEDOTA DO ANO...

Ramos Horta [...] set May this year as a deadline to resolve issues with Reinado.

He said the deadline was not definitive.

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.